‘Não po­de ha­ver re­tro­ces­so quan­to a di­rei­tos’

Pos­tu­lan­te ao co­man­do da OAB-SP, Caio Au­gus­to San­tos afir­ma que or­dem pa­re­ce ter re­ceio de de­sa­gra­dar a go­ver­nos

Folha de S.Paulo - - Poder - Ro­gé­rio Gen­ti­le

são pau­lo Se­cre­tá­rio-ge­ral da OAB (Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil) de São Pau­lo, o ad­vo­ga­do Caio Au­gus­to Sil­va dos San­tos, 43, lan­çou-se can­di­da­to a pre­si­den­te da en­ti­da­de após rom­per po­li­ti­ca­men­te com Mar­cos da Cos­ta, ocu­pan­te do car­go des­de 2012.

Caio Au­gus­to afir­ma que a OAB-SP pre­ci­sa re­cu­pe­rar sua in­de­pen­dên­cia ins­ti­tu­ci­o­nal. “A or­dem dei­xa de se ma­ni­fes­tar so­bre cer­tos as­sun­tos pas­san­do a im­pres­são de que tem re­ceio de de­sa­gra­dar ao go­ver­no de plan­tão”, diz.

Ao tra­tar da re­la­ção da OAB com o fu­tu­ro go­ver­no Bol­so­na­ro, afir­ma que a en­ti­da­de de­fen­de­rá os di­rei­tos e as ga­ran­ti­as fun­da­men­tais con­quis­ta­das na Cons­ti­tui­ção.

“Res­pei­ta­mos as ide­o­lo­gi­as, mas não po­de ha­ver re­tro­ces­so na con­quis­ta dos di­rei­tos.”

A elei­ção se­rá no dia 29 de no­vem­bro e en­vol­ve cer­ca de 322,7 mil ad­vo­ga­dos. O no­vo con­se­lho fe­de­ral da en­ti­da­de se­rá es­co­lhi­do em ja­nei­ro pe­los re­pre­sen­tan­tes de to­das as se­ci­o­nais Es­ta­dos do país.

O se­nhor in­te­gra atu­al ges­tão e dis­pu­ta a elei­ção con­tra o pre­si­den­te. O que acon­te­ceu?

O pre­si­den­te da OAB dis­tan­ci­ou-se do pro­je­to pa­ra o qu­al fo­mos elei­tos, que ti­nha co­mo com­pro­mis­so a des­cen­tra­li­za­ção, o em­po­de­ra­men­to das sub­se­ções e a bus­ca da trans­pa­rên­cia. Por is­so, es­ta­be­le­ce­mos a dis­si­dên­cia.

O sr. de­cla­rou na cam­pa­nha que a OAB pre­ci­sa re­cu­pe­rar a in­de­pen­dên­cia ins­ti­tu­ci­o­nal. É de­pen­den­te de quem?

A Or­dem se apro­xi­mou mui­to dos go­ver­nos quan­do de­ve­ria se apro­xi­mar ape­nas do Es­ta­do. A OAB, na mi­nha vi­são, de­ve es­tar ao la­do dos po­de­res cons­ti­tuí­dos pa­ra em­pu­nhar as ban­dei­ras co­le­ti­vas, de pro­te­ção ao ci­da­dão. Mas não po­de es­tar a ser­vi­ço de ne­nhum go­ver­no de plan­tão.

É o que acon­te­ce ho­je?

Às ve­zes a OAB dei­xa de se ma­ni­fes­tar so­bre cer­tos as­sun­tos pas­san­do a im­pres­são de que tem re­ceio de de­sa­gra­dar ao go­ver­no de plan­tão.

Qu­al go­ver­no?

No­ta­da­men­te o go­ver­no do es­ta­do de SP.

O sr. de­cla­rou que é ne­ces­sá­rio de­fen­der a de­mo­cra­cia. Es­tá ame­a­ça­da ho­je no país?

Vi­ve­mos a mai­or cri­se da his­to­ria do país do pon­to de vis­ta mo­ral e éti­co. Apa­re­ce­ram mui­tas so­lu­ções e al­ter­na­ti­vas, mas pre­ci­sa­mos ter cui­da­do pa­ra que não ha­ja vi­o­la­ção das con­quis­tas mai­o­res que a de­mo­cra­cia nos trou­xe, os prin­cí­pi­os e ga­ran­ti­as fun­da­men­tais. De­ve­mos res­pei­tar to­das as ide­o­lo­gi­as po­lí­ti­cas, mas não po­de ha­ver re­tro­ces­so na con­quis­ta dos di­rei­tos das mi­no­ri­as, por exem­plo.

