Te­mer co­lo­ca Ro­rai­ma sob in­ter­ven­ção fe­de­ral to­tal

An­to­nio De­na­rium (PSL), go­ver­na­dor elei­to, acei­tou con­vi­te do pre­si­den­te pa­ra o car­go de in­ter­ven­tor

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Gustavo Uri­be Ave­ner Pra­do 14.ago.18/Folhapress

Pa­ra­li­sa­ção de ser­vi­do­res da se­gu­ran­ça pú­bli­ca em Ro­rai­ma fez o go­ver­no fe­de­ral de­cre­tar in­ter­ven­ção in­te­gral no es­ta­do até o fim do ano. A si­tu­a­ção se agra­vou on­tem, qu­an­do a Jus­ti­ça Fe­de­ral de­ter­mi­nou o con­ge­la­men­to dos sa­lá­ri­os dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos.

É in­ten­ção do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer no­me­ar co­mo in­ter­ven­tor o go­ver­na­dor elei­to, An­to­nio De­na­rium (PSL).

O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer anun­ci­ou nes­ta sex­ta­fei­ra (7) uma in­ter­ven­ção fe­de­ral in­te­gral no Go­ver­no de Ro­rai­ma pa­ra ten­tar con­ter a cri­se no es­ta­do, que en­fren­ta pa­ra­li­sa­ção de ser­vi­do­res da se­gu­ran­ça pú­bli­ca, des­con­tro­le nas fi­nan­ças e em pre­sí­di­os e ten­são com a pre­sen­ça de imi­gran­tes ve­ne­zu­e­la­nos.

A de­ci­são, com va­li­da­de até 31 de de­zem­bro e que tam­bém pre­ci­sa­rá pas­sar pe­lo Poder Le­gis­la­ti­vo, foi in­for­ma­da após reu­nião pro­mo­vi­da pe­la cú­pu­la do go­ver­no fe­de­ral, em Brasília, com a par­ti­ci­pa­ção da go­ver­na­do­ra Su­ely Cam­pos (PP) pe­lo te­le­fo­ne.

Te­mer con­vi­dou pa­ra o car­go de in­ter­ven­tor fe­de­ral An­to­nio De­na­rium (PSL), go­ver­na­dor elei­to e que as­su­mi­ria só em 2019. Na fun­ção, ele atu­a­rá com prer­ro­ga­ti­vas de che­fe do Poder Exe­cu­ti­vo.

De­na­rium afir­mou, em no­ta, que já acei­tou o con­vi­te e con­vo­cou sua equi­pe pa­ra le­var a Te­mer in­for­ma­ções so­li­ci­ta­das, co­mo um pla­no de re­cu­pe­ra­ção fis­cal.

A cri­se em Ro­rai­ma se agra­vou nos úl­ti­mos di­as, com po­li­ci­ais, bom­bei­ros e agen­tes pe­ni­ten­ciá­ri­os ten­do sus­pen­di­do par­te das ati­vi­da­des.

Nes­ta sex­ta, mais um quar­tel mi­li­tar foi fe­cha­do por mu­lhe­res de po­li­ci­ais, que fa­zem um ato pa­ra rei­vin­di­car sa­lá­ri­os atra­sa­dos. Se­gun­do a im- pren­sa lo­cal, se­te ci­da­des re­gis­tra­ram ações si­mi­la­res, que re­sul­ta­ram no fe­cha­men­to de no­ve ba­ta­lhões da PM.

O ce­ná­rio se agra­vou após a 4ª Va­ra da Jus­ti­ça Fe­de­ral ter de­ter­mi­na­do con­ge­la­men­to dos sa­lá­ri­os dos ser­vi­do­res.

De­na­rium tam­bém ci­ta co­mo um dos mo­ti­vos pa­ra a in­ter­ven­ção uma cri­se na edu­ca­ção —se­gun­do ele, hou­ve per­da do ano le­ti­vo cau­sa­da por gre­ves de ser­vi­do­res de trans­por­te es­co­lar e de­sa­bas­te­ci­men­to de me­ren­da.

“Eu fa­lei com a se­nho­ra go­ver­na­do­ra e dis­se que a úni­ca hi­pó­te­se pa­ra so­lu­ci­o­nar a ques­tão, es­pe­ci­al­men­te aque­la de na­tu­re­za sa­la­ri­al, se­ria de­cre­tar a in­ter­ven­ção até a pos­se do no­vo go­ver­na­dor”, dis­se Te­mer, após a de­ci­são.

O pre­si­den­te in­for­mou que con­vo­ca­rá nes­te sá­ba­do (8) o Con­se­lho da De­fe­sa Na­ci­o­nal e o da Re­pú­bli­ca pa­ra de­li­be­rar a res­pei­to da in­ter­ven­ção, já que ela pre­ci­sa ser apro­va­da pe­los dois ór­gãos fe­de­rais — além do pró­prio Le­gis­la­ti­vo.

