Mi­chel­le Oba­ma cri­ti­ca Trump em au­to­bi­o­gra­fia

Vo­lu­me de me­mó­ri­as da ex-pri­mei­ra-da­ma, ‘Mi­nha His­tó­ria’ se­rá lan­ça­do na pró­xi­ma se­ma­na

Folha de S.Paulo - - Primeira Página -

Em seu li­vro de me­mó­ri­as, “Be­co­ming” (Tor­nan­do-se), a ex-pri­mei­ra-da­ma dos EUA fa­la aber­ta­men­te so­bre tu­do e diz que a elei­ção de Do­nald Trump a dei­xou em cho­que.

washing­ton A ex-pri­mei­ra-da­ma dos EUA Mi­chel­le Oba­ma de­to­na o pre­si­den­te Do­nald Trump em seu no­vo li­vro, con­tan­do que en­trou em cho­que quan­do sou­be que ele subs­ti­tui­ria seu ma­ri­do no Sa­lão Oval e ten­tou “blo­que­ar tu­do”.

Ela tam­bém de­nun­cia a cam­pa­nha de Trump cha­ma­da “birther”, que ques­ti­o­na­va o lo­cal de nas­ci­men­to e a ci­da­da­nia de Oba­ma, cha­man­do-a de pre­con­cei­tu­o­sa e pe­ri­go­sa, “de­li­be­ra­da­men­te des­ti­na­da a ins­ti­gar os ma­lu­cos e ex­cên­tri­cos”.

Em seu li­vro de me­mó­ri­as, “Mi­nha His­tó­ria” (“Be­co­ming”), lan­ça­do mun­di­al­men­te na pró­xi­ma ter­ça (13), Mi­chel­le es­cre­ve aber­ta­men­te so­bre tu­do, co­mo sua cri­a­ção em Chi­ca­go, ter de en­fren­tar o ra­cis­mo na vi­da pú­bli­ca e sua in­cre­du­li­da­de ao se tor­nar a pri­mei­ra pri­mei­ra-da­ma ne­gra dos EUA.

Ela tam­bém re­fle­te so­bre su­as pri­mei­ras lu­tas no ca­sa­men­to com Ba­rack Oba­ma, quan­do ele ini­ci­ou sua car­rei­ra po­lí­ti­ca e com frequên­cia es­ta­va dis­tan­te.

A ex-pri­mei­ra-da­ma re­ve­la, por exem­plo, que en­fren­tou pro­ble­mas pa­ra en­gra­vi­dar, e que su­as du­as fi­lhas com Ba­rack, Ma­lia e Sasha, fo­ram con­ce­bi­das por fer­ti­li­za­ção in vi­tro.

Mi­chel­le es­cre­ve que eles con­sul­ta­ram um con­se­lhei­ro ma­tri­mo­ni­al “um pu­nha­do de ve­zes” e ela pas­sou a per­ce­ber que es­ta­va mais “no co­man­do” de sua fe­li­ci­da­de do que per­ce­bia. “Es­se foi meu pon­to de vi­ra­da”, ex­pli­ca. “Meu mo­men­to de au­to­a­fir­ma­ção.”

No li­vro, ela diz ter pen­sa­do que Trump es­ti­ves­se “se exi­bin­do” quan­do anun­ci­ou sua can­di­da­tu­ra pre­si­den­ci­al em 2015. Ela ex­pres­sa des­cren­ça so­bre qu­an­tas mu­lhe­res es­co­lhe­ri­am um “mi­só­gi­no” em vez de Hil­lary Clin­ton, “uma can­di­da­ta com qua­li­fi­ca­ção ex­cep­ci­o­nal”. Ela lem­bra que seu cor­po “vi­bra­va com fú­ria” de­pois de ver a in­fa­me gra­va­ção em que Trump se ga­ba de ata­car mu­lhe­res se­xu­al­men­te.

A As­so­ci­a­ted Press com­prou um exem­plar an­te­ci­pa­do de “Mi­nha His­tó­ria”, um dos li­vros po­lí­ti­cos mais es­pe­ra­dos dos úl­ti­mos tem­pos.

Mi­chel­le é ad­mi­ra­da em to­do o mun­do, e me­mó­ri­as de ex-pri­mei­ras-da­mas, in­cluin­do Hil­lary Clin­ton e Lau­ra Bush, ge­ral­men­te são cam­peãs de ven­da.

