O de­sa­fio da se­gu­ran­ça pú­bli­ca

O po­pu­lis­mo cri­mi­nal é fon­te de re­cei­tas sim­ples e, so­bre­tu­do, ine­fi­ca­zes

Folha de S.Paulo - - Cotidiano - Os­car Vi­lhe­na Vi­ei­ra Pro­fes­sor da FGV Di­rei­to SP, mes­tre em di­rei­to pe­la Uni­ver­si­da­de Co­lum­bia (EUA) e dou­tor em ci­ên­cia po­lí­ti­ca pe­la USP

Apro­var me­di­das e re­for­çar as es­tru­tu­ras de com­ba­te à cor­rup­ção não se­rá a mai­or di­fi­cul­da­de de Ser­gio Mo­ro. Ele tem co­nhe­ci­men­to, ex­pe­ri­ên­cia e ca­pi­tal po­lí­ti­co pa­ra is­so. Evi­den­te que o Con­gres­so e o Su­pre­mo, on­de ele fez mui­tos de­sa­fe­tos, co­lo­ca­rão re­pa­ros às su­as pro­pos­tas, o que é na­tu­ral. Es­sa é a fun­ção do sis­te­ma de frei­os e con­tra­pe­sos nu­ma de­mo­cra­cia cons­ti­tu­ci­o­nal.

De­sa­fio mai­or se­rá ar­qui­te­tar e im­ple­men­tar uma po­lí­ti­ca con­sis­ten­te e efe­ti­va no cam­po da se­gu­ran­ça pú­bli­ca, que se­ja ca­paz de pou­par vi­das. O Bra­sil vi­ve um pro­ble­ma crô­ni­co de vi­o­lên­cia, que afe­ta seu de­sen­vol­vi­men­to e pro­vo­ca um pe­ri­go­so es­gar­ça­men­to do seu te­ci­do so­ci­al. Pa­ra que se te­nha uma di­men­são do pro­ble­ma, ape­nas no ano pas­sa­do, 63.880 pes­so­as fo­ram mor­tas in­ten­ci­o­nal­men­te. Nas úl­ti­mas dé­ca­das es­se nú­me­ro su­pe­ra 1 mi­lhão de mor­tos, em sua imen­sa mai­o­ria de jo­vens ne­gros e po­bres. Es­ti­ma-se que uma gran­de par­te des­sas mor­tes de­cor­ra dos cha­ma­dos mo­ti­vos fú­teis. As es­tru­tu­ras de Jus­ti­ça e se­gu­ran­ça são ana­crô­ni­cas e es­tão su­ca­te­a­das.

Re­ver­ter es­se qua­dro não se­rá ta­re­fa fá­cil. A pri­mei­ra di­fi­cul­da­de se­rá de na­tu­re­za econô­mi­ca. Os es­ta­dos, que têm gran­des res­pon­sa­bi­li­da­des na es­fe­ra da se­gu­ran­ça, vi­vem uma si­tu­a­ção de pe­nú­ria fis­cal. Mui­tos não dis­põem de re­cur­sos se­quer pa­ra qui­tar a fo­lha das po­lí­ci­as, quan­to mais pa­ra re­e­qui­pá-las, mo­der­ni­zá-las, qua­li­fi­car seus pro­fis­si­o­nais e as­se­gu­rar bo­as con­di­ções de tra­ba­lho, pa­ra que os po­li­ci­ais não se­jam obri­ga­dos a vi­ver de bi­co, mui­tas ve­zes co­lo­can­do em ris­co as pró­pri­as vi­das. O mes­mo po­de ser di­to em re­la­ção ao sis­te­ma pri­si­o­nal, que ho­je abri­ga 729.463 pre­sos, sim­ples­men­te o do­bro de sua ca­pa­ci­da­de, ten­do se trans­for­ma­do no prin­ci­pal ins­tru­men­to de ar­re­gi­men­ta­ção de no­vos mem­bros pe­lo cri­me or­ga­ni­za­do no Bra­sil.

A se­gun­da di­fi­cul­da­de se­rá po­lí­ti­ca. O elei­tor pre­mi­ou can­di­da­tos com um cla­ro viés po­pu­lis­ta no cam­po cri­mi­nal. Há uma for­te con­tra­di­ção en­tre o que pro­põem os elei­tos, mui­tos de­les oriun­dos das po­lí­ci­as e mes­mo do Exér­ci­to, e as po­lí­ti­cas de se­gu­ran­ça pú­bli­ca que têm se de­mons­tra­do efi­ca­zes ao re­dor do mun­do. Fi­co ape­nas com dois exem­plos.

O Bra­sil tem ho­je uma das mais vi­o­len­tas po­lí­ci­as do mun­do. Fo­ram 5.144 pes­so­as mor­tas em con­fron­tos com a po­lí­cia, no ano pas­sa­do. Is­so sig­ni­fi­ca um cres­ci­men­to de 20% em re­la­ção ao ano an­te­ri­or, sem qual­quer im­pac­to so­bre a re­du­ção da cri­mi­na­li­da­de, que, aliás, tam­bém cres­ceu. Fle­xi­bi­li­zar os con­tro­les so­bre as po­lí­ci­as, au­to­ri­zan­do o “abate” ou am­pli­an­do as “ex­clu­den­tes de pu­ni­bi­li­da­de”, ape­nas con­tri­bui­rá pa­ra au­men­tar a des­con­fi­an­ça da po­pu­la­ção nas po­lí­ci­as, re­du­zin­do ain­da mais sua efi­cá­cia (to­dos da­dos do anuá­rio do Fó­rum Bra­si­lei­ro de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, 2018).

No mes­mo sen­ti­do, po­de ter con­sequên­cia gra­ve a li­be­ra­ção do por­te de ar­mas de fo­go, pro­pug­na­da pe­la cha­ma­da ban­ca­da da ba­la. As evi­dên­ci­as mos­tram que o au­men­to de ar­mas cir­cu­lan­tes não ape­nas con­tri­bui pa­ra o au­men­to de ho­mi­cí­di­os, em ge­ral, co­mo tam­bém pa­ra o ris­co de sui­cí­di­os e aci­den­tes le­tais den­tro de ca­sa.

A exa­cer­ba­ção da vi­o­lên­cia pe­lo Es­ta­do em na­da con­tri­buiu ou con­tri­bui­rá pa­ra a pa­ci­fi­ca­ção da so­ci­e­da­de. O po­pu­lis­mo cri­mi­nal é ape­nas uma fon­te pró­di­ga de re­cei­tas sim­ples, di­re­tas e, so­bre­tu­do, ine­fi­ca­zes, quan­do não con­tra­pro­du­cen­tes. O mi­nis­tro Ser­gio Mo­ro te­rá que gas­tar mui­ta sa­li­va pa­ra con­ven­cer seus cor­re­li­gi­o­ná­ri­os de go­ver­no, un­gi­dos pe­lo vo­to, de que sem uma pro­fun­da mo­der­ni­za­ção das agên­ci­as de apli­ca­ção da lei, o Bra­sil con­ti­nu­a­rá sub­me­ti­do à bar­bá­rie.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.