Bi­o­gra­fia des­faz mi­tos que cer­cam Jor­ge Ama­do

Pes­qui­sa de se­te anos de Jo­se­lia Agui­ar re­sul­ta em qua­se 700 pá­gi­nas de po­lí­ti­ca, fé, li­te­ra­tu­ra, amo­res e ami­za­des

Folha de S.Paulo - - Ilustrada - Mau­rí­cio Mei­re­les Di­vul­ga­ção

Jor­ge Ama­do di­zia acre­di­tar nos mi­la­gres do po­vo. Mi­li­ta­va no co­mu­nis­mo sim, des­de jo­vem, mas acre­di­ta­va em deu­ses que che­ga­ram ao Bra­sil no po­rão dos na­vi­os ne­grei­ros —e que ain­da ho­je vêm dan­çar di­an­te dos ho­mens.

Fi­lho de Oxós­si, o ori­xá das ma­tas, ele é um dos au­to­res bra­si­lei­ros de mai­or su­ces­so co­mer­ci­al den­tro e fo­ra do país. Não é a à toa que a ima­gem que o Bra­sil cons­truiu de si —e a que o mun­do tem de­le— pas­sa em par­te pe­los seus li­vros. Ama­do dei­xou uma obra so­lar, sen­su­al e bem-hu­mo­ra­da, que to­ma co­mo ma­triz a cul­tu­ra po­pu­lar, em es­pe­ci­al a he­ran­ça afri­ca­na.

O es­cri­tor ga­nha ago­ra uma bi­o­gra­fia de fô­le­go, es­cri­ta pe­la jor­na­lis­ta e pes­qui­sa­do­ra Jo­se­lia Agui­ar. Tra­ta-se de uma pes­qui­sa de se­te anos, com aces­so a de­poi­men­tos e do­cu­men­tos iné­di­tos.

Um dos mi­tos que a bi­o­gra­fia ten­ta des­fa­zer é o de que Jor­ge Ama­do só al­can­çou o su­ces­so por cau­sa de su­as li­ga­ções com o co­mu­nis­mo in­ter­na­ci­o­nal. Ele con­ta­ria, se­gun­do es­sa crí­ti­ca, com o lobby do par­ti­dão a seu fa­vor.

Mas ele des­de sem­pre tra­ba­lhou cons­ci­en­te­men­te pa­ra ter es­se su­ces­so, mos­tra a pes­qui­sa. E só foi tra­du­zi­do na Rús­sia no fim dos anos 1940, de­pois de ter saí­do na Fran­ça e nos Es­ta­dos Uni­dos, país que po­dia ser acu­sa­do de tu­do, me­nos de so­ci­a­lis­ta. É só en­tão que o pú­bli­co da cor­ti­na de fer­ro vai se en­can­tar com uma pro­sa que fu­gia aos di­ta­mes do re­a­lis­mo so­vié­ti­co.

“Al­guém po­de­ria ar­gu­men­tar que a Gal­li­mard ti­nha pes­so­as de es­quer­da, mas não era o ca­so da Al­fred A. Knopf”, diz Agui­ar.

O lu­gar de Ama­do na li­te­ra­tu­ra bra­si­lei­ra até ho­je con­ti­nua em dis­pu­ta —em cer­tos seg­men­tos, o au­tor é di­mi­nuí­do co­mo um re­les con­ta­dor de his­tó­ri­as, em ou­tros é acu­sa­do de cri­ar uma ima­gem mui­to exó­ti­ca do Bra­sil.

Um tra­ba­lho his­tó­ri­co com es­se es­co­po ser­ve pa­ra ver que o mun­do não foi in­ven­ta­do on­tem. Ama­do en­fren­tou es­sas crí­ti­cas des­de ce­do. Na eclo­são do ro­man­ce da dé­ca­da de 1930, re­gi­o­na­lis­ta, o au­tor vai ser acu­sa­do de não ex­plo­rar a psi­co­lo­gia de seus per­so­na­gens, de fa­zer uma li­te­ra­tu­ra do­cu­men­tal e até de ter um tex­to ex­ces­si­va­men­te oral, quan­do não com er­ros de gra­má­ti­ca.