Ela ini­cia sua tur­nê pro­mo­ci­o­nal na ter­ça não em uma li­vra­ria, mas no Uni­ted Cen­ter de Chi­ca­go, on­de de­ze­nas de mi­lha­res de pes­so­as com­pra­ram in­gres­sos —de pou­co me­nos de US$ 30 (R$ 112) a mi­lha­res de dó­la­res— pa­ra par­ti­ci­par do even­to, mo­de­ra­do por Oprah Win­frey.

Ou­tras es­ca­las em uma tur­nê com di­men­sões de es­tre­la do rock es­tão pla­ne­ja­das em gran­des are­nas, do Bar­clays Cen­ter em No­va York ao Los An­ge­les Fo­rum, com con­vi­da­dos in­cluin­do Re­e­se Withers­po­on e Sa­rah Jes­si­ca Par­ker.

Al­guns fãs cri­ti­ca­ram o pre­ço al­to de­mais, mas 10% dos in­gres­sos de ca­da even­to se­rão do­a­dos a ins­ti­tui­ções be­ne­fi­cen­tes, es­co­las e gru­pos co­mu­ni­tá­ri­os.

No li­vro, Mi­chel­le com­par­ti­lha so­fri­men­to e ale­gria. Es­cre­ve ca­ri­nho­sa­men­te so­bre sua fa­mí­lia e faz um re­la­to de­ta­lha­do de seu na­mo­ro com o fu­tu­ro ma­ri­do, que ela co­nhe­ceu quan­do am­bos tra­ba­lha­vam na fir­ma de ad­vo­ca­cia Si­dley Aus­tin, em Chi­ca­go; ela foi ini­ci­al­men­te as­ses­so­ra de Ba­rack.

As se­cre­tá­ri­as afir­mam que ele era ao mes­mo tem­po bri­lhan­te e bo­ni­to, em­bo­ra Mi- chel­le des­con­fi­as­se, di­zen­do no li­vro que as pes­so­as bran­cas “en­lou­que­cem” sem­pre que vo­cê “põe um ter­no” em um “ho­mem ne­gro meio in­te­li­gen­te”.

Ela tam­bém achou que a ima­gem de­le ti­nha “um to­que de bre­ga”. Mas fi­cou bem im­pres­si­o­na­da de­pois que o co­nhe­ceu, por sua voz “de ba­rí­to­no, pro­fun­da e até sexy” e por sua “estranha e ins­ti­gan­te com­bi­na­ção” de tran­qui­li­da­de e for­ça. “Es­se es­tra­nho ho­mem que mis­tu­ra um pou­co de tu­do”, quan­do ela fi­nal­men­te o dei­xou bei­já-la, pro­vo­cou uma “ex­plo­são ar­ra­sa­do­ra de de­se­jo, gra­ti­dão, re­a­li­za­ção, surpresa”.

Mas ao lon­go da vi­da po­lí­ti­ca do ma­ri­do ela lu­tou pa­ra equi­li­brar as ne­ces­si­da­des pú­bli­cas e pri­va­das e pa­ra man­ter sua au­to­es­ti­ma. So­fria pe­lo que te­mia ser uma ima­gem ra­cis­ta, de ca­ri­ca­tu­ra. Lem­brou que foi ro­tu­la­da de “ir­ri­ta­da” e, pe­la Fox News, de “Oba­ma’s Baby Ma­ma”.

“Mi­nha His­tó­ria” in­te­gra um acor­do edi­to­ri­al com Ba­rack, cu­jas me­mó­ri­as são es­pe­ra­das pa­ra 2019. Acre­di­ta-se que o va­lor do con­tra­to che­ga a de­ze­nas de mi­lhões de dó­la­res.

Mui­to elo­gi­a­da co­mo ora­do­ra e co­mu­ni­ca­do­ra ta­len­to­sa, Mi­chel­le sem­pre dis­se que não pre­ten­de dis­pu­tar car­gos ele­ti­vos, mas re­a­li­zou co­mí­ci­os no es­ti­lo de cam­pa­nha elei­to­ral an­tes das elei­ções de meio de man­da­to, pe­din­do que as pes­so­as se re­gis­tras­sem pa­ra vo­tar —o vo­to não é obri­ga­tó­rio nos EUA. Os co­mí­ci­os fi­ze­ram par­te de seu tra­ba­lho co­mo co­pre­si­den­te da or­ga­ni­za­ção sem fins lu­cra­ti­vos e apar­ti­dá­ria When We All Vo­te (Quan­do To­dos Vo­ta­mos).

Mi­nha His­tó­ria Mi­chel­le Oba­ma. Ed. Ob­je­ti­va. R$ 59,90 (416 págs.)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.