Go­ver­no ma­peia mé­dia de 14 no­tí­ci­as fal­sas por dia só re­la­ci­o­na­das à saúde

Va­ci­nas, ali­men­tos e re­mé­di­os são os mai­o­res al­vos de in­for­ma­ções en­ga­no­sas, mos­tra le­van­ta­men­to

Folha de S.Paulo - - Cotidiano - Na­tá­lia Can­ci­an Ri­val­do Go­mes - 6.set.18/Fo­lha­press

“No­vas va­ci­nas cau­sam au­tis­mo e os go­ver­nos sa­bem”. “Usar ce­lu­lar no es­cu­ro cau­sa ma­cu­lo­pa­tia (cân­cer no olho)”. “Só água com vi­na­gre po­de ma­tar bac­té­ria pre­sen­te no fei­jão”.

O que há em co­mum en­tre es­sas três fra­ses, com­par­ti­lha­das em cor­ren­tes no What­sApp e em ou­tras re­des so­ci­ais? É o Mi­nis­té­rio da Saúde quem ad­ver­te: são in­for­ma­ções fal­sas.

Ao com­ple­tar um mês de fun­ci­o­na­men­to de um no­vo ser­vi­ço pa­ra re­ce­ber e ve­ri­fi­car in­for­ma­ções de saúde por meio do apli­ca­ti­vo de men­sa­gem, a pas­ta afir­ma ter iden­ti­fi­ca­do 416 fa­ke news —o equi­va­len­te a 14 por dia.

São cor­ren­tes, tex­tos dis­far­ça­dos de no­tí­ci­as, ima­gens re­ti­ra­das de con­tex­to e áu­di­os de su­pos­tos es­pe­ci­a­lis­tas.

“A di­fe­ren­ça é que, na saúde, a in­for­ma­ção equi­vo­ca­da po­de ter con­sequên­ci­as gra­ves”, aler­ta Re­na­to Strauss, che­fe da as­ses­so­ria de im­pren­sa e in­for­ma­ção da pas­ta e à fren- te do gru­po res­pon­sá­vel pe­la che­ca­gem.

“Uma pes­soa que ade­re a um tra­ta­men­to di­to ino­va­dor po­de agra­var sua do­en­ça. Quem dei­xa de se va­ci­nar po­de fi­car do­en­te e che­gar à mor­te”, afir­ma.

Se­gun­do ele, além do ser­vi­ço no What­sApp, cha­ma­do de “Saúde sem fa­ke news”, a pas­ta já iden­ti­fi­cou des­de mar­ço ou­tros 395 fo­cos de in­for­ma­ções fal­sas em re­des so­ci­ais co­mo Twit­ter e Fa­ce­bo­ok.

O con­tro­le é fei­to por meio de um mo­ni­to­ra­men­to diá­rio em mais de 7.000 men­ções e pa­la­vras-cha­ve.

Va­ci­nas, mi­tos so­bre ali­men­ta­ção e so­bre me­di­ca­men­tos são os al­vos mais co­muns de no­tí­ci­as fal­sas em saúde, apon­ta ba­lan­ço da pas­ta. Dos 395 fo­cos iden­ti­fi­ca­dos nas re­des, 89% eram so­bre va­ci­nas.

Já no ser­vi­ço via What­sApp, as va­ci­nas res­pon­de­ram por 91 das 416 in­for­ma­ções fal­sas re­pas­sa­das à pas­ta no úl­ti­mo mês. Ou­tras 153 en­vol­vi­am su­pos­tas “de­nún­ci­as” li­ga­das a ali­men­ta­ção ou cren­ças de be­ne­fí­ci­os exa­ge­ra­dos. Em 27 ca­sos, o fo­co eram me­di­ca­men­tos “mi­la­gro­sos”.

O go­ver­no tem re­do­bra­do as me­di­das pa­ra ten­tar evi­tar a pro­pa­ga­ção de fa­ke news na área. Des­de mar­ço, uma equi­pe de cin­co pes­so­as se de­di­ca ex­clu­si­va­men­te a es­sa aná­li­se.

