Mer­kel diz que Ale­ma­nha tem de­ver de bar­rar an­tis­se­mi­tis­mo

Em si­na­go­ga, chan­ce­ler lem­brou o 80º ani­ver­sá­rio da Noi­te dos Cris­tais

Folha de S.Paulo - - Mundo -

ber­lim A Ale­ma­nha tem o de­ver mo­ral de con­ter o cres­ci­men­to do an­tis­se­mi­tis­mo, dis­se nes­ta sex­ta-fei­ra (9) a chan­ce­ler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, que dis­cur­sou em uma si­na­go­ga de Ber­lim na ce­rimô­nia do 80º ani­ver­sá­rio da Noi­te dos Cris­tais, epi­só­dio sím­bo­lo do iní­cio da per­se­gui­ção vi­o­len­ta dos na­zis­tas aos ju­deus.

Ves­ti­da de pre­to, Mer­kel afir­mou que a vi­o­lên­cia con­tra ju­deus es­tá cres­cen­do na Ale­ma­nha de ho­je, oi­to dé­ca­das de­pois.

“A vi­da ju­dai­ca es­tá flo­res­cen­do no­va­men­te na Ale­ma­nha, um pre­sen­te ines­pe­ra­do pa­ra nós após o Sho­ah”, dis­se a lí­de­res ju­deus, uti­li­zan­do a pa­la­vra he­brai­ca pa­ra o Ho­lo­caus­to. “Mas tam­bém es­ta­mos tes­te­mu­nhan­do um pre­o­cu­pan­te an­tis­se­mi­tis­mo que ame­a­ça a vi­da ju­dai­ca em nos­so país.”

Nes­ta sex­ta-fei­ra, a Ale­ma­nha e a Áus­tria re­lem­bra­ram a “Kris­tall­na­cht” (Noi­te dos Cris­tais), uma on­da de as­sas­si­na­tos, sa­ques e des­trui­ção de pro­pri­e­da­des ju­dai­cas ini­ci­a­da no dia 9 de no­vem­bro de 1938.

O no­me é uma re­fe­rên­cia aos ca­cos de vi­dro que eram vis­tos nas ru­as do la­do de fo­ra de si­na­go­gas e de es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais ou re­si­dên­ci­as de ju­deus.

Pou­co an­tes do dis­cur­so de Mer­kel, um tri­bu­nal de re­cur­sos de Ber­lim re­ver­teu uma de­ci­são da po­lí­cia de proi­bir a re­a­li­za­ção de uma mar­cha de ex­tre­ma di­rei­ta nes­ta sex­ta-fei­ra na ca­pi­tal ale­mã.

A po­lí­cia ha­via proi­bi­do o even­to, afir­man­do que se­ria ina­cei­tá­vel re­a­li­zar uma ma­ni­fes­ta­ção de ex­tre­ma di­rei­ta no mes­mo dia em que o res­to do país pres­ta ho­me­na­gem às ví­ti­mas da vi­o­lên­cia na­zis­ta.

A cor­te, por ou­tro la­do, re­ver­teu a de­ci­são com ba­se nos di­rei­tos cons­ti­tu­ci­o­nais de li­ber­da­de de ex­pres­são e de reu­nião. Uma ma­ni­fes­ta­ção opo­si­to­ra, li­de­ra­da por gru­pos de es­quer­da, tam­bém es­ta­va pre­vis­ta pa­ra a noi­te des­ta sex­ta.

Em se­tem­bro, em meio a pro­tes­tos vi­o­len­tos de gru­pos da ex­tre­ma di­rei­ta na ci­da­de de Chem­nitz, um res­tau­ran­te ju­dai­co foi ata­ca­do.

Ao lem­brar das ce­nas de vi­o­lên­cia nes­sa ci­da­de do les­te da Ale­ma­nha, Mer­kel afir­mou: “Es­sa for­ma de vi­o­lên­cia an­tis­se­mi­ta nos lem­bra do co­me­ço dos po­groms”.

A as­cen­são do par­ti­do de di­rei­ta ul­tra­na­ci­o­na­lis­ta AfD (Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha) tam­bém fez cres­cer o te­mor na co­mu­ni­da­de ju­dai­ca.

Al­guns mem­bros da si­gla, que ho­je tem a mai­or ban­ca­da de opo­si­ção no Par­la­men­to ale­mão, já afir­ma­ram que o país pre­ci­sa re­ver sua abor­da­gem da his­tó­ria, que, pa­ra eles, es­ta­ria mui­to cen­tra­da na ver­go­nha do Ho­lo­caus­to.

Tobias Schwarz/AFP

Mer­kel du­ran­te ce­rimô­nia em si­na­go­ga de Ber­lim

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.