Fe­mi­nis­ta ‘cas­ca gros­sa’, Vir­gi­nie Des­pen­tes pla­ne­ja lan­çar li­vro no Bra­sil

Cria do mo­vi­men­to anar­co­punk oi­ten­tis­ta, ex-pros­ti­tu­ta e fe­mi­nis­ta cas­ca-gros­sa, fran­ce­sa Vir­gi­nie Des­pen­tes pla­ne­ja lan­çar best-sel­ler ‘Ver­non Su­bu­tex’ no Bra­sil

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Anahi Mar­ti­nho

são pau­lo Pa­ris, 2014. Cli­ma de pâ­ni­co em meio a ame­a­ças ter­ro­ris­tas. Um cin­quen­tão fa­li­do, do­no de uma lo­ja de dis­cos, ten­ta so­bre­vi­ver após fe­char seu ne­gó­cio. Sem re­cur­sos, mer­gu­lha nu­ma tra­je­tó­ria de de­ca­dên­cia e vai pa­rar nas ru­as, vi­ven­do co­mo sem-te­to.

“Ver­non Su­bu­tex”, o mais re­cen­te ro­man­ce da fran­ce­sa Vir­gi­nie Des­pen­tes, é co­mé­dia hu­ma­na da atu­al ge­ra­ção, que ju­rou fi­de­li­da­de à con­tra­cul­tu­ra e ago­ra pa­de­ce sob o co­lap­so do sis­te­ma de bem-es­tar so­ci­al e a vol­ta do fas­cis­mo.

Best-sel­ler na Fran­ça e fi­na­lis­ta do prê­mio Man Bo­o­ker In­ter­na­ti­o­nal des­te ano, o ro­man­ce é o pri­mei­ro vo­lu­me de uma tri­lo­gia que vai vi­rar sé­rie de TV em 2019. No Bra­sil, de­ve che­gar tam­bém no ano que vem, pe­la Com­pa­nhia das Le­tras.

No li­vro, o pro­ta­go­nis­ta Ver­non con­cre­ti­za o pe­sa­de­lo pe­que­no-bur­guês que as­som­bra uma so­ci­e­da­de pa­ra­noi­ca: a per­da de sta­tus. Hu­mi­lha­do por ve­lhos ami­gos, pas­sa a vi­ver da ca­ri­da­de de es­tra­nhos, cer­ca­do por um sen­ti­men­to cres­cen­te de extremismo so­ci­al.

“Bi­lhões de pes­so­as es­ta­rão em bre­ve nas ru­as, pro­cu­ran­do por abri­go. Is­so ex­pli­ca por que idei­as da ex­tre­ma di­rei­ta au­to­ri­tá­ria têm se in­fil­tra­do no mun­do in­tei­ro. Elas sim­bo­li­zam a sub­mis­são de 99% da hu­ma­ni­da­de ao 1% mais ri­co”, diz a es­cri­to­ra em en­tre­vis­ta à Fo­lha.

Cria do mo­vi­men­to anar­co­punk oi­ten­tis­ta eu­ro­peu, ex­pros­ti­tu­ta e “fe­mi­nis­ta cas­ca-gros­sa” (nas pró­pri­as pa­la­vras), Des­pen­tes es­tre­ou na li­te­ra­tu­ra fran­ce­sa aos 23 anos com “Bai­se-Moi” (1993), uma jor­na­da san­gui­no­len­ta de du­as ami­gas em bus­ca de vin­gan­ça.

O ro­man­ce deu ori­gem ao fil­me homô­ni­mo, em que a pró­pria au­to­ra di­ri­giu atri­zes pornô em ce­nas de se­xo não si­mu­la­das. Lan­ça­do em 2000, o lon­ga vi­rou cult após ser cen­su­ra­do no país.

Em 2006, Des­pen­tes pu­bli­cou o ma­ni­fes­to “Te­o­ria King Kong”, no qu­al diz ser “a voz das mu­lhe­res fei­as, das ca­mi­nho­nei­ras, das frí­gi­das, das mal co­mi­das, das in­co­mí­veis, das his­té­ri­cas, das psi­có­ti­cas, de to­das as ex­cluí­das do mer­ca­do da boa mo­ça”.

No en­saio au­to­bi­o­grá­fi­co, lan­ça­do no Bra­sil pe­la n-1, ela nar­ra em de­ta­lhes o es­tu­pro que so­freu aos 17 anos, quan­do foi ata­ca­da, jun­to com uma ami­ga, por três ho­mens ar­ma­dos com um ri­fle.

“Es­tu­pra­do­res são os ter­ro­ris­tas do pa­tri­ar­ca­do, que tra­ba­lham pa­ra que ou­tros ho­mens não pre­ci­sem es­tu­prar nin­guém”, diz ela. “Um ho­mem que ca­mi­nha na rua à noi­te so­zi­nho dis­põe do tra­ba­lho in­vi­sí­vel dos es­tu­pra­do­res: são eles que trans­for­mam a ci­da­de em um lu­gar mas­cu­li­no”, com­ple­ta.

Um dos ca­pí­tu­los de “King Kong” é in­ti­tu­la­do “Im­pos­sí­vel Es­tu­prar es­sa Mu­lher Cheia de Fa­lhas”. Qu­es­ti­o­na­da so­bre a fa­la do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro à de­pu­ta­da Ma­ria do Ro­sá­rio em 2003, quan­do dis­se que ela não me­re­cia ser es­tu­pra­da por ser “mui­to feia”, a au­to­ra co­men­ta que a fra­se “sig­ni­fi­ca que ser es­tu­prá­vel é um si­nal que vo­cê tem as qua­li­da­des ne­ces­sá­ri­as pa­ra per­ten­cer ao cam­po da hu­ma­ni­da­de co­mo fê­mea”.

