Câ­ma­ra mu­da lei que im­põe a ci­da­des te­to com ser­vi­dor

Pa­ra es­pe­ci­a­lis­ta, pro­je­to é es­tí­mu­lo à ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal de pre­fei­tos; tex­to ain­da pre­ci­sa da san­ção de Te­mer

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ma­e­li Pra­do e Ân­ge­la Bol­dri­ni Luis Macedo/Agên­cia Câ­ma­ra

Por 300 vo­tos a fa­vor e 46 con­tra, a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos apro­vou pro­je­to que po­de li­vrar da pu­ni­ção pre­fei­tos que ul­tra­pas­sem o li­mi­te de gas­tos com pes­so­al.

O tex­to mu­da a Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal pa­ra acres­cen­tar que mu­ni­cí­pi­os com que­da de ar­re­ca­da­ção de mais de 10% não po­dem so­frer san­ções ca­so ex­tra­po­lem 60% da re­cei­ta com ser­vi­do­res ati­vos e ina­ti­vos.

A no­va re­gra só va­le se es­sa re­du­ção for cau­sa­da por que­da de re­pas­ses do Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção dos Mu­ni­cí­pi­os ou royal­ti­es e par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais —fa­to­res alhei­os à qua­li­da­de da ad­mi­nis­tra­ção do mu­ni­cí­pio.

O pro­je­to pre­ci­sa de san­ção do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB) pa­ra vi­go­rar.

Na ava­li­a­ção de Raul Vel­lo­so, es­pe­ci­a­li­za­do em con­tas pú­bli­cas, o tex­to é um es­tí­mu­lo efe­ti­vo à ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal das pre­fei­tu­ras.

Ho­je, ca­so ul­tra­pas­se o te­to e não o res­ta­be­le­ça em até oi­to me­ses, o mu­ni­cí­pio fi­ca im­pe­di­do de re­ce­ber trans­fe­rên­ci­as vo­lun­tá­ri­as, ob­ter ga­ran­tia e con­tra­tar ope­ra­ções de cré­di­to.

O pre­fei­to tam­bém fi­ca proi­bi­do de re­a­jus­tar sa­lá­rio de ser­vi­do­res e fa­zer no­vas con­tra­ta­ções.

Em me­di­da que abre es­pa­ço pa­ra a ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal de pre­fei­tos, a Câ­ma­ra apro­vou um pro­je­to que po­de li­vrar da pu­ni­ção mu­ni­cí­pi­os que pas­sem do li­mi­te com gas­tos de pes­so­al.

O tex­to, que foi vo­ta­do nes­ta quar­ta-fei­ra (5), se­gue pa­ra san­ção pre­si­den­ci­al.

O pro­je­to al­te­ra a LRF (Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal) pa­ra acres­cen­tar que os mu­ni­cí­pi­os que ti­ve­rem que­da de ar­re­ca­da­ção de mais de 10% não po­de­rão so­frer san­ções ca­so ul­tra­pas­sem o li­mi­te de gas­tos de 60% da re­cei­ta com ser­vi­do­res ati­vos e ina­ti­vos.

A no­va re­gra só va­le se es­sa re­du­ção for cau­sa­da por que­da de re­pas­ses do FPM (Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção dos Mu­ni­cí­pi­os) ou royal­ti­es e par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais. Ou se­ja, por fa­to­res alhei­os à qua­li­da­de da ad­mi­nis­tra­ção mu­ni­ci­pal.

Ho­je, ca­so ul­tra­pas­se o te­to e não o res­ta­be­le­ça em até oi­to me­ses, a ci­da­de fi­ca im­pe­di­da de re­ce­ber trans­fe­rên­ci­as vo­lun­tá­ri­as, ob­ter ga­ran­tia e con­tra­tar ope­ra­ções de cré­di­to até re­gu­la­ri­zar a si­tu­a­ção. Fi­ca proi­bi­da ain­da de re­a­jus­tar sa­lá­ri­os de ser­vi­do­res e de re­a­li­zar no­vas con­tra­ta­ções.

