F65.0

Folha de S.Paulo - - Opinião - Hé­lio Schwarts­man

são pau­lo F65.0 é o có­di­go da CID10 (Clas­si­fi­ca­ção In­ter­na­ci­o­nal de Do­en­ças) pa­ra o fe­ti­chis­mo. A fi­xa­ção eró­ti­ca num ob­je­to ina­ni­ma­do ou nu­ma par­te não ge­ni­tal do cor­po é só um tem­pe­ro se­xu­al se não tem im­pac­to ne­ga­ti­vo na vi­da do por­ta­dor, mas tor­na-se pa­to­ló­gi­ca quan­do lhe cau­sa for­te es­tres­se psi­cos­so­ci­al ou pro­duz ou­tros efei­tos ad­ver­sos. Eu re­ceio que, co­mo so­ci­e­da­de, es­te­ja­mos de­sen­vol­ven­do um fe­ti­chis­mo em re­la­ção aos mi­nis­té­ri­os.

O pro­ble­ma, co­mo sem­pre, são os nos­sos cé­re­bros. Eles não gos­tam de li­dar com com­ple­xi­da­de e, por is­so, se apro­vei­tam de qual­quer ata­lho cog­ni­ti­vo que apa­re­ça pe­lo ca­mi­nho.

As­sim, o ati­vis­ta de di­rei­tos hu­ma­nos ou a mi­li­tan­te fe­mi­nis­ta, por exem­plo, atô­ni­tos di­an­te da ca­lei­dos­có­pi­ca mul­ti­pli­ci­da­de de pau­tas que gos­ta­ri­am de pro­mo­ver, aca­bam ele­gen­do a cri­a­ção do Mi­nis­té­rio de Di­rei­tos Hu­ma­nos ou do Mi­nis­té­rio da Mu­lher co­mo ob­je­ti­vo pre­fe­ren­ci­al de sua atu­a­ção. E, uma vez atin­gi­da a me­ta, pas­sam a con­si­de­rar uma even­tu­al ex­tin­ção da pas­ta co­mo a ne­ga­ção dos pró­pri­os di­rei­tos hu­ma­nos ou da agen­da fe­mi­nis­ta.

Co­mo es­ta­mos li­dan­do tam­bém com sím­bo­los, ter ou não sta­tus mi­nis­te­ri­al faz al­gu­ma di­fe­ren­ça, mas pro­va­vel­men­te me­nor do que se su­põe. Po­si­ção na es­tru­tu­ra hi­e­rár­qui­ca, im­por­tân­cia do te­ma e efi­cá­cia das ações não são sinô­ni­mos. Um mi­nis­tro dos Di­rei­tos Hu­ma­nos que se reú­na me­nos de uma vez por ano com o pre­si­den­te po­de ser me­nos efe­ti­vo do que um se­cre­tá­rio de área lo­ta­do no Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça cu­jo ti­tu­lar des­pa­che di­a­ri­a­men­te com a au­to­ri­da­de má­xi­ma.

Es­sa ar­gu­men­ta­ção va­le pa­ra os dois la­dos. A ob­ses­são de Bol­so­na­ro em re­du­zir dras­ti­ca­men­te o nú­me­ro de mi­nis­té­ri­os tam­bém é só um sím­bo­lo —a von­ta­de de di­zer que ele abra­ça a te­se do Es­ta­do mí­ni­mo. Seu im­pac­to re­al em ter­mos de re­du­ção de gas­tos é bas­tan­te mo­des­to.

É pre­ci­so cui­da­do pa­ra que nos­sos fe­ti­ches mi­nis­te­ri­ais não ocu­pem um es­pa­ço mui­to mai­or do que de­ve­ri­am, tor­nan­do-se pa­to­ló­gi­cos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.