Sim Je­ru­sa­lém e Brasília: di­rei­tos iguais

Em­bai­xa­da fi­ca­ria em ter­ri­tó­rio so­be­ra­no de Is­ra­el

Folha de S.Paulo - - Opinião - An­dré Lajst Ci­en­tis­ta po­lí­ti­co, mes­tre em di­plo­ma­cia e go­ver­no pe­la IDC Herz­liya (Is­ra­el) e di­re­tor-exe­cu­ti­vo da ONG edu­ca­ci­o­nal StandWithus Bra­sil

Je­ru­sa­lém é a ca­pi­tal de Is­ra­el. Cos­tu­mei­ra­men­te, as em­bai­xa­das se lo­ca­li­zam na ca­pi­tal de ca­da país. É as­sim no Bra­sil, nos Es­ta­dos Uni­dos e no Ja­pão. Em Is­ra­el is­so não de­ve­ria ser di­fe­ren­te. Mas é.

A mai­o­ria das re­pre­sen­ta­ções di­plo­má­ti­cas es­tran­gei­ras es­co­lhe se ba­se­ar em Tel Aviv, ape­sar de os ga­bi­ne­tes do pri­mei­ro-mi­nis­tro e do pre­si­den­te is­ra­e­len­se, as re­si­dên­ci­as ofi­ci­ais, as se­des dos mi­nis­té­ri­os e da Su­pre­ma Cor­te se­rem si­tu­a­das na vi­zi­nha Je­ru­sa­lém, as­sim co­mo a Knes­set, o Par­la­men­to.

Em de­zem­bro de 2017, a re­so­lu­ção do go­ver­no ame­ri­ca­no de trans­fe­rir sua re­pre­sen­ta­ção ofi­ci­al pa­ra a ca­pi­tal is­ra­e­len­se le­vou a ma­ni­fes­ta­ções aca­lo­ra­das no mun­do to­do.

Ago­ra, a pos­si­bi­li­da­de de o pre­si­den­te elei­to no Bra­sil re­a­li­zar o mes­mo mo­vi­men­to acir­ra os âni­mos na­ci­o­nal­men­te.

Pes­so­as con­trá­ri­as à mu­dan­ça da em­bai­xa­da bra­si­lei­ra ale­gam que is­so é pro­ble­má­ti­co pe­lo fa­to de os pa­les­ti­nos tam­bém de­se­ja­rem Je­ru­sa­lém Ori­en­tal co­mo ca­pi­tal de seu país. A res­pos­ta a es­se ar­gu­men­to é uma só: as­sim co­mo o pré­dio da di­plo­ma­cia ame­ri­ca­na, o nos­so fi­ca­ria na par­te oci­den­tal da ci­da­de —tam­bém é nes­sa re­gião, aliás, que es­tão as de­mais re­pre­sen­ta­ções dos Po­de­res is­ra­e­len­ses.

Pa­ra en­ten­der mais so­bre o sta­tus da ca­pi­tal is­ra­e­len­se, é pre­ci­so vi­a­jar no tem­po. Je­ru­sa­lém é sa­gra­da pa­ra as três gran­des re­li­giões mo­no­teís­tas: is­la­mis­mo, cris­ti­a­nis­mo e ju­daís­mo —es­ta úl­ti­ma, a mais an­ti­ga. Os ju­deus es­tão inin­ter­rup­ta­men­te en­tre os ha­bi­tan­tes da ci­da­de nos úl­ti­mos 3.000 anos, mes­mo en­quan­to ela foi con­quis­ta­da, des­truí­da e re­er­gui­da por su­ces­si­vos im­pé­ri­os e exér­ci­tos, até que, no fim da Pri­mei­ra Guer­ra Mun­di­al, os oto­ma­nos fo­ram subs­ti­tuí­dos pe­los in­gle­ses, os no­vos man­da­tá­ri­os da re­gião.

Em 1947, a ONU vo­tou fa­vo­ra­vel­men­te à par­ti­lha de ter­ri­tó­rio en­tre ju­deus e pa­les­ti­nos, pa­ra a cri­a­ção de dois Es­ta­dos. Na con­fi­gu­ra­ção en­tão pro­pos­ta, Je­ru­sa­lém se tor­na­ria uma ci­da­de neu­tra, sem per­ten­cer a um ou a ou­tro. Em 1948, de­pois que Is­ra­el de­cla­rou sua in­de­pen­dên­cia, cin­co paí­ses ára­bes de­cla­ra­ram guer­ra con­tra seu es­ta­be­le­ci­men­to. Uma das con­sequên­ci­as dis­so foi a to­ma­da de Je­ru­sa­lém Ori­en­tal pe­los jor­da­ni­a­nos. Es­sa é a par­te da ci­da­de on­de es­tão im­por­tan­tes mar­cos re­li­gi­o­sos, co­mo o Mu­ro das La­men­ta­ções e a mes­qui­ta de Al-Aq­sa.

A Jor­dâ­nia por qua­se 20 anos con­tro­lou a por­ção les­te da ci­da­de e, nes­se pe­río­do, nun­ca trans­fe­riu sua ca­pi­tal pa­ra lá ou a deu aos pa­les­ti­nos. Tam­bém proi­biu os ju­deus de vi­si­ta­rem seus lo­cais sa­gra­dos e des­truiu 70 si­na­go­gas je­ro­so­li­mi­tas. Só com a Guer­ra dos Seis Di­as, em 1967, Is­ra­el con­se­guiu uni­fi­car a ci­da­de e, de­pois dis­so, ins­ti­tuiu a li­ber­da­de de cul­to ali, in­clu­si­ve pa­ra a fé is­lâ­mi­ca.

Cu­ri­o­sa­men­te, foi só quan­do a ci­da­de dei­xou de per­ten­cer à Jor­dâ­nia que pas­sou a ser vis­ta pe­lo mun­do co­mo al­vo da dis­pu­ta en­tre is­ra­e­len­ses e pa­les­ti­nos. Uma in­co­e­rên­cia. Is­so nos le­va de vol­ta à ques­tão da trans­fe­rên­cia da Em­bai­xa­da do Bra­sil.

Mo­ti­vos his­tó­ri­cos e re­cen­tes sus­ten­tam o fa­to de Je­ru­sa­lém Oci­den­tal ser, in­dis­cu­ti­vel­men­te, ter­ri­tó­rio so­be­ra­no de Is­ra­el. A de­ci­são do Bra­sil de le­var sua em­bai­xa­da pa­ra a ci­da­de não traz ne­nhum em­pe­ci­lho pa­ra um fu­tu­ro acor­do en­tre is­ra­e­len­ses e pa­les­ti­nos. Ao to­mar uma ati­tu­de mais equi­li­bra­da em re­la­ção a Is­ra­el, o Bra­sil po­de­rá co­la­bo­rar de for­ma mais efe­ti­va na bus­ca pe­la paz que to­dos de­se­ja­mos.

Lí­via Ser­ri Fran­coio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.