Vo­ta­ram a fa­vor da pro­pos­ta 300 de­pu­ta­dos, e con­tra, 46.

“Es­se é o mai­or aten­ta­do já vis­to à res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal nes­te país”, afir­mou a eco­no­mis­ta Ana Car­la Abrão, ex-se­cre­tá­ria da Fa­zen­da de Goiás e só­cia da con­sul­to­ria Oli­ver Wy­man. “Sig­ni­fi­ca que não apren­de­mos na­da nos úl­ti­mos qua­tro anos de co­lap­so.”

Se­gun­do ela, na prá­ti­ca boa par­te dos mu­ni­cí­pi­os já não cum­pre o li­mi­te dos 60%. “O que es­ta­mos fa­zen­do é abrir mais um bu­ra­co na LRF, já tão des­res­pei­ta­da ao lon­go dos seus 18 anos de vi­gên­cia.”

Raul Vel­lo­so, es­pe­ci­a­lis­ta em con­tas pú­bli­cas, dis­se que, se for san­ci­o­na­do pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, o pro­je­to po­de efe­ti­va­men­te es­ti­mu­lar a ir­res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal dos pre­fei­tos.

Ele pon­de­rou, en­tre­tan­to, que, em um ce­ná­rio de que­da da ar­re­ca­da­ção de im­pos­tos por cau­sa da cri­se econô­mi­ca re­cen­te, a re­gra da LRF é ine­xequí­vel, até por­que o gran­de pro­ble­ma dos gas­tos com pes­so­al é com os ser­vi­do­res apo­sen­ta­dos, e não com os ati­vos.

“Qu­an­do a re­cei­ta de­sa­ba, por cau­sa da mai­or re­ces­são da nos­sa his­tó­ria, a ra­zão en­tre pes­so­al e re­cei­ta vai su­bir e ul­tra­pas­sar os li­mi­tes. Es­sa re­gra foi fei­ta pa­ra épo­cas de paz, de nor­ma­li­da­de.”

Se­gun­do cál­cu­lo da Fir­jan (Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro), mais de 80% dos mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros têm si­tu­a­ção fis­cal con­si­de­ra­da crí­ti­ca ou di­fí­cil.

Ao co­men­tar a apro­va­ção do pro­je­to, o de­pu­ta­do Pedro Pau­lo (DEM-RJ) afir­mou que o con­tro­le dos gas­tos com pes­so­al é o nú­cleo cen­tral da LRF.

“Qu­an­do se abre uma ex­ce­ção pa­ra va­ri­a­ções de re­cei­tas, pa­ra fle­xi­bi­li­zar as pu­ni­ções, nós es­ta­mos abrin­do aqui uma por­tei­ra pa­ra que qual­quer des­cul­pa de im­pac­to so­bre a re­cei­ta dos mu­ni­cí­pi­os le­ve à fle­xi­bi­li­za­ção das san­ções”, dis­se.

Foi a mes­ma po­si­ção do de­pu­ta­do Jo­a­quim Pas­sa­ri­nho (PSD-PA). “Es­sa lei é uma lei du­ra, mas é uma lei que con­se­guiu en­qua­drar os mu­ni­cí­pi­os pa­ra não le­var pa­ra uma que­bra­dei­ra ge­ral.”

O de­pu­ta­do Be­be­to (PSBBA) de­fen­deu a pro­pos­ta. “O cen­tro do pro­je­to é que, qu­an­do ha­ja por par­te do go­ver­no fe­de­ral, por exem­plo, uma de­so­ne­ra­ção exa­ge­ra­da com im­pac­to em es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os ou cri­se, os pre­fei­tos não se­jam pu­ni­dos.”

De­pu­ta­dos du­ran­te ses­são na Câ­ma­ra nes­ta quar­ta-fei­ra (5)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.