Li­vra­ri­as me­no­res abrem no­vas lo­jas e pre­ve­em cres­cer

Com ex­ces­so de es­to­ques e que­da nas ven­das em lo­jas fí­si­cas, dí­vi­da vi­rou bo­la de ne­ve pa­ra li­vrei­ros

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Jo­a­na Cu­nha e Ro­ge­rio Gen­ti­le Colaborou Bru­no Mo­li­ne­ro

Em tra­je­tó­ria di­fe­ren­te da que le­vou à cri­se as re­des Cul­tu­ra e Sa­rai­va, li­vra­ri­as me­no­res di­zem es­tar com as con­tas sob con­tro­le. Há pla­nos pa­ra inau­gu­ra­ções e pre­vi­são de ex­pan­são em 2019. Des­de ja­nei­ro, as ven­das de li­vros cres­ce­ram 9,33% em va­lor.

Além do pe­so das dí­vi­das que dei­xa­ram com edi­to­res ao pe­dir re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al nos úl­ti­mos me­ses, as gran­des re­des va­re­jis­tas Sa­rai­va e Cul­tu­ra ain­da man­têm em seus es­to­ques mi­lha­res de li­vros ce­di­dos em con­sig­na­ção.

Es­se é o sis­te­ma pe­lo qual o edi­tor dis­po­ni­bi­li­za su­as obras às li­vra­ri­as, mas só re­ce­be o pa­ga­men­to de­pois da ven­da ao con­su­mi­dor fi­nal. O que não é ven­di­do po­de ser de­vol­vi­do ao fa­bri­can­te.

O mo­de­lo de con­sig­na­ção é uma es­pe­ci­fi­ci­da­de do va­re­jo de li­vros e re­vis­tas que não é pra­ti­ca­do em ou­tros se­to­res, co­mo ves­tuá­rio, ali­men­tos, far­ma­cêu­ti­cos ou ou­tros bens de con­su­mo, se­gun­do Edu­ar­do Ter­ra, pre­si­den­te da SBVC (So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Va­re­jo e Con­su­mo).

Sem ter de com­prar seu pró­prio es­to­que, as va­re­jis­tas de li­vros não pre­ci­sam em­pa­tar ca­pi­tal de gi­ro, uma con­di­ção fa­vo­rá­vel que se so­ma a ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas do seg­men­to, co­mo bons pra­zos pa­ra pa­gar aos for­ne­ce­do­res, de acor­do com Ter­ra.

Es­ses fa­to­res per­mi­ti­ram a pre­ser­va­ção da saú­de dos ne­gó­ci­os e um pe­río­do de ex­pan­são das du­as lí­de­res de mer­ca­do, que du­rou mais de uma dé­ca­da.

No pe­río­do, Cul­tu­ra e Sa­rai­va ob­ti­ve­ram fi­nan­ci­a­men­to do BNDES (Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e Social) pa­ra a aber­tu­ra de no­vas lo­jas em shop­pings e em ou­tros es­ta­dos, além de São Pau­lo.

O ce­ná­rio mu­dou qu­an­do a Ama­zon in­gres­sou na ven­da de li­vros fí­si­cos no Brasil, em 2014, com mus­cu­la­tu­ra fi­nan­cei­ra pa­ra não pre­ci­sar fa­zer con­sig­na­ção com edi­to­res.

A no­va con­cor­ren­te ins­ta­lou uma gu­er­ra de pre­ços en­tre li­vra­ri­as fí­si­cas e o co­mér­cio on­li­ne.

“A Ama­zon não con­sig­na­va. Ela com­pra­va e ain­da pa­ga­va mais pa­ra os edi­to­res. E de­pois ven­dia ba­ra­to ao con­su­mi­dor fi­nal. Sa­rai­va e Cul­tu­ra fo­ram, en­tão, ata­ca­das em um mo­men­to em que hou­ve um ou­tro com­pli­ca­dor: a cri­se econô­mi­ca”, diz Ter­ra.

O Eb­ti­da (lu­cro an­tes de ju­ros, im­pos­tos, amor­ti­za­ções e de­pre­ci­a­ções) da Li­vra­ria Cul­tu­ra caiu de R$ 21 mi­lhões em 2013 pa­ra um pre­juí­zo de R$ 77 mi­lhões em 2017.

Os pri­mei­ros si­nais de fra­gi­li­da­de das va­re­jis­tas bra­si­lei­ras co­me­ça­ram em 2016, com o atra­so de pa­ga­men­tos e ten­ta­ti­vas de re­ne­go­ci­a­ção. A des­pei­to dis­so, mui­tas edi­to­ras man­ti­ve­ram o sis­te­ma de con­sig­na­ção com as du­as.

