DEM é es­quer­da, en­si­na ‘prín­ci­pe’ em au­la pa­ra co­le­gas elei­tos do PSL

Folha de S.Paulo - - Poder - -An­na Vir­gi­nia Bal­lous­si­er Reprodução

são pau­lo Em 2010, no dis­cur­so em que caiu na ju­gu­lar da “di­rei­ta rai­vo­sa”, Lu­la de­fen­deu “ex­tir­par o DEM da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra”. Mas o DEM? De di­rei­ta? Dá ze­ro pra ele.

Ao me­nos na au­la de Luiz Phi­lip­pe de Or­le­ans e Bra­gan­ça, a es­quer­da é o me­lhor en­qua­dra­men­to ide­o­ló­gi­co pa­ra o par­ti­do que, na atu­al en­car­na­ção ou com o no­me de PFL, já agre­gou ACM (avô e ne­to) e Ce­sar e Ro­dri­go Maia.

Tri­ne­to da Prin­ce­sa Isa­bel e he­xa­ne­to de dom João 6º, Luiz Phi­lip­pe acu­mu­la vá­ri­os tí­tu­los, de empreendedor no ra­mo de mo­to­pe­ças a prín­ci­pe —em­bo­ra es­cla­re­ça que o pai “re­nun­ci­ou a meus di­rei­tos di­nás­ti­cos an­tes de eu nas­cer”. Se o Bra­sil res­tau­ras­se a mo­nar­quia, não se­ria ele a ser rei.

Em ou­tu­bro, no­vo afa­zer: de­pu­ta­do elei­to pe­lo PSL de Jair Bol­so­na­ro. Na quin­ta (8), mais um: clas­se, co­nhe­çam o pro­fes­sor Or­le­ans e Bra­gan­ça.

Luiz Phi­lip­pe reu­niu na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va de São Pau­lo co­le­gas do PSL —co­mo ele, fu­tu­ros de­pu­ta­dos (es­ta­du­ais e fe­de­rais)— pa­ra en­si­nar um pou­co de te­o­ria po­lí­ti­ca à mo­da Or­le­ans e Bra­gan­ça.

Um dos sli­des di­vi­de as prin­ci­pais le­gen­das bra­si­lei­ras em qua­tro gua­ri­das. PT, PSOL, PSB, PPS, PDT e PC do B são clas­si­fi­ca­das co­mo es­quer­da re­vo­lu­ci­o­ná­ria. En­ten­da re­vo­lu­ci­o­ná­ria co­mo mar­xis­ta, diz à Fo­lha e lo­go faz a res­sal­va: “Na ver­da­de, é uma per­ver­são da pa­la­vra ‘mar­xis­ta’. No fun­do são mo­de­los sta­li­nis­tas, não le­vam à es­ta­bi­li­da­de so­ci­al,e sim à ins­ta­bi­li­da­de”.

A es­quer­da pro­gres­sis­ta é on­de en­tra o DEM, na com­pa­nhia do PSDB de João Do- ria, o MDB de Mi­chel Te­mer, o Po­de­mos de Al­va­ro Di­as, a Re­de de Ma­ri­na Sil­va e o PP de Pau­lo Ma­luf. Is­so mes­mo, diz o “prín­ci­pe” que, em agos­to, fre­quen­tou o noticiário co­mo pos­sí­vel vi­ce de Bol­so­na­ro.

Em seu en­ten­di­men­to, são le­gen­das ape­ga­das a “pi­la­res do so­ci­a­lis­mo”, co­mo SUS, CLT e pro­gra­mas à Bol­sa Fa­mí­lia.

O de­gra­dê po­lí­ti­co con­ti­nua com du­as di­rei­tas: con­ser­va­do­ra (PSL) e li­ber­tá­ria (No­vo).

De­pu­ta­do há 27 anos, Bol­so­na­ro res­pal­dou po­si­ções pou­co li­be­rais (co­mo isen­ções tri­bu­tá­ri­as). Na cam­pa­nha, pu­xou a ore­lha do vi­ce, o ge­ne­ral Mou­rão, quan­do ele cha­mou o 13º de “ja­bu­ti­ca­ba”. Aliás, pro­me­teu in­cor­po­rar a par­ce­la ex­tra no Bol­sa Fa­mí­lia.

Luiz Phi­lip­pe re­co­nhe­ce: “Ób­vio que vo­cê tem que des­con­tar que uma pes­soa que vem dos mi­li­ta­res, não é que é so­ci­a­lis­ta, mas de­fen­de in­te­res­ses na­ci­o­nais. Tam­bém ten­de a ser es­ta­ti­zan­te”.

Só que o ca­pi­tão re­for­ma­do “é mui­to sa­gaz, viu?” e, apos­ta, já mar­cha no com­pas­so li­be­ral de seu apon­ta­do pa­ra a pas­ta da Eco­no­mia, Pau­lo Guedes.

O de­pu­ta­do elei­to con­ta que tem fa­la­do com in­ves­ti­do­res ex­ter­nos in­qui­e­tos com o no­vo go­ver­no de di­rei­ta do Bra­sil. “To­dos têm me­do da di­ta­du­ra mi­li­tar.” Pro­cu­ra acal­má­los: diz­que­o­pró­xi­mo Pla­nal­to é co­mo o “con­ser­va­do­ris­mo ame­ri­ca­no”, sem tan­to po­der con­cen­tra­do no pre­si­den­te.

Ain­da na cam­pa­nha, es­te Or­le­ans e Bra­gan­ça já ha­via di­to à Fo­lha que gol­pe mes­mo foi o de 1889, quan­do as­su­miu o ge­ne­ra­lís­si­mo De­o­do­ro da Fon­se­ca, e não 1964 ou 2016, co­mo a es­quer­da cla­ma: “Foi o gol­pe da Re­pú­bli­ca. Aí vo­cê tem a di­ta­du­ra mi­li­tar”.

Sli­de da au­la de Luiz Phi­lip­pe de Or­le­ans e Bra­gan­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.