Po­lí­ti­ca ex­ter­na co­mo imi­ta­ção

Bol­so­na­ro ino­va ao ele­ger o mi­me­tis­mo co­mo dou­tri­na de po­lí­ti­ca ex­ter­na

Folha de S.Paulo - - Poder - De­mé­trio Mag­no­li So­ció­lo­go e dou­tor em ge­o­gra­fia hu­ma­na

“Is­ra­el é um Es­ta­do so­be­ra­no. Vo­cês de­ci­dem qu­al é sua ca­pi­tal e nós va­mos se­gui-los.” A pro­mes­sa de cam­pa­nha de Bol­so­na­ro, rei­te­ra­da ao jor­nal Is­ra­el Hayom e co­mu­ni­ca­da ao go­ver­no de Ne­tanyahu, inau­gu­ra um no­vo es­ti­lo de po­lí­ti­ca ex­ter­na. O Bra­sil de­sis­te de iden­ti­fi­car seus in­te­res­ses na­ci­o­nais e pas­sa a agir por imi­ta­ção. Ex­pli­ci­ta­men­te: “ve­jo em Trump um mo­de­lo a se­guir”, dis­se o pre­si­den­te elei­to ao mes­mo jor­nal. É bem mais que um gi­ro ide­o­ló­gi­co.

O lu­lis­mo in­se­mi­nou a po­lí­ti­ca ex­ter­na bra­si­lei­ra com o es­per­ma da ide­o­lo­gia. Ha­via pre­ce­den­tes. No re­gi­me mi­li­tar, de Cas­te­lo a Mé­di­ci, im­por­ta­mos o com­pas­so da Guer­ra Fria pa­ra nos­sas re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais. An­tes dis­so, en­tre 1961 e 1964, sob a cha­ma­da Po­lí­ti­ca Ex­ter­na In­de­pen­den­te, o Ita­ma­raty foi sub­me­ti­do aos axi­o­mas do ter­cei­ro-mun­dis­mo. Lu­la e seu chan­ce­ler, Cel­so Amo­rim, atu­a­li­za­ram o ma­nu­al ter­cei­ro-mun­dis­ta, re­ves­tin­do um an­ti­a­me­ri­ca­nis­mo dog­má­ti­co com a película re­tó­ri­ca da bus­ca de um sis­te­ma mul­ti­po­lar. Mas Bol­so­na­ro ino­va ao ele­ger o mi­me­tis­mo co­mo dou­tri­na de po­lí­ti­ca ex­ter­na.

Na are­na do sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal, as na­ções de­fen­dem seus in­te­res­ses, que ga­nham dis­tin­tas tra­du­ções e re­fle­tem, até cer­to pon­to, as os­ci­la­ções po­lí­ti­cas in­ter­nas. Con­tu­do, por de­fi­ni­ção, os in­te­res­ses na­ci­o­nais são na­ci­o­nais – ou se­ja, nun­ca coin­ci­dem per­fei­ta­men­te com os in­te­res­ses de ou­tras na­ções.

O ca­so da trans­fe­rên­cia de em­bai­xa­das é em­ble­má­ti­co. Trump aten­de à voz da ide­o­lo­gia, não aos in­te­res­ses dos EUA, ao trans­fe­rir a em­bai­xa­da pa­ra Je­ru­sa­lém. Ao me­nos, po­rém, seu ges­to tem im­pac­to re­al, con­tri­buin­do com o pro­je­to de Ne­tanyahu de es­te­ri­li­zar a via da paz em dois Es­ta­dos. Já o ges­to de Bol­so­na­ro é uma pro­cla­ma­ção pu­ra­men­te sim­bó­li­ca, de um ator ir­re­le­van­te no con­tex­to do Ori­en­te Mé­dio. Mas gera da­nos di­plo­má­ti­cos re­ais ao Bra­sil, fren­te à co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal, além de prejuízos pa­ra nos­sas re­la­ções econô­mi­cas com os paí­ses ára­bes.

O im­pul­so da imi­ta­ção ma­ni­fes­ta-se tam­bém na Amé­ri­ca do Sul, on­de so­mos o mais re­le­van­te ator re­gi­o­nal. A se­le­ção do Chi­le de Piñe­ra e da Colôm­bia de Du­que co­mo par­cei­ros pri­o­ri­tá­ri­os de­se­nha os con­tor­nos de um “tri­ân­gu­lo con­ser­va­dor” que só ser­ve pa­ra li­mi­tar a in­fluên­cia bra­si­lei­ra. A par­ce­ria com a Ar­gen­ti­na cum­pre fun­ções po­lí­ti­cas e econô­mi­cas in­subs­ti­tuí­veis. O Mer­co­sul con­ti­nua a ser des­ti­no vi­tal pa­ra as ex­por­ta­ções de um se­tor da in­dús­tria in­ca­paz de com­pe­tir no mer­ca­do glo­bal. Ao la­do da Colôm­bia, do Chi­le e da Ar­gen­ti­na, o Pe­ru e mes­mo o Equa­dor de Le­nin Mo­re­no, que cor­ri­giu a de­ri­va au­to­ri­tá­ria de seu an­te­ces­sor, são pe­ças in­dis­pen­sá­veis na ar­ti­cu­la­ção de so­lu­ções pa­ra o co­lap­so da Ve­ne­zu­e­la.

No in­te­res­se na­ci­o­nal, há cer­tos ele­men­tos in­dis­cu­tí­veis. A Chi­na tor­nou-se nos­so mai­or par­cei­ro co­mer­ci­al, tan­to na pon­ta das ex­por­ta­ções co­mo na das im­por­ta­ções. Ao mes­mo tem­po, é fon­te cru­ci­al de in­ves­ti­men­tos ex­ter­nos di­re­tos e im­por­tan­te só­cio po­ten­ci­al em pro­je­tos de ci­ên­cia e tec­no­lo­gia. O mi­me­tis­mo atin­ge o ápi­ce nas su­ges­tões, oriun­das de Bol­so­na­ro e de seu nú­cleo de co­la­bo­ra­do­res, de que se­ria pre­ci­so re­tro­ce­der nas re­la­ções com a Chi­na. O en­sai­a­do re­cuo pre­ju­di­ca­ria a eco­no­mia na­ci­o­nal e en­tra­ria em cho­que com o ob­je­ti­vo de­cla­ra­do de apro­xi­ma­ção com os paí­ses sul-ame­ri­ca­nos da Ali­an­ça do Pa­cí­fi­co. As ale­ga­das ra­zões de “se­gu­ran­ça na­ci­o­nal” mal ocul­tam o ali­nha­men­to in­con­di­ci­o­nal com a “guer­ra co­mer­ci­al” mo­vi­da por Trump con­tra a po­tên­cia asiá­ti­ca.

O lu­lo­pe­tis­mo ado­tou a má­xi­ma ide­o­ló­gi­ca se­gun­do a qu­al o que é bom pa­ra os EUA é ruim pa­ra o Bra­sil. O bol­so­na­ris­mo não ape­nas in­ver­te a má­xi­ma mas tam­bém apli­ca-lhe uma tor­ção sin­gu­lar, pro­cla­man­do que só é bom pa­ra o Bra­sil o que é bom pa­ra Trump. O vi­ce-pre­si­den­te Mou­rão anun­ci­ou o en­cer­ra­men­to da épo­ca de “an­ti­a­me­ri­ca­nis­mo in­fan­til”. A ideia lu­mi­no­sa é subs­ti­tuí-lo por um ci­clo de trum­pis­mo se­nil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.