Após 21 anos, es­cul­tu­ra ‘Ara­nha’, de Bour­ge­ois, dei­xa o MAM, em SP, pa­ra cir­cu­lar pe­lo Bra­sil

Ex­pos­ta por 21 anos na mar­qui­se do MAM, ‘Ara­nha’, de Loui­se Bour­ge­ois, dei­xa SP pa­ra cir­cu­lar pe­lo país, sem da­ta pa­ra vol­tar

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Ma­ria Luí­sa Bar­sa­nel­li

Os três me­tros de al­tu­ra e os mais de 200 qui­los de “Ara­nha”, es­cul­tu­ra de bron­ze de Loui­se Bour­ge­ois, di­vi­dem-se em dez par­tes. Ca­da uma das pe­ças é aco­mo­da­da nu­ma cai­xa, fei­ta sob me­di­da pa­ra as fra­ções do cor­po arac­ní­deo —as oi­to per­nas lon­gi­lí­ne­as e o cen­tro.

As cai­xas dei­xa­rão São Pau­lo na pró­xi­ma se­ma­na, iní­cio de um pro­je­to de iti­ne­rân­cia da obra, que por 21 anos fi­cou ex­pos­ta nu­ma re­do­ma de vi­dro na mar­qui­se do Mu­seu de Ar­te Mo­der­na pau­lis­ta­no.

A vi­a­gem da “Ara­nha” co­me­ça no pró­xi­mo dia 15 em Inho­tim, on­de fi­ca até 14 de abril nu­ma ga­le­ria lo­go na en­tra­da do ins­ti­tu­to mi­nei­ro. Em maio, ela se­gue pa­ra a fun­da­ção Ibe­rê Ca­mar­go, em Porto Alegre, e em agos­to pa­ra Curitiba, no mu­seu Os­car Ni­e­meyer. Há ne­go­ci­a­ções pa­ra que pas­se por ou­tras ci­da­des, co­mo o Rio, ain­da em 2019.

A ideia, diz o Itaú Cul­tu­ral, do­no da obra, é que a es­cul­tu­ra con­ti­nue a per­cor­rer o Bra­sil, mas não se sa­be até qu­an­do.

“Ara­nha” foi ad­qui­ri­da pe­lo ins­ti­tu­to por US$ 450 mil, em 1997, lo­go após a 23ª Bi­e­nal de São Pau­lo, que de­di­ca­va uma sa­la a Bour­ge­ois. Na sequên­cia, foi le­va­da ao MAM em con­tra­to de co­mo­da­to com o mu­seu, mas ago­ra o acor­do se en­cer­rou, ex­pli­ca Edu­ar­do Sa­ron, di­re­tor do Itaú Cul­tu­ral.

“Que­re­mos que a es­cul­tu­ra cir­cu­le por um bom tem­po, is­so faz par­te do pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção do ins­ti­tu­to. Não es­tá nos nos­sos pla­nos, mas não quer di­zer que ela não vá vol­tar [pa­ra o MAM].”

É a pri­mei­ra vez que a obra se­rá ex­pos­ta fo­ra de São Pau- lo, mas “Ara­nha” já pre­ci­sou dei­xar a ci­da­de an­tes. No ano pas­sa­do, qu­an­do in­te­gra­ria uma mos­tra na Oca, vi­zi­nha ao MAM, per­ce­beu-se du­ran­te a des­mon­ta­gem que sua es­tru­tu­ra po­de­ria ce­der.

“Co­mo foi uma das pri­mei­ras es­cul­tu­ras de ara­nhas de Bour­ge­ois [foi cri­a­da em 1996], ela era oca”, diz Sa­ron. O tra­ba­lho foi le­va­do à fun­da­ção que cui­da da obra da ar­tis­ta, em No­va York, on­de fi­cou por seis me­ses pa­ra re­es­tru­tu­ra­ção e re­ce­beu um pre­en­chi­men­to —o re­for­ço foi pen­sa­do tam­bém pa­ra que “Ara­nha” pu­des­se cir­cu­lar pe­lo Bra­sil.

Os arac­ní­de­os sur­gi­ram ce­do na obra da ar­tis­ta, mor­ta aos 98, em 2010. O que de iní­cio eram de­se­nhos e gra­vu­ras ga­nha­ram pro­por­ções gi­gan­tes­cas a par­tir de 1994, qu­an­do cri­ou a ins­ta­la­ção “O Ni­nho”, em que cin­co es­cul­tu­ras em aço se so­bre­pu­nham.

Se­gun­do o crí­ti­co Pau­lo Her­ke­nhoff, os ani­mais são uma ode à mãe da ar­tis­ta, ao fe­mi­ni­no e tam­bém ao pas­sa­do da fran­ce­sa, que cres­ceu num ate­liê de res­tau­ro de ta­pe­ça­ri­as. “As ara­nhas pa­ra Loui­se Bour­ge­ois são uma crí­ti­ca à do­mi­na­ção mas­cu­li­na na mo­der­ni­da­de, pois elas te­cem e re­pa­ram a teia di­a­ri­a­men­te.”

A es­cul­tu­ra ‘Ara­nha’, de Loui­se Bour­ge­ois, e ba­ra­tas da obra‘A Voz do Ra­lo É a Voz de Deus’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.