Fi­lhos de Bol­so­na­ro ado­tam fa­la de Trump e cha­mam mu­dan­ças cli­má­ti­cas de far­sa

Pa­ra ci­en­tis­tas, hos­ti­li­da­de da fa­mí­lia em re­la­ção a temas am­bi­en­tais po­de ar­ra­nhar a ima­gem do país e atra­pa­lhar acor­dos co­mer­ci­ais

Folha de S.Paulo - - Ambiente | Ciência - Pa­trí­cia Pas­qui­ni

são pau­lo Não são só as ame­a­ças do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro (PSL), de sair do Acor­do de Pa­ris. Seus fi­lhos têm um his­tó­ri­co de crí­ti­cas e de­bo­che em re­la­ção ao aque­ci­men­to glo­bal.

O Acor­do de Pa­ris foi as­si­na­do em 2015 por 195 paí­ses que se com­pro­me­te­ram a li­mi­tar o aque­ci­men­to glo­bal pre­fe­ren­ci­al­men­te a até 1,5°C. Pe­lo acor­do, o Bra­sil de­ve­rá re­du­zir em 37% su­as emis­sões de ga­ses de efei­to estufa até 2025 e che­gar a 43% em 2030.

No Bra­sil, a saí­da do pac­to es­ta­ria con­di­ci­o­na­da à apro­va­ção pe­la mai­o­ria na Câ­ma­ra e no Se­na­do —o PSL de Bol­so­na­ro te­rá a se­gun­da mai­or ban­ca­da na Câ­ma­ra Fe­de­ral.

“O aque­ci­men­to glo­bal pro­por­ci­o­nan­do o dia mais frio do ano no Rio de Ja­nei­ro!”, es­cre­veu o ve­re­a­dor Car­los Bol­so­na­ro no Twit­ter.

“A no­va dos des­trui­do­res de re­pu­ta­ção e co­me­do­res de al­fa­fa: quem ñ acre­di­ta em aque­ci­men­to glo­bal acre­di­ta em ter­ra pla­na! É mta ma­co­nha! (sic)”, dis­se tam­bém.

Flá­vio Bol­so­na­ro, se­na­dor elei­to pe­lo Rio de Ja­nei­ro, re­fe­riu-se ao aque­ci­men­to glo­bal co­mo far­sa.

No iní­cio de 2018, o de­pu­ta­do fe­de­ral re­e­lei­to Edu­ar­do Bol­so­na­ro gra­vou um ví­deo em meio à ne­ve nos EUA, no qu­al ci­tou o pre­si­den­te Do­nald Trump e a saí­da do pac­to, e tam­bém dis­se que o aque­ci­men­to glo­bal é uma far­sa.

Em ou­tro post, dis­se: “O ter­mo aque­ci­men­to glo­bal fi­cou mui­to ca­ra de pau, en­tão con­ven­ci­o­na­ram mu­dar pa­ra mu­dan­ça cli­má­ti­ca, co­mo se a Ter­ra du­ran­te to­da a sua exis­tên­cia não es­ti­ves­se em cons­tan­te mu­dan­ça. Mas não se en­ga­ne, as in­ten­ções se­guem as mes­mas.”

Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co An- to­nio La­va­re­da, o prin­ci­pal ca­pi­tal de um país que não é po­tên­cia mi­li­tar nem econô­mi­ca é a ima­gem. “Há uma cons­ci­ên­cia glo­bal em re­la­ção ao am­bi­en­te e qual­quer pos­tu­ra de­sa­fi­a­do­ra em re­la­ção ao Acor­do de Pa­ris cau­sa­ria um ar­ra­nhão na ima­gem do país.”

O co­or­de­na­dor do Pro­gra­ma de Po­lí­ti­ca e Eco­no­mia Am­bi­en­tal do FGV­ces (Cen­tro de Es­tu­dos em Sus­ten­ta­bi­li­da­de da Fun­da­ção Ge­tú­lio Vargas), Gu­a­rany Osó­rio, ava­lia que o aque­ci­men­to glo­bal é um pro­ble­ma que afe­ta a se­gu­ran­ça na­ci­o­nal.

“O au­men­to de tem­pe­ra­tu­ra a mé­dio e lon­go pra­zos faz com que even­tos ex­tre­mos se­jam mais fre­quen­tes e se­ve­ros. A mu­dan­ça cli­má­ti­ca afe­ta a se­gu­ran­ça hí­dri­ca, ali­men­tar e ener­gé­ti­ca. Des­con­si­de­rar is­so em po­lí­ti­ca de pla­ne­ja­men­to é o mes­mo que ne­gli­gen­ci­ar ris­cos fu­tu­ros.” Pa­ra o es­pe­ci­a­lis­ta, o Bra­sil é um ator im­por­tan­te nos pro­ces­sos mul­ti­la­te­rais so­bre o cli­ma.

As­sim que anun­ci­a­da a vi­tó­ria de Bol­so­na­ro, a ONG Ob­ser­va­tó­rio do Cli­ma dis­se que fa­rá co­bran­ças pe­lo cum­pri­men­to das me­tas cli­má­ti­cas.

“Aban­do­nar o tra­ta­do cli­má­ti­co acar­re­ta­ria em sé­ri­os pro­ble­mas pa­ra os in­te­res­ses econô­mi­cos e a ima­gem do país, que te­ve mo­men­tos de pro­pa­gan­dis­mo na im­ple­men­ta­ção do acor­do. Pro­vou que era pos­sí­vel re­du­zir emis­sões pe­lo com­ba­te ao des­ma­ta­men­to e ser­viu de exem­plo pa­ra a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal”, diz o se­cre­tá­rio-exe­cu­ti­vo da ONG, Car­los Ritt.

Qual­quer na­ção que sair do acor­do po­de ter a re­la­ção com a Fran­ça aba­la­da. Em seu dis­cur­so na reu­nião da As­sem­bleia Ge­ral da ONU, em se­tem­bro, o pre­si­den­te fran­cês, Em­ma­nu­el Ma­cron, de­fen­deu a ex­clu­são de acor­dos co­mer­ci­ais com paí­ses que dei­xas­sem o Acor­do de Pa­ris.

E, ao pa­ra­be­ni­zar Bol­so­na­ro pe­la vi­tó­ria na elei­ção, o pre­si­den­te fran­cês fa­lou em “prin­cí­pi­os de­mo­crá­ti­cos” e que es­pe­ra man­ter a co­o­pe­ra­ção bi­la­te­ral no âm­bi­to da “di­plo­ma­cia am­bi­en­tal”.

O par­ti­do do pre­si­den­te fran­cês, A Re­pú­bli­ca em Mar­cha, che­gou a di­zer que Bol­so­na­ro é cé­ti­co em re­la­ção ao aque­ci­men­to glo­bal, ho­mo­fó­bi­co, se­xis­ta e ra­cis­ta.

“Sair do pac­to sig­ni­fi­ca dei­xar de co­o­pe­rar pa­ra a so­lu­ção de pro­ble­mas que en­vol­vem o aque­ci­men­to glo­bal, que é uma ques­tão mun­di­al, e o Bra­sil pas­sa­ria a ser vis­to co­mo um pro­ble­ma pa­ra o mun­do”, diz Rit­tl.

Reprodução/Twit­ter

Edu­ar­do Bol­so­na­ro ques­ti­o­na aque­ci­men­to glo­bal em ví­deo na ne­ve

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.