Se­gun­do Te­mer, na con­ver­sa, a go­ver­na­do­ra re­co­nhe­ceu que a si­tu­a­ção es­ta­va “re­al­men­te se com­pli­can­do”.

Com a in­ter­ven­ção, Su­ely Cam­pos per­de os po­de­res ad­mi­nis­tra­ti­vos, mas man­tém, de acor­do com in­te­gran­tes do

Pri­si­o­nal Há qua­se um mês, os sis­te­mas pri­si­o­nal e so­ci­o­e­du­ca­ti­vo de Ro­rai­ma es­tão sob in­ter­ven­ção fe­de­ral, su­ge­ri­da pe­la pro­cu­ra­do­ra-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, se­gun­do a qual o es­ta­do perdeu a ca­pa­ci­da­de de man­ter a or­dem pú­bli­ca. Em ja­nei­ro de 2017, 31 de­ten­tos fo­ram mor­tos no mai­or pre­sí­dio do es­ta­do, em Boa Vis­ta go­ver­no, di­rei­tos ine­ren­tes ao car­go, co­mo re­mu­ne­ra­ção, be­ne­fí­ci­os e fo­ro es­pe­ci­al.

No mês pas­sa­do, o go­ver­no fe­de­ral já ha­via de­cre­ta­do uma in­ter­ven­ção par­ci­al em Ro­rai­ma —ape­nas nos sis­te­mas pri­si­o­nal e so­ci­o­e­du­ca­ti­vo.

Des­de o iní­cio do ano, Ro­rai­ma en­fren­ta con­fli­tos com a en­tra­da de ve­ne­zu­e­la­nos pe­la fron­tei­ra, fu­gin­do do re­gi­me do di­ta­dor Ni­co­lás Ma­du­ro.

Pal­co de con­fron­tos en­tre bra­si­lei­ros e ve­ne­zu­e­la­nos, o es­ta­do já ha­via re­ce­bi­do efe­ti­vos da For­ça Na­ci­o­nal.

Su­ely che­gou a edi­tar um de­cre­to que res­trin­gia ser­vi­ços pú­bli­cos a ve­ne­zu­e­la­nos e pe­dir à Jus­ti­ça o fe­cha­men­to tem­po­rá­rio da fron­tei­ra. As du­as me­di­das ti­ve­ram de­ci­sões con­trá­ri­as do STF (Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral).

Ali­a­do do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro (PSL), o go­ver­na­dor elei­to An­to­nio De­na­rium vi­nha de­fen­den­do o fe­cha­men­to de fron­tei­ras e um programa de re­tor­no dos imi­gran­tes ao país vi­zi­nho.

A declaração, no en­tan­to, foi con­tes­ta­da por Bol­so­na­ro. “O po­vo ve­ne­zu­e­la­no não é mer­ca­do­ria, não é pro­du­to, pa­ra ser de­vol­vi­do”, afir­mou.

Em ja­nei­ro de 2017, o es­ta­do foi pal­co de uma me­ga­cha­ci­na de pre­sos, qu­an­do 31 fo­ram as­sas­si­na­dos no mai­or pre­sí­dio de Ro­rai­ma, em Boa Vis­ta.

Na épo­ca, o en­tão se­cre­tá­rio es­ta­du­al de Jus­ti­ça, Uzi­el Cas­tro, dis­se que a ma­tan­ça foi uma re­ta­li­a­ção do PCC con­tra mor­tes de mem­bros da fac­ção em Ma­naus —qu­a­tro di­as an­tes, 60 pre­sos fo­ram as­sas­si­na­dos em du­as pe­ni­ten­ciá­ri­as.

Na se­ma­na pas­sa­da, o em­pre­sá­rio Gui­lher­me Cam­pos, fi­lho da go­ver­na­do­ra, foi pre­so na ope­ra­ção Es­cu­ri­dão, da Po­lí­cia Fe­de­ral, que sus­pei­ta que ele es­te­ja en­vol­vi­do em des­vi­os de re­cur­sos do sis­te­ma pe­ni­ten­ciá­rio de Ro­rai­ma.

Re­pro­du­ção/TV Glo­bo

Pro­tes­to de agen­tes pe­ni­ten­ciá­ri­os em fren­te à Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Jus­ti­ça e Ci­da­da­nia em Boa Vis­ta, de­man­dan­do o pa­ga­men­to de sa­lá­ri­os atra­sa­dos

An­to­nio De­na­rium (PSL), go­ver­na­dor elei­to de RR, que de­ve as­su­mir co­mo in­ter­ven­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.