Ja­pão dá 1º vis­to a des­cen­den­te de 4ª ge­ra­ção

Ges­tor de RH em­bar­ca no fi­nal des­te mês pa­ra Toyo­ta; mais es­tri­tas, no­vas re­gras exi­gem idi­o­ma e bar­ram fa­mí­lia

Folha de S.Paulo - - Mundo - Ana Es­te­la de Sou­sa Pinto

são pau­lo O ges­tor de RH Alex Fu­ji­mo­to, 28, tor­nou-se nes­ta se­ma­na o pri­mei­ro des­cen­den­te de ja­po­ne­ses de quar­ta ge­ra­ção a re­ce­ber o vis­to de re­si­dên­cia no Ja­pão, no con­su­la­do de São Pau­lo.

Ele cum­priu to­dos os re­qui­si­tos das no­vas re­gras, di­vul­ga­das no co­me­ço de ju­lho, que in­clu­em com­pro­var co­nhe­ci­men­to bá­si­co do idi­o­ma e ter no Ja­pão um tu­tor res­pon­sá­vel por ve­ri­fi­car as “con­di­ções de vi­da” e de tra­ba­lho do bra­si­lei­ro.

Fu­ji­mo­to em­bar­ca no fi­nal des­te mês pa­ra Toyo­ta, on­de já vi­ve sua mãe e on­de já tem va­ga ga­ran­ti­da num mer­ca­do de pro­du­tos bra­si­lei­ros, que aten­de os cer­ca de 6.000 imi­gran­tes da ci­da­de.

Se­gun­do o con­su­la­do, ou­tro vis­to foi con­ce­di­do a um yon­sei pe­la Em­bai­xa­da do Ja­pão em Brasília. Por di­re­triz do go­ver­no ja­po­nês, não po­dem ser di­vul­ga­dos no­mes nem nú­me­ro de pedidos já fei­tos.

Até es­te se­mes­tre, a per­mis­são de re­si­dên­cia era con­ce­di­da ape­nas a des­cen­den­tes de se­gun­da (nis­sei) e ter­cei­ra ge­ra­ção (san­sei). Em 2017, fo­ram 10.584 vis­tos emi­ti­dos pa­ra es­ses bra­si­lei­ros, qua­tro ve­zes a quan­ti­da­de li­be­ra­da em 2013.

Ain­da não há nú­me­ros des­te ano, mas, se­gun­do o con­su­la­do, a pro­cu­ra é cres­cen­te.

As re­gras pa­ra os yon­sei são bem mais es­tri­tas. Além do cer­ti­fi­ca­do de ja­po­nês bá­si­co, é pre­ci­so ter en­tre 18 e 30 anos e vi­a­jar sem fa­mi­li­a­res.

Ou­tra di­fi­cul­da­de é o cus­to. Pa­ra reu­nir do­cu­men­ta­ção no Ja­pão e pre­en­cher for­mu­lá­ri­os, Fu­ji­mo­to gas­tou o equi­va­len­te a R$ 1.500 no pro­ces­so.

Fi­lho de pai e mãe san­seis, ele mo­rou no Ja­pão com a mãe quan­do cri­an­ça e es­tu­dou três anos no en­si­no pú­bli­co ja­po­nês. Mes­mo ga­ran­tin­do o cer­ti­fi­ca­do bá­si­co, ele con­ti­nua es­tu­dan­do o idi­o­ma: ao fi­nal de ca­da ano, te­rá que com­pro­var pro­gres­sos.

Em 2019, pre­ci­sa­rá mos­trar que do­mi­na su­ti­le­zas da lín­gua, co­mo a for­ma cor­re­ta de se di­ri­gir a su­pe­ri­o­res.

Dois anos de­pois, de­ve­rá co­nhe­cer cer­ca de mil ide­o­gra­mas, mos­trar co­nhe­ci­men­to em ati­vi­da­des da cul­tu­ra ja­po­ne­sa —co­mo ike­ba­na (ar­ran­jos de flo­res), judô ou ce­rimô­nia do chá— e “ter se es­ta­be­le­ci­do co­mo mem­bro da co­mu­ni­da­de lo­cal, atra­vés da par­ti­ci­pa­ção con­tí­nua em ati­vi­da­des pro­mo­vi­das por go­ver­nos lo­cais, em ati­vi­da­des so­ci­ais pro­mo­vi­das por mo­ra­do­res da re­gião etc.”, se­gun­do o go­ver­no ja­po­nês.

No má­xi­mo, po­de­rá fi­car cin­co anos no Ja­pão. Sol­tei­ro e “apai­xo­na­do por vi­a­gens e cul­tu­ras”, Fu­ji­mo­to não se im­por­ta com a li­mi­ta­ção. Seu ob­je­ti­vo não é fi­car no país de seus an­ces­trais, mas, sim, jun­tar eco­no­mi­as pa­ra de­pois es­tu­dar tu­ris­mo no Ca­na­dá.

O no­vo pro­gra­ma do go­ver­no ja­po­nês, que vai ad­mi­tir até 4.000 yon­sei por ano (de qual­quer na­ci­o­na­li­da­de), coin­ci­de com um mo­men­to de fal­ta de mão de obra no país, prin­ci­pal­men­te em cons­tru­ção —pres­si­o­na­da pe­las obras da Olim­pía­da de Tó­quio, em 2020—, agri­cul­tu­ra, in­dús­tria na­val e cui­da­do de ido­sos.

A en­tra­da de es­tran­gei­ros, his­to­ri­ca­men­te evi­ta­da pe­los ja­po­ne­ses e vis­ta co­mo ame­a­ça à so­ci­e­da­de ho­mo­gê­nea, tem aos pou­cos se tor­na­do um te­ma de dis­cus­são pú­bli­ca.

“Pre­ci­sa­mos de mais di­ver­si­da­de pa­ra cri­ar uma no­va cul­tu­ra e uma no­va eco­no­mia; olhar a imi­gra­ção de for­ma mais po­si­ti­va” foi o le­ma de um dos prin­ci­pais exe­cu­ti­vos de tec­no­lo­gia e mei­os de pa­ga­men­to do país, o CEO da Ra­ku­ten, Hi­roshi Mi­ki­ta­ni, no dis­cur­so de aber­tu­ra do even­to in­ter­na­ci­o­nal Nest, em Tó­quio, em abril des­te ano.

Em­bo­ra abram uma por­ta pa­ra os yon­sei, as no­vas re­gras de vis­to fo­ram de­se­nha­das pa­ra di­fi­cul­tar a re­si­dên­cia de­fi­ni­ti­va des­ses es­tran­gei­ros.

Pa­ra o em­bai­xa­dor An­dré Cor­rêa do La­go, há cin­co anos em Tó­quio, a so­ci­e­da­de ja­po­ne­sa ain­da es­tá di­vi­di­da so­bre a imi­gra­ção. Mui­tos a ve­em co­mo fon­te de pro­ble­mas, em­bo­ra es­te­jam cons­ci­en­tes de que o en­ve­lhe­ci­men­to da po­pu­la­ção traz pro­ble­mas pa­ra a eco­no­mia.

“Ain­da não se che­gou a um con­sen­so, e o Ja­pão va­lo­ri­za o con­sen­so de for­ma in­cri­vel­men­te efe­ti­va”, diz ele.

Ka­ri­me Xa­vi­er/Folhapress

Alex Fu­ji­mo­to, 28, re­ce­beu o 1º vis­to sob as no­vas re­gras em São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.