Bol­so­na­ro diz que de­nún­cia ro­bus­ta é ca­so pa­ra de­mis­são

Elei­to diz que não he­si­ta­ria em usar ‘ca­ne­ta Bic’ pa­ra ti­rar um au­xi­li­ar; Onyx é al­vo de sus­pei­ta de cai­xa 2

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ta­li­ta Fer­nan­des Pedro La­dei­ra/Fo­lha­press Co­la­bo­rou Da­ni­el Car­va­lho, de Bra­sí­lia

Jair Bol­so­na­ro su­ge­riu que po­de­rá de­mi­tir o fu­tu­ro che­fe da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni (DEM-RS), al­vo de in­ves­ti­ga­ção no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral por sus­pei­ta de cai­xa dois. “Ha­ven­do uma de­nún­cia ro­bus­ta con­tra quem quer que se­ja do meu go­ver­no que es­te­ja ao al­can­ce da mi­nha ca­ne­ta Bic, ela se­rá usada”, de­cla­rou o pre­si­den­te elei­to.

O pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, su­ge­riu que po­de­rá de­mi­tir o fu­tu­ro che­fe da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni, se hou­ver de­nún­cia ro­bus­ta con­tra ele.

“Olha só, ha­ven­do qual­quer com­pro­va­ção ob­vi­a­men­te ou uma de­nún­cia ro­bus­ta con­tra quem quer que se­ja do meu go­ver­no que es­te­ja ao al­can­ce da mi­nha ca­ne­ta Bic, ela se­rá usada”, afir­mou nes­ta quar­ta­fei­ra (5), em Bra­sí­lia.

A de­cla­ra­ção é uma res­pos­ta a ques­ti­o­na­men­to fei­to so­bre uma fa­la de seu vi­ce, o ge­ne­ral da re­ser­va Ha­mil­ton Mou­rão. Em Be­lo Ho­ri­zon­te, Mou­rão dis­se que Onyx te­ria de dei­xar o go­ver­no se for pro­va­do que ele co­me­teu ato ilí­ci­to.

“Uma vez que se­ja com­pro­va­do que hou­ve ili­ci­tu­de, é ób­vio que te­rá que se re­ti­rar do go­ver­no. Mas, por en­quan­to, é uma in­ves­ti­ga­ção e ele pros­se­gue com as ta­re­fas de­le. Na­da mais do que is­so”, dis­se o vi­ce-pre­si­den­te elei­to.

O fu­tu­ro che­fe da Ca­sa Ci­vil se tor­nou al­vo de uma in­ves­ti­ga­ção aber­ta no STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral) a pe­di­do da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca, na ter­ça-fei­ra (4) por sus­pei­ta de cai­xa dois.

Ele foi apon­ta­do em acor­dos de de­la­ção da JBS co­mo be­ne­fi­ciá­rio de dois re­pas­ses não de­cla­ra­dos co­mo do­a­ções de cam­pa­nha. Um de­les de R$ 100 mil em 2014, e ou­tro de R$ 100 mil em 2012.

Onyx já ad­mi­tiu em en­tre­vis­ta ter re­ce­bi­do R$ 100 mil da JBS em 2014 e pe­diu des­cul­pas. Ele, con­tu­do, ne­ga a se­gun­da acu­sa­ção, re­ve­la­da pe­la Fo­lha em no­vem­bro.

Na re­ta fi­nal da for­ma­ção de sua equi­pe de go­ver­no, Bol­so­na­ro afir­mou nes­ta quar­ta que ain­da não es­co­lheu o fu­tu­ro mi­nis­tro de Di­rei­tos Hu- ma­nos. Ele diz que Da­ma­res Al­ves, ad­vo­ga­da e as­ses­so­ra do se­na­dor Mag­no Mal­ta (PRES), é ape­nas um no­me, mas que não há de­fi­ni­ção.

O pre­si­den­te elei­to ne­gou que ha­ja qual­quer ani­mo­si­da­de com o fa­to de Mal­ta não ter si­do es­co­lhi­do pa­ra ocu­par ne­nhum de seus mi­nis­té­ri­os.

No iní­cio da pré-cam­pa­nha, Bol­so­na­ro che­gou a cha­mar o se­na­dor de “vi­ce dos so­nhos”. A ali­an­ça não pros­pe­rou, mas Mal­ta se en­ga­jou in­ten­sa­men­te na cam­pa­nha do can­di­da­to do PSL —e per­deu a re­e­lei­ção pa­ra o Se­na­do.

Após o se­gun­do tur­no, o par­la­men­tar che­gou a cir­cu­lar pe­lo Cen­tro Cul­tu­ral Ban­co do Bra­sil, on­de fun­ci­o­na o ga­bi­ne­te de tran­si­ção, e foi co­ta­do pa­ra o pri­mei­ro es­ca­lão, mas su­miu nas úl­ti­mas se­ma­nas, de­pois que viu que su­as chan­ces de ser anun­ci­a­do mi­nis­tro ha­vi­am min­gua­do.

A pá de cal veio nes­ta quar­ta-fei­ra, a pri­mei­ra vez que Bol­so­na­ro ad­mi­tiu pu­bli­ca­men­te que o ami­go não se­ria anun­ci­a­do mi­nis­tro.

