Mu­la­tas bro­tam chei­as de ca­lor

Folha de S.Paulo - - Opinião - Al­va­ro Cos­ta e Sil­va

rio de ja­nei­ro Ma­ca­que­ar o que os Es­ta­dos Uni­dos mos­tram de pi­or em po­lí­ti­ca não é um pri­vi­lé­gio dos atu­ais ad­mi­ra­do­res de Trump.

Nos­so “Ame-o ou Dei­xe-o” é uma adap­ta­ção de “Lo­ve It or Le­a­ve It”, sa­ca­da do ra­di­a­lis­ta Wal­ter Win­chell nos anos 1950, lo­go uti­li­za­da pe­lo se­na­dor Jo­seph McCarthy pa­ra jus­ti­fi­car sua per­se­gui­ção ao “ini­mi­go in­ter­no”, ou se­ja, os co­mu­nis­tas — sem­pre eles. Du­ran­te os pro­tes­tos con­tra a Guer­ra do Vi­et­nã, na dé­ca­da de 1960, a fra­se vol­tou em for­ma de can­ção coun­try. Até ser mal tra­du­zi­da por aqui na épo­ca da di­ta­du­ra mi­li­tar, ga­nhan­do sta­tus de slo­gan ofi­ci­al do go­ver­no.

Até re­cen­te­men­te, quan­do al­guém se lem­bra­va do slo­gan, era ine­vi­tá­vel que vi­es­se acom­pa­nha­do do com­ple­men­to “O úl­ti­mo a sair apa­ga a luz do ae­ro­por­to” —bou­ta­de atri­buí­da a Ivan Les­sa. Pro­va­vel­men­te ele nun­ca a te­nha di­to ou es­cri­to, mas fi­cou co­mo au­tor (se o ver­da­dei­ro do­no apa­re­cer, a co­lu­na es­tá às or­dens pa­ra o es­cla­re­ci­men­to).

Eis que o SBT pas­sou a exi­bir uma sé­rie de vi­nhe­tas pa­tri­o­tei­ras nos in­ter­va­los co­mer­ci­ais de sua pro­gra­ma­ção. Ao som do hi­no na­ci­o­nal, o “Ame-o ou Dei­xe-o” res­sus­ci­tou. Era pa­ra ser um mi­mo ao pre­si­den­te elei­to. Aca­bou sen­do um ti­ro pe­la cu­la­tra. A re­per­cus­são nas re­des so­ci­ais foi ne­ga­ti­va e a emis­so­ra de Sil­vio San­tos re­ti­rou a cha­ma­da do ar.

Mas o es­tra­go es­té­ti­co es­tá fei­to. Nu­ma das pe­ças ain­da exi­bi­das pe­lo SBT, ou­ve-se a mar­chi­nha “Eu Te Amo, Meu Bra­sil”, com­pos­ta por Dom (da du­pla com Ra­vel) e gra­va­da pe­lo con­jun­to Os In­crí­veis em 1970. É aque­la das fan­far­ras e dos imor­tais ver­sos “As tar­des no Bra­sil são mais dou­ra­das/ Mu­la­tas bro­tam chei­as de ca­lor/ A mão de Deus aben­ço­ou/ Eu vou fi­car aqui por­que exis­te amor”.

O país re­ca­fo­ni­za-se. O pão à Bol­so­na­ro —com der­ra­ma­men­to de lei­te con­den­sa­do por ci­ma (arghhh!)— vi­rou mo­da. Além da vol­ta da cal­ça bo­ca de si­no e do sa­pa­to ca­va­lo de aço, po­de apos­tar que vem mais bre­gui­ce por aí.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.