Ten­ta­ti­va de as­sal­to no Ce­a­rá dei­xa 14 mor­tos

Ban­do rou­bou ca­mi­nhão e en­trou em con­fron­to com po­lí­cia; epi­só­di­os an­te­ri­o­res dei­xa­ram 27 mor­tos

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Mar­cel Riz­zo e João Va­la­da­res Nor­man­do So­ra­cles /Agência Mi­se­ria/AFP

Ten­ta­ti­va de as­sal­to a ban­cos em Mi­la­gres (CE) dei­xou ao me­nos 14 mor­tos —6 reféns e 8 as­sal­tan­tes. Se­gun­do a po­lí­cia, hou­ve ti­ro­teio após a abor­da­gem de cerca de 30 ho­mens ar­ma­dos. Três fo­ram pre­sos.

Nos úl­ti­mos três me­ses, ou­tros 27 sus­pei­tos fo­ram mor­tos du­ran­te con­fron­to com a po­lí­cia em as­sal­tos no Ma­ra­nhão, no Rio Gran­de do Sul, em Ala­go­as e em Ser­gi­pe.

Uma ten­ta­ti­va de as­sal­to a du­as agên­ci­as ban­cá­ri­as no mu­ni­cí­pio de Mi­la­gres (CE), a 480 km de For­ta­le­za, dei­xou nes­ta sex­ta (7) ao me­nos 14 mor­tos —6 reféns e 8 sus­pei­tos— após con­fron­tos de as­sal­tan­tes com a po­lí­cia.

O ti­ro­teio se es­ten­deu por mais de 20 mi­nu­tos, por vol­ta das 2h, qu­an­do cerca de 30 ho­mens ar­ma­dos fo­ram abor­da­dos por po­li­ci­ais ao se apro­xi­ma­rem de agên­ci­as do Ban­co do Brasil e do Bra­des­co.

O gru­po ha­via rou­ba­do um ca­mi­nhão —que foi dei­xa­do atra­ves­sa­do na BR-116—, abor­da­do carros no ca­mi­nho e le­va­do pas­sa­gei­ros co­mo reféns.

O pre­fei­to de Mi­la­gres, Li­el­son Lan­dim (PDT), dis­se que, em meio à tro­ca de ti­ros com a po­lí­cia, os reféns fo­ram mor­tos pe­los pró­pri­os as­sal­tan­tes. As cir­cuns­tân­ci­as, no en­tan­to, ain­da não es­tão cla­ras.

Se­gun­do a po­lí­cia, cin­co sus­pei­tos mor­re­ram no ti­ro­teio qu­an­do ten­ta­vam aces­sar as agên­ci­as, dois fo­ram ba­le­a­dos e mor­re­ram no hos­pi­tal e um oi­ta­vo mor­reu após fu­gir, du­ran­te con­fron­to, a 24 km.

Nos úl­ti­mos três me­ses, epi­só­di­os se­me­lhan­tes dei­xa­ram um sal­do de ao me­nos 27 sus­pei­tos mor­tos em con­fron­to com a po­lí­cia após as­sal­tos a ban­cos no Ma­ra­nhão, Ala­go­as, Ser­gi­pe e Rio Gran­de do Sul.

Dos seis reféns mor­tos no ata­que em Mi­la­gres, cin­co eram da mes­ma fa­mí­lia.

O em­pre­sá­rio João Ba­tis­ta Ma­ga­lhães, 49, ha­via dei­xa­do Ser­ra Ta­lha­da, on­de vi­ve, em Per­nam­bu­co, na noi­te de quin­ta (6), acom­pa­nha­do do fi­lho de 14 anos pa­ra bus­car fa­mi­li­a­res no ae­ro­por­to de Ju­a­zei­ro de Nor­te, já no Ce­a­rá. Eles che­ga­vam de São Pau­lo.

No re­tor­no, fo­ram abor­da­dos pe­los ban­di­dos em um aces­so à BR-116, em Mi­la­gres, e vi­ra­ram reféns. Es­ta­vam no car­ro, além de Ma­ga­lhães e seu fi­lho, sua cu­nha­da, seu con­cu­nha­do e o fi­lho do ca­sal, de 13 anos. To­dos mor­re­ram.

O fa­mi­li­ar de uma das ví­ti­mas dis­se que ou­tros reféns con­se­gui­ram so­bre­vi­ver ao ata­que. Um de­les te­ria se fin­gi­do de mor­to no ti­ro­teio.

“Ele foi se­ques­tra­do jun­to com a sex­ta ví­ti­ma, uma mu­lher. Fo­ram dois carros se­ques­tra­dos, o da mi­nha fa­mí­lia e o des­sas ou­tras pes­so­as. Es­se ho­mem se fin­giu de mor­to, mas a mu­lher mor­reu”, afir­mou à Fo­lha João Da­ni­el Ne­to, pri­mo de Ma­ga­lhães.

O pai do so­bre­vi­ven­te e da mu­lher que mor­reu tam­bém es­ta­va em um dos carros, mas aca­bou li­be­ra­do pe­los ban­di­dos por­que passou mal.