Al­ti­vo di­an­te das crí­ti­cas, só mais ve­lho, já de­bi­li­ta­do, Ama­do vai dar si­nais de ir­ri­ta­ção com elas. A bió­gra­fa tra­ça um am­plo pa­no­ra­ma des­sa re­cep­ção ao lon­go dos anos —que atin­ge o au­ge com “Ga­bri­e­la Cra­vo e Ca­ne­la” e as su­ces­si­vas adap­ta­ções de sua obra pa­ra o ci­ne­ma e a TV.

En­tre os do­cu­men­tos re­ve­la­dos por Agui­ar es­tá o ro­man­ce iné­di­to “Rui Bar­bo­sa Nº 2”, es­cri­to em 1932. A obra já ti­nha um per­so­na­gem cha­ma­do Ar­chan­jo, o que su­ge­re um ras­cu­nho do Pe­dro Ar­chan­jo de “Ten­da dos Mi­la­gres”. A da­ta do ma­nus­cri­to mos­tra que o in­te­res­se de Ama­do pe­lo can­dom­blé vi­nha des­de jo­vem —e não só de­pois de sua de­si­lu­são ao des­co­brir os cri­mes de Stá­lin.

O au­tor via no can­dom­blé uma for­ma de re­sis­tên­cia po­lí­ti­ca e cul­tu­ral. Is­so em uma épo­ca na qu­al ter­rei­ros eram du­ra­men­te per­se­gui­dos pe­la po­lí­cia. Tan­to que Ama­do, quan­do foi de­pu­ta­do nos anos 1940, cri­ou a lei de li­ber­da­de re­li­gi­o­sa, até ho­je em vi­gor.

“O pes­so­al de es­quer­da mais or­to­do­xo sem­pre achou is­so es­qui­si­to. Mas a es­co­lha de­le por his­tó­ri­as afro-bai­a­nas é uma de­ci­são po­lí­ti­ca”, afir­ma Agui­ar.

O pri­mei­ro ca­sa­men­to de Ama­do, com Ma­til­de Gar­cia Ro­sa, tam­bém é es­miu­ça­do na bi­o­gra­fia. E a au­to­ra re­ve­la um diá­rio iné­di­to da fi­lha que o bai­a­no te­ve nes­sa união, Li­la, mor­ta aos 15 anos. Agui­ar tam­bém se ba­seia nas fi­chas do au­tor nas po­lí­ci­as po­lí­ti­cas do Bra­sil e de Por­tu­gal —on­de sua obra che­gou a ser proi­bi­da—, além de car­tas com ou­tros in­te­lec­tu­ais e com po­lí­ti­cos.

O li­vro apre­sen­ta uma nar­ra­ti­va que mis­tu­ra po­lí­ti­ca, fé, li­te­ra­tu­ra, amo­res —aí in­cluí­do o en­con­tro com Zé­lia Gat­tai— e ami­za­des. Quan­do mor­reu, em 2001, o es­cri­tor te­ve em seu ve­ló­rio 15 mil pes­so­as. Es­ta­va tra­du­zi­do pa­ra 49 idi­o­mas e ven­de­ra 80 mi­lhões de li­vros pe­lo mun­do.

Fei­to o axe­xê, a ce­rimô­nia do can­dom­blé pa­ra os mor­tos, as cin­zas de Ama­do fo­ram des­can­sar en­tre as plantas de sua ca­sa em Sal­va­dor. No lu­gar on­de elas fi­cam, até ho­je se lê uma fra­se de­le: “Aqui, nes­te re­can­to de jar­dim, qu­e­ro re­pou­sar em paz quan­do che­gar a ho­ra, eis o meu tes­ta­men­to”.

Jor­ge Ama­do - Uma Bi­o­gra­fia

Au­to­ra: Jo­se­lia Agui­ar. Ed. To­da­via. R$ 79,90 (640 págs.) Lan­ça­men­to: 27/11, às 19h, no Pa­la­ce­te das Ar­tes, em Sal­va­dor; 13/12, às 19h, na li­vra­ria Mar­tins Fon­tes, av. Pau­lis­ta, 509, SP

O es­cri­tor em Pa­ris, em 1948, em ima­gem do li­vro ‘Jor­ge Ama­do - Uma Bi­o­gra­fia’, de Jo­se­lia Agui­ar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.