Após re­a­jus­te, STF não mos­tra pres­sa pa­ra con­tra­par­ti­da

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ju­li­an­na So­fia he­lio@uol.com.br

brasília Re­com­pen­sa­dos com um re­a­jus­te de 16,38%, mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral ex­ter­nam pou­ca pres­sa em de­ba­ter a con­tra­par­ti­da no acor­do pa­ra ele­var seus ga­nhos. Di­as Tof­fo­li não ha­via se­quer sen­ta­do na ca­dei­ra da pre­si­dên­cia da cor­te quan­do con­fa­bu­lou com Mi­chel Te­mer, em agos­to, uma for­ma en­ge­nho­sa pa­ra tra­ves­tir o au­men­to. Apro­va-se o per­cen­tu­al; abo­le-se o au­xí­lio-mo­ra­dia.

“Eu já dis­se pu­bli­ca­men­te: (o pra­zo se­rá) quan­do o Se­na­do de­li­be­rar so­bre a re­vi­são, que a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos já apro­vou”, de­cla­rou o já pre­si­den­te do STF à Fo­lha, quan­do in­da­ga­do so­bre a da­ta pa­ra jul­gar o be­ne­fí­cio. “Não é au­men­to. É re­vi­são das per­das in­fla­ci­o­ná­ri­as de 2009 a 2014. Uma vez apro­va­do is­so, vo­ta (no STF) o au­xí­lio-mo­ra­dia.”

Re­a­jus­te apro­va­do, ca­be a Tof­fo­li ga­ran­tir o acer­to de con­tas já.

Mas seus pa­res mos­tram-se in­con­so­nan­tes. Luiz Fux es­tá si­len­te. Sua ta­re­fa co­mo re­la­tor é li­be­rar as ações pa­ra jul­ga­men­to pe­lo ple­ná­rio. Dos de­mais mi­nis­tros, qua­se na­da se ou­viu so­bre a ex­tin­ção do au­xí­lio nos di­as se­guin­tes à vo­ta­ção no Se­na­do. Pe­los cor­re­do­res do tri­bu­nal, co­men­ta-se re­di­gir no­va alí­nea pa­ra o acor­dão e dei­xar o de­ba­te pa­ra de­pois que Te­mer san­ci­o­nar o au­men­to apro­va­do pe­lo Con­gres­so.

No pa­pel de fi­a­dor da com­bi­na­ção, o eme­de­bis­ta dis­põe de 15 di­as pa­ra a san­ção —ato que po­de­rá se­gu­rar até o úl­ti­mo mi­nu­to, aguar­dan­do uma ma­ni­fes­ta­ção mais efu­si­va do Su­pre­mo so­bre o des­car­te da re­ga­lia.

O se­na­dor não re­e­lei­to Cris­to­vam Bu­ar­que (PPS-DF) cha­mou de ar­ti­ma­nha tro­car o au­men­to pe­lo fim do be­ne­fí­cio. “Com a in­dig­na­ção que o po­vo sen­tiu, ago­ra es­tão que­ren­do man­ter com ou­tro no­me. Não vai mais se cha­mar au­xí­lio-mo­ra­dia, vai se cha­mar sa­lá­rio”, de­cla­rou da tri­bu­na. “Bas­ta de ar­ti­ma­nha, que só vai pa­ra 11 (mi­nis­tros)”, acres­cen­tou, em alu­são ao im­pac­to do re­a­jus­te em ou­tras es­fe­ras e Po­de­res.

Na arit­mé­ti­ca do acer­to, só no Ju­di­ciá­rio e Mi­nis­té­rio Pú­bli­co fe­de­rais, a tro­ca dei­xa­rá sal­do de­ve­dor de mais de R$ 500 mi­lhões por ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.