No­va CLT, 1º ano

Ge­ra­ção de em­pre­gos foi bai­xa nos pri­mei­ros 12 me­ses da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, de­vi­do à fra­que­za da eco­no­mia e à per­sis­tên­cia de dú­vi­das ju­rí­di­cas

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Edi­to­ri­ais@gru­po­fo­lha.com.br

Acer­ca de re­sul­ta­dos par­ci­ais da re­for­ma tra­ba­lhis­ta.

O pri­mei­ro ani­ver­sá­rio da re­for­ma tra­ba­lhis­ta, nes­te do­min­go (11), não me­re­ce­rá mai­o­res co­me­mo­ra­ções. Pa­ra os crí­ti­cos da lei, que fle­xi­bi­li­zou a jor­na­da de tra­ba­lho e aca­bou com a con­tri­bui­ção sin­di­cal obrigatória, a mu­dan­ça não cri­ou os em­pre­gos pro­me­ti­dos.

En­tre os que re­co­nhe­cem avan­ços, apon­ta-se que ain­da fal­ta se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca pa­ra fa­zer des­lan­char as con­tra­ta­ções —o que, de to­do mo­do, de­pen­de ba­si­ca­men­te do es­ta­do ge­ral da eco­no­mia.

A ge­ra­ção de va­gas for­mais, de fa­to, foi pe­que­na no pe­río­do de vi­gên­cia da le­gis­la­ção. En­tre no­vem­bro de 2017 e se­tem­bro des­te ano, abri­ram-se 298,3 mil pos­tos com car­tei­ra as­si­na­da.

A ci­fra fi­cou mui­to abai­xo da ex­pec­ta­ti­va do go­ver­no Mi­chel Te­mer (MDB), que che­ga­va a 2 mi­lhões —o país tem ho­je 38,6 mi­lhões de ce­le­tis­tas.

As no­vas pos­si­bi­li­da­des de con­tra­tos, co­mo o tra­ba­lho in­ter­mi­ten­te, ain­da não têm si­do usa­das em lar­ga es­ca­la. Fo­ram ape­nas 35,3 mil em­pre­gos nes­sa mo­da­li­da­de.

É equí­vo­co, en­tre­tan­to, cul­par a re­for­ma pe­lo bai­xo di­na­mis­mo do mer­ca­do de tra­ba­lho. Ao lon­go des­te ano, so­bre­tu­do des­de a pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros, as pro­je­ções pa­ra o cres­ci­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to fo­ram sen­do con­ti­nu­a­men­te re­bai­xa­das, de qua­se 3% pa­ra me­nos de 1,5%.

Va­le ob­ser­var tam­bém que vá­ri­os dis­po­si­ti­vos da no­va CLT so­frem ques­ti­o­na­men­tos na Jus­ti­ça do Tra­ba­lho e no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral. Es­te ape­nas em ju­nho jul­gou cons­ti­tu­ci­o­nal o fim da obri­ga­to­ri­e­da­de do im­pos­to sin­di­cal. A ter­cei­ri­za­ção de ati­vi­da­des­fim so­men­te foi va­li­da­da em de­fi­ni­ti­vo no mês de agos­to.

Temas co­mo a con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria do fun­ci­o­ná­rio in­ter­mi­ten­te, a pos­si­bi­li­da­de de ges­tan­tes e lac­tan­tes atu­a­rem em lo­cal in­sa­lu­bre e a gra­tui­da­de da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho ain­da de­pen­dem do pro­nun­ci­a­men­to do STF.

En­quan­to is­so, já se con­ta­bi­li­za sig­ni­fi­ca­ti­va re­du­ção dos li­tí­gi­os. En­tre de­zem­bro de 2017 e se­tem­bro des­te ano, hou­ve 1,4 mi­lhão de re­cla­ma­ções, con­tra 2,2 mi­lhões no pe­río­do cor­res­pon­den­te an­te­ri­or.

O ris­co de ar­car com cus­tos pro­ces­su­ais le­va li­ti­gan­tes em po­ten­ci­al a de­sis­tir de de­man­das me­nos fun­da­men­ta­das. Cum­pre as­se­gu­rar que as re­gras não res­trin­jam o di­rei­to de aces­so à Jus­ti­ça.

Com a sim­pli­fi­ca­ção dos pro­ce­di­men­tos pa­ra a ne­go­ci­a­ção en­tre pa­trões e em­pre­ga­dos, os pa­ga­men­tos de­cor­ren­tes de acor­dos so­ma­ram R$ 11,8 bi­lhões, o que sig­ni­fi­ca au­men­to de 24%.

A des­pei­to da in­sa­tis­fa­tó­ria cri­a­ção de em­pre­gos até ago­ra e sem pre­juí­zo de ne­ces­sá­ri­as me­lho­ri­as, a re­for­ma se mos­tra cor­re­ta. Seu im­pac­to se­rá di­men­si­o­na­do à me­di­da que as nor­mas se as­sen­tem na ju­ris­pru­dên­cia e na prá­ti­ca co­ti­di­a­na de em­pre­sas e as­sa­la­ri­a­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.