O ti­tu­lar da Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça do Ce­a­rá, An­dré Cos­ta, diz que a ação po­li­ci­al se­rá apu­ra­da, mas que não po­de fa­zer jul­ga­men­to an­te­ci­pa­do.

“Hou­ve uma tro­ca de ti­ros. A in­for­ma­ção pre­li­mi­nar que re­ce­be­mos é que um dos cri­mi­no­sos pre­sos aca­bou di­zen­do que ma­tou pes­so­as que es­ta­vam no lo­cal e não eram da qua­dri­lha. Mas to­da in­for­ma­ção é in­su­fi­ci­en­te”, dis­se Cos­ta.

Se­gun­do ele, fo­ram pre­sos três sus­pei­tos —dois de ma­nhã e um ter­cei­ro à tar­de.

O go­ver­no Camilo San­ta­na (PT) dis­se que a ação te­ve a par­ti­ci­pa­ção de po­lí­ci­as de Ser­gi­pe, Ala­go­as, Bahia e Ce­a­rá —ini­ci­al­men­te, ha­via ci­ta­do tam­bém Per­nam­bu­co.

O ser­vi­ço de in­te­li­gên­cia in­te­gra­do iden­ti­fi­cou que ha­ve­ria um as­sal­to a ban­co no sul do Ce­a­rá. “O fa­to é que es­ta­vam pre­pa­ra­dos pa­ra as­sal­tar dois ban­cos e não con­se­gui­ram as­sal­tar”, dis­se San­ta­na.

O go­ver­na­dor dis­se ser “es­tra­nho um re­fém de ma­dru­ga­da no ban­co”, mas que iria “aguar­dar es­sa in­ves­ti­ga­ção”.

Fo­ram apre­en­di­dos ex­plo­si­vos, uma pis­to­la 9 mm, um re­vól­ver ca­li­bre 38, uma ar­ma ca­li­bre 12 e três veí­cu­los.

A Pre­fei­tu­ra de Mi­la­gres fe­chou ór­gãos pú­bli­cos e sus­pen­deu as au­las nes­ta sex­ta.

Ata­ques a ban­cos se tor­na­ram ro­ti­na em ci­da­des do in­te­ri­or do Nor­des­te, com re­la­tos de con­fron­tos en­tre po­li­ci­ais e as­sal­tan­tes e mor­tes.

No Ce­a­rá, se­gun­do o Sindicato dos Ban­cá­ri­os, fo­ram 49 ata­ques a ban­cos em 2018, já con­ta­bi­li­za­do os des­ta

sex­ta: o de Mi­la­gres e um ou­tro em Ita­ti­ra, no ser­tão cen­tral, sem mor­tos ou fe­ri­dos.

Na Bahia, co­mo mos­trou a Fo­lha em ju­lho, há ci­da­des fi­can­do sem di­nhei­ro por cau­sa do ata­que a ban­cos, em ações cha­ma­das de “no­vo can­ga­ço”.

“Exis­te uma cer­ta sequên­cia des­ses ti­pos de de­li­tos, as­sal­tos a ban­cos, sem­pre co­me­ti­dos com as mes­mas es­tra­té­gi­as”, dis­se o so­ció­lo­go Cé­sar Bar­rei­ra, co­or­de­na­dor do La­bo­ra­tó­rio de Es­tu­dos da Vi­o­lên­cia da UFC (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Ce­a­rá).

A se­gu­ran­ça pú­bli­ca foi te­ma im­por­tan­te da elei­ção des­te ano. O pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro (PSL), de­fen­de for­ça po­li­ci­al nas ações e mu­dan­ças na le­gis­la­ção pa­ra que po­li­ci­ais não te­nham pro­ble­mas na Jus­ti­ça se ocor­re­rem mor­tes em con­fron­tos. Nes­ta se­ma­na, Bol­so­na­ro elo­gi­ou o tra­ba­lho de po­li­ci­ais que ma­ta­ram um as­sal­tan­te que fa­zia uma ido­sa de re­fém em Va­len­ça, no in­te­ri­or do Rio.

“Es­ses discursos dei­xam os po­li­ci­ais mui­to mais à von­ta­de. Dá uma cer­ta le­gi­ti­mi­da­de a es­sas ações, e elas não po­dem ser le­gi­ti­ma­das. Ela [mor­te em con­fron­tos] tem que ser ave­ri­gua­da, com im­par­ci­a­li­da­de”, dis­se Bar­rei­ra.

No ano pas­sa­do, dis­pa­rou a quan­ti­da­de de mor­tos pe­la po­lí­cia. A mé­dia foi de 14 mor­tos por dia, avan­ço de 20% em re­la­ção a 2017. O nú­me­ro de po­li­ci­ais mor­tos re­cu­ou 5% —fo­ram 367 no ano pas­sa­do.

Agen­tes le­vam cor­pos pa­ra pe­rí­cia após ten­ta­ti­va de as­sal­to a ban­co em Mi­la­gres (CE), que dei­xou 12 mor­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.