Par­ti­do sem es­co­la

Folha de S.Paulo - - Opinião - An­dré Sin­ger Pro­fes­sor de ci­ên­cia po­lí­ti­ca da USP, é au­tor de “O Lu­lis­mo em Cri­se”. Es­cre­ve aos sábados

Pas­sa­das as in­ten­sas emo­ções elei­to­rais, o go­ver­no elei­to em 28 de ou­tu­bro co­me­ça a de­se­nhar o seu ver­da­dei­ro ru­mo.

Pa­ra além do pro­gra­ma es­cri­to, que sem­pre tem al­go de flu­tu­an­te, es­ta se­ma­na per­mi­tiu en­xer­gar al­go do que efe­ti­va­men­te es­pe­ra o país a par­tir de ja­nei­ro. Ao au­to­ri­ta­ris­mo pro­pa­ga­do na cam­pa­nha, so­ma-se ago­ra uma vi­são sim­plis­ta dos pro­ble­mas na­ci­o­nais, à qu­al fal­ta o co­nhe­ci­men­to acu­mu­la­do nos cen­tros de es­tu­dos uni­ver­si­tá­ri­os.

Res­pon­sá­vel por uma áre­a­cha­ve da era bol­so­na­ri­a­na, a se­gu­ran­ça pú­bli­ca, Ser­gio Mo­ro de­fen­deu um “pla­no for­te, mas sim­ples”. Com to­do o res­pei­to pe­lo ex­ce­len­tís­si­mo fu­tu­ro mi­nis­tro da Jus­ti­ça, sua pos­tu­ra faz lem­brar a co­nhe­ci­da fra­se de Menc­ken: “Pa­ra to­do pro­ble­ma com­ple­xo exis­te sem­pre uma so­lu­ção sim­ples, ele­gan­te e er­ra­da”.

As opo­si­ções de­vem re­co­nhe­cer que os temas re­la­ti­vos à cri­mi­na­li­da­de al­can­ça­ram uma di­men­são cen­tral no Bra­sil. Bol­so­na­ro sou­be fa­zer do as­sun­to uma po­ten­te ala­van­ca po­lí­ti­ca. Não obs­tan­te, a ten­ta­ti­va de re­sol­vê-lo por meio só do en­du­re­ci­men­to ge­ral da re­pres­são le­va­rá ao seu agra­va­men­to.

Se de fa­to, Mo­ro pre­ten­de atu­ar de mo­do a con­ter os exa­ge­ros do ca­pi­tão re­for­ma­do, co­mo se de­duz da bi­zar­ra afir­ma­ção se­gun­do a qu­al o pre­si­den­te elei­to se­ria fi­gu­ra “mo­de­ra­da” (Fo­lha, 7/11), fa­ria me­lhor se bus­cas­se ata­lhar o pe­ri­go de um au­men­to ge­ne­ra­li­za­do da vi­o­lên­cia a par­tir de 2019. A fle­xi­bi­li­za­ção de con­tro­les so­bre o uso es­ta­tal da for­ça, as­sim co­mo a es­pe­ra­da res­pos­ta por par­te do cri­me or­ga­ni­za­do, faz pre­ver um qua­dro de guer­ra no pró­xi­mo pe­río­do, agra­van­do o já al­to ín­di­ce de ho­mi­cí­di­os em Pin­do­ra­ma.

Na área cru­ci­al da eco­no­mia, o res­pon­sá­vel, Pau­lo Guedes, apos­tou na ace­le­ra­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Os bol­so­na­ris­tas de­fen­dem a ideia in­tui­ti­va­men­te com­pre­en­sí­vel de que ca­da um de­ve ter a apo­sen­ta­do­ria que for ca­paz de ame­a­lhar. Tra­ta-se do cha­ma­do re­gi­me de “ca­pi­ta­li­za­ção”.

Mas con­for­me mos­trou o co­le­ga co­lu­nis­ta Nel­son Bar­bo­sa (Fo­lha, 9/11), a ten­dên­cia des­se sis­te­ma é cri­ar “uma le­gião de ido­sos po­bres, re­ce­ben­do me­nos que um sa­lá­rio mí­ni­mo”. Re­gis­tra, ain­da, que o Chi­le de Pi­no­chet foi um dos pou­cos ca­sos na­ci­o­nais “em que a ca­pi­ta­li­za­ção subs­ti­tuiu a Pre­vi­dên­cia So­ci­al”. Os re­sul­ta­dos fo­ram de­sas­tro­sos, con­clui.

A ex­tre­ma di­rei­ta acre­di­ta sin­ce­ra­men­te que ati­tu­des des­com­pli­ca­das e du­ras re­sol­vem con­fli­tos pro­fun­dos. O pro­ble­ma é que ao des­co­brir, na prá­ti­ca, as con­sequên­ci­as de­le­té­ri­as de tais ges­tos, em ge­ral op­ta por do­brar a apos­ta na vi­o­lên­cia re­pres­si­va. Ca­mi­nho aber­to pa­ra a bar­bá­rie.

Pa­ro uma se­ma­na. Vol­to em 24/11.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.