Bol­so­na­ro des­per­ta mui­to re­cei­to em re­la­ção a es­ses temas, pois já de­fen­deu a tor­tu­ra a a di­ta­du­ra. Co­mo a OAB tem de se re­la­ci­o­nar co­me­le?

Tem de ser mui­to fir­me com qual­quer go­ver­nan­te. Os li­mi­tes são os da Cons­ti­tui­ção. É inad­mis­sí­vel a de­fe­sa de tor­tu­ra. É inad­mis­sí­vel não re­co­nhe­cer os di­rei­tos das mi­no­ri­as. A OAB res­pei­ta­rá as po­lí­ti­cas pú­bli­cas do no­vo go­ver­no, evi­den­te­men­te, mas de­fen­de­rá os di­rei­tos e as ga­ran­ti­as fun­da­men­tais con­quis­ta­das na Cons­ti­tui­ção.

O que o sr. achou da in­di­ca­ção do juiz Ser­gio Mo­ro pa­ra o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça?

Afi­gu­ra do juiz Mo­ro traz um an­seio so­ci­al de com­ba­te à cor­rup­ção e de res­ga­te da se­gu­ran­ça pú­bli­ca, que é tam­bém o an­seio da ad­vo­ca­cia. Mas é pre­ci­so di­zer que nin­guém es­tá aci­ma da lei. Nem o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, nem o mi­nis­tro da Jus­ti­ça. Se al­te­ra­ções nas le­gis­la­ções pre­ci­sa­rem ser exe­cu­ta­das, que se­jam re­a­li­za­das no cam­po apro­pri­a­do. Es­ta­re­mos aten­tos na OAB.

Qu­al sua ava­li­a­ção so­bre a La­va Ja­to. Hou­ve li­mi­ta­ção ao di­rei­to de de­fe­sa?

A La­va Ja­to é uma ex­pe­ri­ên­cia im­por­tan­te pa­ra a nos­sa na­ção. Tem a pre­mis­sa do com­ba­te à cor­rup­ção. O que cri­ti­ca­mos são os ex­ces­sos que te­nham si­do co­me­ti­dos. Exi­gi­re­mos que os ex­ces­sos se­jam pu­ni­dos pe­las au­to­ri­da­des, pois tu­do que é ex­ces­so tam­bém é des­vio.

O sr. es­cre­veu que o ad­vo­ga­do tem si­do tra­ta­do co­mo um es­tor­vo. É fa­to?

Na bus­ca de es­ta­tís­ti­cas, o po­der pú­bli­co tem de ma­nei­ra equi­vo­ca­da com­pre­en­di­do o ad­vo­ga­do co­mo um em­pe­ci­lho pa­ra a dis­tri­bui­ção da Jus­ti­ça. É ini­ma­gi­ná­vel nu­ma de­mo­cra­cia não ter a pre­sen­ça obrigatória do ad­vo­ga­do em to­dos os es­pa­ços de ad­mi­nis­tra­ção da Jus­ti­ça, co­mo ocor­re, por exem­plo, nos Cen­tros Ju­di­ciá­ri­os de So­lu­ção de Con­fli­tos e Ci­da­da­nia.

O ci­da­dão quan­do es­tá em fren­te a uma au­to­ri­da­de, mes­mo que um con­ci­li­a­dor, se sen­te acu­a­do e ame­dron­ta­do e aca­ba as­su­min­do com­pro­mis­sos sem ter efe­ti­va­men­te cons­ci­ên­cia da pro­fun­di­da­de de­les. Por is­so, a pre­sen­ça do ad­vo­ga­do é in­dis­pen­sá­vel. O Es­ta­do não po­de cri­ar um ci­da­dão de se­gun­da clas­se. Quem tem re­cur­so ja­mais dei­xa­ria de re­cor­rer a um ad­vo­ga­do. Quem é ca­ren­te tem o di­rei­to de ter uma as­ses­so­ria ju­rí­di­ca ade­qua­da, por meio da ad­vo­ca­cia pú­bli­ca, com su­por­te do Es­ta­do, ou da ad­vo­ca­cia pri­va­da, por meio dos con­vê­ni­os.

Caio Au­gus­to Sil­va dos San­tos, 43Atu­al se­cre­tá­rio-ge­ral da OAB do es­ta­do de São Pau­lo, é can­di­da­to a pre­si­den­te em dis­si­dên­cia da atu­al ges­tão. É for­ma­do pe­la Fa­cul­da­de de Di­rei­to de Bau­ru (Ins­ti­tui­ção To­le­do de En­si­no), on­de é pro­fes­sor de di­rei­to ci­vil des­de 2001

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.