De­ci­são ar­gen­ti­na da Li­ber­ta­do­res tem ri­va­li­da­de tam­bém en­tre os téc­ni­cos

Bo­ca e Ri­ver dis­pu­tam jo­go de ida da fi­nal da com­pe­ti­ção nes­te sá­ba­do (10)

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Alex Sa­bi­no e Bru­no Ro­dri­gues

Não bas­ta a Li­ber­ta­do­res ser de­ci­di­da pe­la pri­mei­ra vez por um clás­si­co de bair­ro e en­tre­dois dos mai­o­res ad­ver­sá­ri­os do pla­ne­ta.

Há tam­bém a ri­va­li­da­de en­tre dois téc­ni­cos. Ído­los de Bo­ca Ju­ni­ors e Ri­ver Pla­te, res­pec­ti­va­men­te, Guil­ler­mo Bar­ros Sche­lot­to e Mar­ce­lo Gal­lar­do se en­fren­tam nes­te sá­ba­do (10), em La Bom­bo­ne­ra, no jo­go de ida da de­ci­são.

Am­bos fo­ram cam­peões da Li­ber­ta­do­res co­mo jo­ga­do­res (Gal­lar­do tem um tí­tu­lo co­mo téc­ni­co), em­bo­ra com es­ti­los dis­tin­tos. Sche­lot­to era um ata­can­te aguer­ri­do e ve­loz, o par­cei­ro pre­fe­ri­do do cen­tro­a­van­te Mar­tín Pa­ler­mo, mai­or ar­ti­lhei­ro da his­tó­ria do clu­be.

Gal­lar­do era um meia clás­si­co, tí­pi­co da Ar­gen­ti­na, sem­pre com um olho pa­ra o pas­se de­ci­si­vo ou o gol de fal­ta.

“Qu­e­ro que che­gue lo­go o sá­ba­do. Qu­e­ro jo­gar. Vo­cê po­de ana­li­sar, es­tu­dar, tra­ba­lhar, mas tem de che­gar lo­go o sá­ba­do. Vi­vi mo­men­tos in­crí- veis, ga­nha­ras fi­nais de Mun- di­ais con­tra Re­al Ma­dri­de Mi- lan,m as nãoé igua­la ago­ra ”, dis­se o téc­ni­co do Bo­ca.

Am­bos são adep­tos do fu­te­bol ofen­si­vo, de ata­que. Mas têm na ideia de jo­go que pro­põem apli­ca­ções dis­tin­tas par ache­ga­ra es­se ob­je­ti­vo.

Gal­lar­do gos­ta que sua equi­pe fi­que co ma­bo­la e se­po sic io­ne­no cam­po ri­val.Fo ias- sim, por exem­plo, na vi­tó­ria so­bre o Grê­mio em Por­to Ale­gre, que ga­ran­tiu a va­ga na fi­nal do tor­neio con­ti­nen­tal.

Sem ata­can­tes de ve­lo­ci­da­de pe­los la­dos, o co­man­dan­te do Ri­ver pe­de que seus la­te­rais, Mon­ti­el e Cas­co, jo­guem avan­ça­dos, ocu­pan­do a fai­xa la­te­ral no cam­po de ata­que.

A au­sên­cia de pon­tas, en­tre­tan­to, não obri­ga o téc­ni­co ater cen­tro­a­van­tes fi­xos en­tre os za­guei­ros ad­ver­sá­ri­os. Tan­to Lu­cas Prat­to co­mo San­tos Bor­ré ou Ig­na­cio Scoc­co se me­xem com frequên­cia e par­ti­ci­pam ati­va­men­te da cons­tru­ção ofen­si­va do ti­me.

A saí­da de bo­la, ge­ral­men­te, é ini­ci­a­da pe­lo za­guei­ro Ja­vi­er Pi­no­la, que gos­ta de ar­ran­car com ela do­mi­na­da até o cam­po de ata­que, dei­xan­do ata­can­tes pa­ra trás pa­ra cri­ar su­pe­ri­o­ri­da­de nu­mé­ri­ca.