“Ao acre­di­tar que a Sa­rai­va se­ria ca­paz de se re­cu­pe­rar, nós au­men­ta­mos nos­sa ex­po­si­ção na em­pre­sa e es­ta­mos ho­je ten­do de as­su­mir um pre­juí­zo 80% mai­or do que se ti­vés­se­mos to­ma­do a de­ci­são, em abril, de pas­sar a fa­zer só for­ne­ci­men­to à vis­ta”, dis­se Mar­cos da Vei­ga Pe­rei­ra, só­cio da Sex­tan­te, uma das mai­o­res do se­tor.

Em ju­lho de 2017, a Cul­tu­ra as­su­miu as lo­jas da Fnac no Brasil, qu­an­do a fran­ce­sa de­ci­diu dei­xar sua sub­si­diá­ria no país após su­ces­si­vas per­das.

Pa­ra is­so, a Cul­tu­ra re­ce­beu cerca de R$ 130 mi­lhões da mul­ti­na­ci­o­nal fran­ce­sa, uma ope­ra­ção que ge­rou es­pe­ran­ças no mer­ca­do, mas se mos­trou mal­su­ce­di­da. Um ano de­pois, to­das as lo­jas da Fnac fo­ram fe­cha­das.

O es­pa­ço pa­ra re­a­gir ao im­pac­to de ta­ma­nho en­di­vi­da­men­to de Cul­tu­ra e Sa­rai­va é mai­or en­tre as edi­to­ras de gran­de por­te, que têm mais aces­so a cré­di­to, e po­dem se re­a­de­quar re­du­zin­do o vo­lu­me de lan­ça­men­tos.

Foi o que fez o gru­po Com­pa­nhia das Le­tras, que passou de 350 tí­tu­los anu­ais pa­ra 300 e de­ve cor­tar mais 15% ou 20% dos li­vros pro­gra­ma­dos no pró­xi­mo ano, se­gun­do afir­mou o pre­si­den­te do gru­po, Luiz Schwarcz, em en­tre­vis­ta à Fo­lha na se­gun­da­fei­ra (3).

A Gen­te Li­vra­ria e Edi­to­ra dis­se à Jus­ti­ça ter 135.553 exem­pla­res de obras con­sig­na­das com a Sa­rai­va, o que, em va­lo­res de mer­ca­do, sig­ni­fi­ca­ria R$ 2 mi­lhões.

Con­si­de­ran­do ain­da os li­vros já ven­di­dos e não pa­gos, a dí­vi­da da Sa­rai­va com a edi­to­ra se­ria de cerca de R$ 3,6 mi­lhões. Apro­xi­ma­da­men­te 40% do seu fa­tu­ra­men­to, de acor­do com in­for­ma­ções que pres­tou à Jus­ti­ça, es­ta­va con­cen­tra­do na mão da li­vra­ria.

Ou­tra em­pre­sa mui­to pre­o­cu­pa­da com a si­tu­a­ção é a Ci­ran­da Cul­tu­ral, es­pe­ci­a­li­za­da em li­vros in­fan­to­ju­ve­nis.

À Jus­ti­ça de­cla­rou que a Sa­rai­va lhe de­ve cerca de R$ 1,5 mi­lhão e ain­da re­tém, em con­sig­na­ção, cerca de R$ 2,3 mi­lhões em mer­ca­do­ri­as.

“A per­da de tal va­lor po­de in­ci­dir em pre­juí­zo que in­vi­a­bi­li­ze a con­ti­nui­da­de de sua ati­vi­da­de”, dis­se no pro­ces­so, acres­cen­tan­do que já amar­ga pre­juí­zos da or­dem de mais de R$ 730 mil com a re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al da Cul­tu­ra.

O rom­bo tra­zi­do pe­las re­cu­pe­ra­ções ju­di­ci­ais das du­as li­vra­ri­as tam­bém atin­giu dis­tri­bui­do­res, que ago­ra pre­ci­sam se en­ten­der com as edi­to­ras pa­ra com­par­ti­lhar os pre­juí­zos.

Ro­ber­to No­va­es, diretor da Ca­ta­ven­to Dis­tri­bui­do­ra, cre­dor da Sa­rai­va em mais de R$ 2,6 mi­lhões, diz que “se­gu­rar o ba­que sem o apoio das edi­to­ras se­ria sui­cí­dio”. Ele cal­cu­la que os ne­gó­ci­os com Cul­tu­ra e Sa­rai­va cor­res­pon­dam a 25% de seu fa­tu­ra­men­to.

“Te­mos de ne­go­ci­ar com as edi­to­ras por­que sem­pre so­mos co­bra­dos pa­ra co­lo­car os li­vros de­las nas gran­des re­des. Se re­ce­ber­mos [da li­vra­ria] uma pro­pos­ta de pa­ga­men­to em dez anos com de­sá­gio, es­sa vai ter de ser a pro­pos­ta que te­re­mos que pas­sar pa­ra o edi­tor”, diz No­va­es.

