Gen­te que não gos­ta de co­mer

Folha de S.Paulo - - Folhacorrida - Mar­cos No­guei­ra fo­lha.com/co­zi­nha bru­ta

No­tí­cia me­nos re­le­van­te e mais cu­ri­o­sa da se­ma­na: o ca­fé da ma­nhã do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro é pão com lei­te con­den­sa­do.

Juí­zo po­lí­ti­co à par­te, is­so é ta­ca­nho. E re­le­va um tra­ço pe­cu­li­ar da per­so­na­li­da­de do ca­pi­tão: ele não dá im­por­tân­cia pa­ra a co­mi­da. Nin­guém mi­ni­ma­men­te pre­o­cu­pa­do em co­mer bem faz um des­je­jum tão sur­re­al. E exi­bi­do no Jor­nal Na­ci­o­nal, co­mo se fos­se uma de­mons­tra­ção de que Bol­so­na­ro é um ho­mem co­mum.

O de­sin­te­res­se pe­lo pra­zer mun­da­no de­no­ta am­bi­ção des­me­di­da, com­pe­ti­ti­vi­da­de com­pul­si­va e fo­me por po­der e in­fluên­cia. É um com­por­ta­men­to fre­quen­te nos po­lí­ti­cos em as­cen­são, não im­por­ta o pen­dor ide­o­ló­gi­co.

O su­jei­to sem­pre tem mui­to a fa­zer, mui­to a con­quis­tar. Re­fei­ções são uma ne­ces­si­da­de incô­mo­da, co­mo fa­zer xi­xi ou re­sol­ver as­sun­tos ban­cá­ri­os.

Pe­gue ou­tro vi­to­ri­o­so das úl­ti­mas elei­ções, o fu­tu­ro go­ver­na­dor João Do­ria. Quan­do pre­fei­to de São Pau­lo, pla­ne­jou dar ra­ção às cri­an­ças da re­de pú­bli­ca de en­si­no. Um ne­gó­cio sem gos­to e sem chei­ro pa­ra mis­tu­rar no min­gau dos alu­nos.

A re­per­cus­são das in­ten­ções do pre­fei­to foi pés­si­ma. Do­ria, can­di­da­men­te, não en­ten­deu o re­pú­dio. Apa­ren­te­men­te, ele vê a co­mi­da co­mo com­bus­tí­vel.

Não é pre­ci­so ser po­lí­ti­co pa­ra tra­tar a co­mi­da com des­dém. Quem nun­ca te­ve um co­le­ga que sem­pre re­cu­sou os con­vi­tes de al­mo­ço pa­ra man­dar um san­duí­che de atum na me­sa do es­cri­tó­rio? Quem não co­nhe­ce uma pes­soa que jan­ta la­sa­nha con­ge­la­da, re­sig­na­da­men­te e to­das as noi­tes, por­que não te­ve ini­ci­a­ti­va de mon­tar uma co­zi­nha?

Vi­de a pra­ga da tal ali­men­ta­ção fun­ci­o­nal.

Le­va­da ao pé da le­tra, a ex­pres­são in­di­ca que o ali­men­to em ques­tão de­ve de­sem­pe­nhar uma fun­ção es­pe­cí­fi­ca no or­ga­nis­mo de quem o in­ge­re.

To­ma­te con­tra cân­cer de prós­ta­ta. Alho pa­ra re­gu­lar a pres­são. So­ja pa­ra bai­xar o co­les­te­rol. Tem ain­da a co­mi­da de ma­rom­bei­ro, que es­tá de fo­ra do con­cei­to clás­si­co de ali­men­ta­ção fun­ci­o­nal: ome­le­te de cla­ras pa­ra ga­nhar mas­sa mus­cu­lar.

Quan­do a ali­men­ta­ção é um meio de ob­ter al­go —e não um fim em si—, o sa­bor e o pra­zer fi­cam em se­gun­do pla­no.

Exis­tem pes­so­as que acu­mu­lam coi­sas e pes­so­as que des­fru­tam des­sas coi­sas. So­bre o pri­mei­ro gru­po, es­ca­pa à mi­nha com­pre­en­são aon­de ele quer che­gar. Jun­tar di­nhei­ro e pres­tí­gio, que ma­ra­vi­lha. Vai fa­zer o que com is­so?

De que adi­an­ta ter 1 bi­lhão na con­ta se o jan­tar vai ser pei­to de fran­go se­co com ba­ta­ta-do­ce co­zi­da? De que va­le o po­der quan­do um pão com lei­te con­den­sa­do o aguar­da na ma­nhã se­guin­te? De que va­le ser be­lo e sa­ra­do se o pre­ço é vi­ver à ba­se de bar­ri­nha de whey? Acho tris­te.

Quan­to a mim, eu só acu­mu­lo te­ci­do adi­po­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.