“Tí­nha­mos um de­se­nho do mi­nis­té­rio na ca­be­ça, in­fe­liz­men­te não cou­be o per­fil de­le não se en­qua­drou nes­sa ques­tão. Ape­nas is­so”, res­pon­deu Bol­so­na­ro ao ser ques­ti­o­na­do so­bre a cha­te­a­ção de Mal­ta por não ter si­do in­di­ca­do.

O elei­to dis­se ain­da que “as por­tas es­tão aber­tas pa­ra ele” na tran­si­ção e que ele po­de co­la­bo­rar de ou­tra for­ma.

“A ques­tão de pos­sí­vel mi­nis­té­rio não acha­mos ade­qua­do no mo­men­to. Ele po­de es­tar ao meu la­do e as por­tas nun­ca for­ma fe­cha­das pa­ra ele. Se pa­ra to­dos ami­gos de cam­pa­nha eu fos­se dar mi­nis­té­rio, se­ria di­fí­cil da mi­nha par­te”, afir­mou.

Ao dei­xar o QG do Exér­ci­to na tar­de des­ta quar­ta, on­de al­mo­çou e re­ce­beu con­de­co­ra­ção ba­ti­za­da de “Me­da­lha do Pa­ci­fi­ca­dor”, Bol­so­na­ro lem­brou que ofe­re­ceu a Mal­ta o pos­to de vi­ce-pre­si­den­te.

“Eu ofe­re­ci ser meu vi­ce e ele achou me­lhor con­cor­rer ao Se­na­do. Não se ele­geu. Sou gra­to a ele.”

De vol­ta ao Se­na­do nes­ta quar­ta após se iso­lar no in­te­ri­or do Es­pí­ri­to San­to, Mal­ta ne­gou es­tar frus­tra­do por não ter si­do es­co­lhi­do pa­ra co­man­dar um mi­nis­té­rio.

Em sua pri­mei­ra apa­ri­ção de­pois de o pri­mei­ro es­ca­lão do fu­tu­ro go­ver­no es­tar pra­ti­ca­men­te com­ple­to, o se­na­dor es­ta­va ar­re­dio. Sem bla­zer, foi di­re­to ao ple­ná­rio, con­ver­sou com co­le­gas e evi­tou os jor­na­lis­tas o quan­to pô­de.

Che­gou a dis­cur­sar, mas ape­nas fa­lou con­tra “ati­vis­mo ju­di­ciá­rio”.

Con­ce­deu en­tre­vis­ta an­dan­do du­ran­te os dois mi­nu­tos e 38 se­gun­dos que le­vou até che­gar a seu ga­bi­ne­te.

“Meu com­pro­mis­so com Bol­so­na­ro foi até o dia 28 [de ou­tu­bro, da­ta do se­gun­do tur­no], às 19h30. Tí­nha­mos um pro­je­to de ti­rar o Bra­sil de um viés ide­o­ló­gi­co e nos­so com­pro­mis­so aca­bou dia 28. Bol­so­na­ro não tem ne­nhum com­pro­mis­so co­mi­go”, afir­mou o se­na­dor.

Ape­sar de não ter con­se­gui­do se re­e­le­ger, Mal­ta não se diz ar­re­pen­di­do da aten­ção que dis­pen­sou à cam­pa­nha pre­si­den­ci­al.

“De jei­to ne­nhum”, dis­se ele­van­do o tom da voz. “Con­ti­nuo lu­tan­do por ele, de­fen­den­do ele. Acre­di­to ne­le, acre­di­to no ca­rá­ter de­le. É o ho­mem pa­ra o Bra­sil. Não me ar­re­pen­do de na­da. Fa­ria tu­do de no­vo. Não sou ho­mem de frus­tra­ção. Sou ho­mem de lu­ta e lu­to por aqui­lo que acre­di­to”, afir­mou, com­ple­tan­do que “Deus le­van­tou Bol­so­na­ro. E pron­to”.

Ques­ti­o­na­do so­bre as de­cla­ra­ções do pre­si­den­te elei­to, Mal­ta re­a­giu ir­ri­ta­do: “Aí vo­cê tem que per­gun­tar pa­ra ele”.

O tra­ta­men­to dis­pen­sa­do a Mal­ta foi vis­to com re­vol­ta por in­te­gran­tes da ban­ca­da evan­gé­li­ca, gru­po que, até o mo­men­to, não con­se­guiu em­pla­car no­mes em ne­nhum mi­nis­té­rio.

Mes­mo as­sim, o se­na­dor diz não ver ne­ces­si­da­de de que Bol­so­na­ro se ex­pli­que aos seus apoi­a­do­res. “As coi­sas não de­pen­dem de mim, de­pen­dem de Deus. Não acho que ele de­ve ex­pli­car na­da.”

“Ha­ven­do qual­quer com­pro­va­ção ob­vi­a­men­te ou uma de­nún­cia ro­bus­ta con­tra quem quer que se­ja do meu go­ver­no que es­te­ja ao al­can­ce da mi­nha ca­ne­ta Bic, ela se­rá usada Jair Bol­so­na­ro pre­si­den­te elei­to

Jair Bol­so­na­ro ao la­do do co­le­ga de Exér­ci­to Cel­so Luiz, que foi sal­vo de um afo­ga­men­to em 1978 pe­lo ho­je pre­si­den­te elei­to; pe­lo ato, o ca­pi­tão re­for­ma­do re­ce­beu em Bra­sí­lia a Me­da­lha do Pa­ci­fi­ca­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.