Quan­do che­ga à fren­te, en­tre­ga o pas­se pa­ra os mei­as Ju­an Quin­te­ro e Exe­qui­el Pa­la­ci­os, que ela­bo­ram o jo­go jun­ta­men­te com o ca­mi­sa 10 Pity Mar­tí­nez, em gran­de fa­se.

Já o Bo­ca de Guil­ler­mo Sche­lot­to bus­ca o ata­que de for­ma mais ver­ti­cal, com pas­ses rá­pi­dos pa­ra che­gar ao gol ad­ver­sá­rio. Ao con­trá­rio de Gal­lar­do, uti­li­za dois pon­tas, que ten­tam su­pe­rar os la­te­rais ri­vais com jo­ga­das in­di­vi­du­ais, e um ho­mem mais cen­tra­li­za­do en­tre os de­fen­so­res.

A ten­dên­cia pa­ra es­te sá­ba­do é que man­te­nha o trio ofen­si­vo que en­fren­tou o Pal­mei­ras em São Pau­lo, com Vil­la pe­la di­rei­ta, Pa­vón pe­la es­quer­da e Ábi­la de cen­tro­a­van­te.

Afor­ça des­se Bo­ca es­tá jus­ta­men­te em seus ho­mens de fren­te. Dos 21 gols na Li­ber­ta­do­res, 16 fo­ram mar­ca­dos por ata­can­tes: o ar­ti­lhei­ro Ábi­la tem 4; Pa­vón, Be­ne­det­to, Zá­ra­te e Té­vez têm 3.

Ou­tro se­tor for­te da equi­pe é seu trio de mei­os-cam­pis­tas, com atle­tas que mis­tu­ram ca­rac­te­rís­ti­cas e aju­dam tan­to na cons­tru­ção co­mo na mar­ca­ção. O vo­lan­te Wil­mar Bar­ri­os, po­si­ci­o­na­do à fren­te da de­fe­sa, é quem ge­ral­men­te ini­cia as jo­ga­das.

Ao la­do de­le es­tão Nahi­tan Nán­dez e Pa­blo Pé­rez, am­bos com for­te pe­ga­da no meio. Nán­dez se apro­vei­ta do vi­gor fí­si­co e de sua apli­ca­ção tá­ti­ca pa­ra ir e vol­tar pe­lo la­do di­rei­to. Já Pa­blo Pé­rez ata­ca mais pe­lo meio, pro­cu­ran­do os com­pa­nhei­ros pa­ra ta­be­lar e en­trar na área pa­ra fi­na­li­zar.

En­tre os téc­ni­cos, o úni­co que po­de­rá di­ri­gir sua equi­pe do cam­po se­rá Sche­lot­to. Pu­ni­do, Gal­lar­do nem se­quer po­de­rá es­tar na Bom­bo­ne­ra.

“A pu­ni­ção é ab­sur­da. Di­rei­to de ad­mis­são é pu­ni­ção apli­ca­da a mar­gi­nais”, se quei­xou o pre­si­den­te do Ri­ver Pla­te, Ro­dol­fo D’Ono­frio.

“Di­rei­to de ad­mis­são” é o no­me da san­ção a tor­ce­do­res vi­o­len­tos que não po­dem en­trar em es­tá­di­os do país.

Em má fa­se no Bra­si­lei­ro, Co­rinthi­ans e São Pau­lo jo­gam em bus­ca de afir­ma­ção e pa­ra afas­tar ques­ti­o­na­men­tos so­bre seus téc­ni­cos.

Cer­ca­dos de bo­as ex­pec­ta­ti­vas quan­do con­tra­ta­dos e no iní­cio de tra­ba­lho, Jair Ven­tu­ra, 39, e Di­e­go Aguir­re, 52, ou­vi­ram vai­as e gri­tos de “bur­ro” re­cen­te­men­te.

Con­tra­ta­do há dois me­ses pa­ra subs­ti­tuir Os­mar Loss no Co­rinthi­ans, Ven­tu­ra era vis­to co­mo o no­me ide­al pa­ra dar sequên­cia ao tra­ba­lho de Fá­bio Ca­ril­le.