Li­vra­ri­as cul­pam cri­se econô­mi­ca pe­la re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al

No pe­di­do de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al fei­to em ou­tu­bro, a Li­vra­ria Cul­tu­ra diz “ser ví­ti­ma, as­sim co­mo tan­tos ou­tros gru­pos de em­pre­sas res­pon­sá­veis e bem ad­mi­nis­tra­das, da pro­fun­da cri­se econô­mi­ca que as­so­la o país des­de 2014”.

Afir­mou tam­bém que a ab­sor­ção da ope­ra­ção bra­si­lei­ra da Fnac, em 2017, “pre­ju­di­cou ain­da mais o qua­dro de cai­xa de­fi­ci­tá­rio que já vi­nha se de­sen­vol­ven­do nos úl­ti­mos anos”.

À épo­ca do acor­do com a Fnac, a Cul­tu­ra já es­ta­va atra­san­do pa­ga­men­to a edi­to­res e re­ne­go­ci­an­do va­lo­res. Pro­cu­ra­da pe­la re­por­ta­gem, a va­re­jis­ta pre­fe­riu não se ma­ni­fes­tar.

A Sa­rai­va tam­bém res­pon­sa­bi­li­za a cri­se e o de­cor­ren­te de­clí­nio no vo­lu­me das ven­das pe­la sua si­tu­a­ção.

Além dis­so, a com­pa­nhia afir­ma em seu pe­di­do de re- cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al que a Co­pa do Mun­do, a pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros e a ten­dên­cia mun­di­al de que­da do mer­ca­do de li­vra­ri­as fí­si­cas tam­bém im­pac­ta­ram o fa­tu­ra­men­to.

“Fa­tos que aca­ba­ram por le­var a Sa­rai­va à in­ca­pa­ci­da­de de hon­rar com as su­as obri­ga­ções no tem­po e mo­do acor­da­dos”, diz na pe­ti­ção à Jus­ti­ça.

A des­pei­to dis­so, a em­pre­sa dis­se à Jus­ti­ça con­si­de­rar que, com o pla­no de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al, “tem to­tais con­di­ções de man­ter sua ati­vi­da­de e de se re­er­guer”.

Pro­cu­ra­da, a em­pre­sa diz que, nes­te ano, propôs aos for­ne­ce­do­res a ne­go­ci­a­ção de seu pas­si­vo, mas não ob­te­ve su­ces­so, e tem to­ma­do me­di­das pa­ra re­a­de­quar o ne­gó­cio à “no­va re­a­li­da­de de mer­ca­do, com que­das cons­tan­tes no pre­ço do li­vro e au­men­to da in­fla­ção”.

Com con­cor­ren­tes em cri­se, Ama­zon ofe­re­ce aju­da a edi­tor

Ti­da por mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas no se­tor co­mo a con­cor­ren­te que de­sen­ca­de­ou a cri­se das li­vra­ri­as fí­si­cas, a Ama­zon apre­sen­tou um pla­no pa­ra ame­ni­zar a pres­são so­bre as edi­to­ras.

Lo­go após as no­tí­ci­as de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al da Cul­tu­ra e da Sa­rai­va, que dei­xa­ram o mer­ca­do edi­to­ri­al fra­gi­li­za­do, a gi­gan­te do co­mér­cio ele­trô­ni­co en­vi­ou uma co­mu­ni­ca­do às edi­to­ras ofe­re­cen­do uma lis­ta de pon­tos pa­ra so­cor­rê-las.

Pe­diu que as edi­to­ras não can­ce­lem nem adi­em lan­ça­men­tos de li­vros sem dis­cu­tir an­tes com a Ama­zon por­que ela po­de vi­a­bi­li­zar os tí­tu­los no for­ma­to de li­vro ele­trô­ni­co.

Tam­bém ofe­re­ceu pa­ga­men­to an­te­ci­pa­do de re­ce­bí­veis com ta­xas mais bai­xas do que as pra­ti­ca­das pe­lo mer­ca­do. En­tre ou­tras al­ter­na­ti­vas, a Ama­zon se ofe­re­ceu pa­ra com­prar par­te do in­ven­tá­rio que te­nha si­do de­vol­vi­do pe­lo mer­ca­do.

Ma­rio Mei­rel­les, ge­ren­te-ge­ral pa­ra li­vros im­pres­sos da com­pa­nhia ame­ri­ca­na, dis­se que ne­nhum dos pon­tos lis­ta­dos é no­vi­da­de pa­ra a em­pre­sa.

Mas a sim­ples re­a­pre­sen­ta­ção ge­rou in­te­res­se em um mo­men­to de fra­gi­li­da­de.

“A nos­sa car­ta foi fei­ta pa­ra dei­xar cla­ro e re­lem­brar as edi­to­ras de que te­mos es­sas po­lí­ti­cas. Mui­tas edi­to­ras pe­que­nas nem sa­bi­am que te­mos es­sas po­lí­ti­cas”, dis­se o exe­cu­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.