La­cu­na na la­ma

Folha de S.Paulo - - Primeira Página -

So­bre pa­pel do se­tor pú­bli­co na tra­gé­dia de Ma­ri­a­na.

Em 5 de no­vem­bro de 2015, a rup­tu­ra de uma bar­ra­gem de re­jei­tos de mi­ne­ra­ção da em­pre­sa Sa­mar­co em Ma­ri­a­na (MG) ma­tou 19 pes­so­as, pro­du­zin­do tam­bém a mai­or ca­tás­tro­fe am­bi­en­tal do país.

Qua­se 40 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de lo­do ver­te­ram da es­tru­tu­ra rom­pi­da, se­pul­tan­do a pe­que­na co­mu­ni­da­de de Ben­to Ro­dri­gues. A mas­sa vis­co­sa atin­giu o rio Do­ce, co­brin­do boa par­te do seu lei­to, e 16 di­as de­pois al­can­çou o li­to­ral do Es­pí­ri­to San­to, da­ni­fi­can­do ecos­sis­te­mas no ca­mi­nho.

Três anos de­pois, a apu­ra­ção das res­pon­sa­bi­li­da­des pe­la tra­gé­dia mos­tra re­sul­ta­dos pí­fi­os.

As ações ci­vis e cri­mi­nais con­tra a Sa­mar­co e su­as pro­pri­e­tá­ri­as, Va­le e BHP Bil­li­ton, têm avan­ça­do, aos tran­cos e bar­ran­cos. Já as in­ves­ti­ga­ções so­bre fa­lhas do po­der pú­bli­co na fis­ca­li­za­ção e na pre­ven­ção do de­sas­tre, quan­do exis­tem, pa­re­cem fa­da­das a na­da es­cla­re­cer.

A Con­tro­la­do­ria-Ge­ral do Es­ta­do (CGE) de Mi­nas Ge­rais abriu dois pro­ce­di­men­tos pa­ra ave­ri­guar a pos­sí­vel omis­são de agen­tes. A pri­mei­ra tra­ta da re­va­li­da­ção da li­cen­ça de ope­ra­ções do com­ple­xo de bar­ra­gens da em­pre­sa; a se­gun­da exa­mi­nou pro­ble­mas no con­tro­le do re­ser­va­tó­rio de re­jei­tos.

No fim de 2013, quan­do o sis­te­ma te­ve a sua li­cen­ça re­no­va­da, a obra apon­ta­da co­mo ga­ti­lho do rom­pi­men­to es­ta­va em cur­so —e era de co­nhe­ci­men­to do go­ver­no mi­nei­ro, ten­do si­do vi­si­ta­da por fis­cais ao me­nos três ve­zes. Mes­mo as­sim, a au­to­ri­za­ção foi re­va­li­da­da.

A in­ves­ti­ga­ção ain­da se acha em fa­se ini­ci­al. Pi­or, a ins­ti­tui­ção es­ta­du­al não dá pra­zo pa­ra a con­clu­são dos tra­ba­lhos.

A ou­tra apu­ra­ção da CGE apon­tou que a Fun­da­ção Es­ta­du­al do Meio Am­bi­en­te pro­va­vel­men­te ti­nha co­nhe­ci­men­to de pen­dên­ci­as da Sa­mar­co quan­to à se­gu­ran­ça de bar­ra­gens, mas não co­brou pro­vi­dên­ci­as da em­pre­sa.

A sin­di­cân­cia ter­mi­nou ar­qui­va­da sob o ar­gu­men­to de que es­sa fis­ca­li­za­ção ca­be ao De­par­ta­men­to Na­ci­o­nal de Pro­du­ção Mi­ne­ral (DNPM). Com efei­to, a ava­li­a­ção da es­ta­bi­li­da­de de bar­ra­gens de con­ten­ção, co­mo a que se rom­peu em Ma­ri­a­na, é da al­ça­da des­se ór­gão do Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Ener­gia.

O Tri­bu­nal de Con­tas da União já apon­ta­ra a fal­ta de atu­a­ção do DNPM co­mo um dos fa­to­res pa­ra o aci­den­te. Ape­sar dis­so, não há no­tí­cia de ne­nhum pro­ce­di­men­to in­ves­ti­ga­tó­rio nes­sa re­par­ti­ção.

Tu­do se pas­sa, pois, co­mo se o de­sas­tre de­cor­res­se ape­nas de inép­cia pri­va­da. Por in­dis­cu­tí­vel que es­ta te­nha si­do, o po­der pú­bli­co no mí­ni­mo de­ve es­cla­re­ci­men­tos a res­pei­to da efi­cá­cia de seus me­ca­nis­mos de con­tro­le e pre­ven­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.