Com um ti­me de­sa­cre­di­ta­do após as saí­das de Bal­bu­e­na e Ro­dri­gui­nho, ele sur­pre­en­deu ao eli­mi­nar o Fla­men­go e che­gar à fi­nal da Co­pa do Bra­sil. Na de­ci­são, po­rém, per- deu pa­ra o Cru­zei­ro.

Após a fi­nal, a ex­pec­ta­ti­va da di­re­to­ria era que o clu­be es­ca­pas­se ra­pi­da­men­te da ame­a­ça de re­bai­xa­men­to, o que não acon­te­ceu.

Di­an­te de três ri­vais di­re­tos (Vi­tó­ria, Bahia e Bo­ta­fo­go), so­mou ape­nas 4 pon­tos. Ho­je ocu­pa o 12º lu­gar, com 39 pon­tos —5 a mais que o Vi­tó­ria, pri­mei­ro da zo­na de des­cen­so.

“Não po­de­mos nun­ca olhar pa­ra bai­xo. Não vai ser com uma vi­tó­ria que va­mos olhar pa­ra ci­ma ou uma der­ro­ta que va­mos olhar pa­ra bai­xo. Va­mos fa­zer nos­so me­lhor”, dis­se Jair, que tem o pi­or apro­vei­ta­men­to en­tre os três téc­ni­cos do ti­me no ano: 33,3%. Loss so­ma 46,6%, e Ca­ril­le, 61,2%.

Um triun­fo no clás­si­co é vis­to co­mo fun­da­men­tal pa­ra o téc­ni­co ga­nhar res­pi­ro e dei­xar o ti­me pra­ti­ca­men­te sal­vo do des­cen­so.

Já Di­e­go Aguir­re che­gou ao São Pau­lo em mar­ço, após de­mis­são de Do­ri­val Jú­ni­or. No iní­cio, agra­dou a tor­ci­da com o es­ti­lo de jo­go in­ten­so e de apli­ca­ção tá­ti­ca.

Con­du­ziu o ti­me à pon­ta do Na­ci­o­nal por oi­to ro­da­das, o que fez a di­re­to­ria pen­sar em an­te­ci­par sua re­no­va­ção de con­tra­to, mas o trei­na­dor pre­fe­riu es­pe­rar.

De­pois dis­so, o São Pau­lo caiu de ren­di­men­to. Aguir­re foi ques­ti­o­na­do pe­las es­ca­la­ções e cha­ma­do de “bur­ro” após per­der do Pal­mei­ras.

“O ob­je­ti­vo era vol­tar à Li­ber­ta­do­res. O que acon­te­ceu é que o ti­me fi­cou aci­ma das ex­pec­ta­ti­vas. De­pois, so­fre­mos der­ro­tas e en­trou um cli­ma não de frus­tra­ção, mas de tris­te­za”, dis­se.

A es­pe­ran­ça de tí­tu­lo ruiu com a que­da pa­ra o quar­to lu­gar, mas uma vi­tó­ria no clás­si­co po­de dei­xar o ti­me bem pró­xi­mo da fa­se ini­ci­al da Co­pa Li­ber­ta­do­res de 2019.

Aguir­re te­rá ou­tra ta­re­fa: que­brar o je­jum são-pau­li­no de 2 em­pa­tes e 8 der­ro­tas no Ita­que­rão.

Li­mi­nar sus­pen­de pe­nho­ra de ta­ça do Mun­di­al de Clu­bes

O Co­rinthi­ans afir­mou ter em mãos uma li­mi­nar que sus­pen­de a pe­nho­ra da ta­ça de cam­peão do Mun­di­al de Clu­bes de 2012, con­quis­ta­da pe­lo clu­be após vi­tó­ria con­tra o Chelsea, no Ja­pão. A pe­nho­ra ha­via si­do de­ter­mi­na­da na quin­ta (8), após pro­ces­so aber­to pe­lo Ins­ti­tu­to San­ta­nen­se de En­si­no Su­pe­ri­or, que co­bra R$ 2,5 mi­lhões do clu­be.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.