Ago­ra, o mi­nis­té­rio ava­lia cri­ar no­vas fer­ra­men­tas, co­mo cam­pa­nhas es­pe­cí­fi­cas em tor­no de al­guns te­mas e lis­tas de trans­mis­são pa­ra que usuá­ri­os ca­das­tra­dos re­ce­bam aler­tas so­bre in­for­ma­ções já “des­mas­ca­ra­das”.

Ao con­trá­rio do que ocor­ria no pas­sa­do, a mai­or par­te das in­for­ma­ções fal­sas re­ce­bi­das pe­la pas­ta ho­je não vem de si­tes, mas de cor­ren­tes e in­for­ma­ções em re­des so­ci­ais, em que o con­ta­to com pes­so­as pró­xi­mas e a agi­li­da­de no com­par­ti­lha­men­to aca­ba por le­gi­ti­mar as in­for­ma­ções.

“É fá­cil ver pe­lo gru­po da fa­mí­lia. Quem dis­se­mi­na é uma pes­soa que vo­cê co­nhe­ce. É uma ca­deia de con­fi­an­ça in­for­mal que aca­ba dis­se­mi­nan­do es­sa in­for­ma­ção”, diz o as­ses­sor Strauss.

Se­gun­do ele, uma das di­cas pa­ra ve­ri­fi­car se a in­for­ma­ção é fal­sa é ver a da­ta da no­tí­cia: a mai­o­ria se re­pe­te. “As fa­ke news são cí­cli­cas. A in­for­ma­ção fal­sa de que a va­ci­na cau­sa au­tis­mo, por exem­plo, de tem­pos em tem­pos apa­re­ce.”

Ele lem­bra que a pri­mei­ra vez que a pas­ta cri­ou um gru­po de con­tro­le de fa­ke news ocor­reu em 2008, quan­do si­tes pas­sa­ram a vin­cu­lar a cam­pa­nha de va­ci­na­ção con­tra a ru­béo­la a uma ten­ta­ti­va de es­te­ri­li­za­ção das mu­lhe­res. A si­tu­a­ção le­vou o go­ver­no a cri­ar for­ça-ta­re­fa pa­ra es­cla­re­cer.

Em abril, ga­nhou for­ça no What­sApp um áu­dio com voz fe­mi­ni­na que di­zia que a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saúde não di­vul­ga­va mor­tes em Goiás pe­lo ví­rus “H2N3” pa­ra “não alar­mar a po­pu­la­ção”. O ví­rus, po­rém, não exis­te no Bra­sil —nem em ne­nhum lu­gar do mun­do. A in­for­ma­ção foi uma das que ga­nha­ram um se­lo “O Mi­nis­té­rio da Saúde ad­ver­te: is­so é fa­ke news”.

Re­cen­te­men­te, um pos­sí­vel au­men­to na pro­pa­ga­ção de fa­ke news tem si­do in­ves­ti­ga­do co­mo um dos mo­ti­vos pa­ra a que­da na va­ci­na­ção de cri­an­ças, que atin­giu em 2017 o me­nor ín­di­ce em 16 anos.

“Ain­da va­mos fa­zer um es­tu­do so­bre os mo­ti­vos da não va­ci­na­ção. Mas te­mos ava­li­a­ção de que as fa­ke news po­dem es­tar sim co­la­bo­ran­do pa­ra is­so”, diz a co­or­de­na­do­ra do Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de Imu­ni­za­ções, Car­la Do­min­gues.

Se es­tá mais fá­cil ter mei­os de ve­ri­fi­car se uma in­for­ma­ção é fal­sa, o di­fí­cil ain­da é des­co­brir a ori­gem de­la.

Nes­se ca­so, a es­tra­té­gia do go­ver­no é fa­zer in­ter­ven­ções em ca­da pos­ta­gem pa­ra in­for­mar que se tra­ta de fa­ke news, com ris­cos à saúde. Ou­tra é usar re­des pró­pri­as pa­ra con­tra­por as in­for­ma­ções.

Em ou­tros ca­sos, o go­ver­no tam­bém po­de pe­dir a re­ti­ra­da do ma­te­ri­al do ar.

Eta­pa da cam­pa­nha da va­ci­na­ção con­tra a fe­bre ama­re­la, em SP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.