Em 1991, Des­pen­tes pas­sou a tra­ba­lhar co­mo pros­ti­tu­ta. Por três anos, ela se man­te­ve com um tra­ba­lho que con­si­de­ra dig­no e bem pa­go se com­pa­ra­do a ou­tras ati­vi­da­des pro­le­tá­ri­as que exer­ceu an­tes.

“Te­nho a im­pres­são de que usam o tra­ba­lho se­xu­al pa­ra le­gi­ti­mar qual­quer for­ma de ex­plo­ra­ção. Tra­ba­lhar 12 ho­ras por dia e não con­se­guir pa­gar seu alu­guel é acei­tá­vel. Tra­ba­lhar em um am­bi­en­te mi­se­rá­vel, sen­do hu­mi­lha­do por um pa­trão es­tú­pi­do, é acei­tá­vel. En­tão­vo­cê es­ta­be­le­ce um li­mi­te: tra­ba­lho se­xu­al não é”, diz.

Ela mes­ma ad­mi­te que, an­tes de se lan­çar à pro­fis­são, acre­di­ta­va que as pros­ti­tu­tas eram ví­ti­mas —in­cons­ci­en­tes ou ma­ni­pu­la­das. A vi­vên­cia do tra­ba­lho se­xu­al trou­xe ou­tra pers­pec­ti­va.

“Quem faz o tra­ba­lho tem uma opi­nião vá­li­da so­bre ele. Se vo­cê acre­di­ta que fa­zer se­xo por di­nhei­ro des­trói sua fa­cul­da­de de ana­li­sar a si­tu­a­ção, en­tão vo­cê acre­di­ta que se­xo pa­ra as mu­lhe­res fo­ra da ins­ti­tui­ção do ca­sa­men­to e da pro­pa­gan­da ro­mân­ti­ca é sem­pre des­tru­ti­vo”, pon­de­ra.

Ela par­te do pres­su­pos­to que, en­quan­to vi­ver­mos sob o sis­te­ma li­be­ral econô­mi­co, se­xo se­rá mer­ca­do­ria. As­sim, a lu­ta pe­la re­gu­la­men­ta­ção se tor­na ne­ces­sá­ria pa­ra que a pro­fis­são pos­sa ser exer­ci­da em con­di­ções ade­qua­das, se­gu­ras e con­for­tá­veis.

“Dar pra­zer não im­pli­ca se sen­tir mi­se­rá­vel. Se­xo não pre­ju­di­ca o cé­re­bro. Chu­par um pê­nis nun­ca des­truiu ne­nhum neurô­nio.”

Ain­da em “King Kong”, Des­pen­tes ex­plo­ra a éti­ca am­bi­va­len­te que vi­veu ao trans­for­mar sua ima­gem pa­ra apa­ren­tar uma “hi­per­fe­mi­ni­li­da­de”.

A ex­pe­ri­ên­cia a co­lo­ca fa­ce a fa­ce com a ti­ra­nia do sis­te­ma, que pren­de as mu­lhe­res na ar­ma­di­lha de uma bus­ca in­fi­ni­ta pe­la be­le­za.

“Mu­lhe­res bo­ni­tas que con­cor­dam em agra­dar a ho­mens po­de­ro­sos não são um de­ta­lhe: elas cons­ti­tu­em o po­der da mas­cu­li­ni­da­de”, diz.

Do­ze anos de­pois de seu lan­ça­men­to, “Te­o­ria King Kong” já se tor­nou bi­bli­o­gra­fia obrigatória do de­ba­te de gê­ne­ro. Ad­mi­ra­da com a ou­sa­dia da atu­al ge­ra­ção, a au­to­ra diz se sen­tir “vi­ven­do num so­nho”.

“A in­ter­net mu­dou tu­do. Even­tos co­mo #MeToo eram im­pen­sá­veis há dez anos. Coi­sas que es­tou len­do ago­ra na in­ter­net são tão fu­ri­o­sas! Por­ra, es­sas me­ni­nas são mais bra­vas do que eu ja­mais fui. Pas­sei a vi­da in­tei­ra me sen­tin­do rai­vo­sa de­mais e, de re­pen­te, es­sas jo­vens me fa­zem pa­re­cer fo­fa. Es­tou ado­ran­do is­so.”

E ar­ris­ca um con­se­lho ra­di­cal às mu­lhe­res das ge­ra­ções Y e Z: que aban­do­ne­mos a he­te­ros­se­xu­a­li­da­de. “Eu re­co­men­da­ria a to­das vo­cês de­sis­ti­rem de se­rem hé­te­ros. Não ve­jo co­mo con­se­gui­ri­am su­por­tar os ho­mens co­mo mi­nha ge­ra­ção su­por­tou. O slo­gan da mi­nha ge­ra­ção era: ‘Vo­cê tem que amar os ho­mens’. E nós re­al­men­te os ama­mos. Eles eram os gran­des mes­tres de tu­do. Es­sa era aca­bou.”

Je­an-Fran­cois Pa­ga/Le­e­ma­ge

Vir­gi­nie Des­pen­tes, 49 Nas­ci­da em Nancy, na Fran­ça, es­tre­ou na li­te­ra­tu­ra aos 23 com ‘Bai­se-Moi’. Pu­bli­cou, en­tre ou­tros, os ro­man­ces ‘Te­en Spi­rit’ (2002) e ‘Bye Bye Blon­die’ (2004), que vi­rou fil­me com Em­ma­nu­el­le Béart e Béa­tri­ce Dal­le di­ri­gi­do e ro­tei­ri­za­do pe­la es­cri­to­ra. Seu ma­ni­fes­to ‘Te­o­ria King Kong’ (2006) se tor­nou obri­ga­tó­rio pa­ra es­tu­dos de gê­ne­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.