Um xe­ri­fe no mi­nis­té­rio

Folha de S.Paulo - - Opinião - Hé­lio Schwartsman he­[email protected]

A de­ci­são de Ser­gio Mo­ro de tro­car a to­ga de juiz pe­la ca­ne­ta de mi­nis­tro não fez mui­to bem à sua ima­gem pes­so­al nem à do Ju­di­ciá­rio, mas es­ta­mos fa­lan­do mais de um ar­ra­nhão do que de uma fe­ri­da mortal. Sem pre­juí­zo de ou­tros ques­ti­o­na­men­tos, não pen­so que se pos­sa ar­gu­men­tar se­ri­a­men­te que Mo­ro con­de­nou Lu­la, em ju­lho de 2017, qu­an­do qua­se nin­guém con­si­de­ra­va a can­di­da­tu­ra Bol­so­na­ro viá­vel, com o ob­je­ti­vo de ob­ter um car­go no que vi­ria a ser seu go­ver­no.

E, ago­ra que o ex-ma­gis­tra­do es­tá na equi­pe de Bol­so­na­ro, creio que ele po­de agir co­mo uma for­ça mo­de­ra­do­ra so­bre o pre­si­den­te elei­to. Ain­da que Mo­ro pos­sa ser des­cri­to co­mo li­nha du­ra em ma­té­ria pe­nal, é bom que o nú­cleo do go­ver­no con­te com al­guém fa­mi­li­a­ri­za­do com con­cei­tos co­mo di­rei­tos e ga­ran­ti­as fun­da­men­tais, de­vi­do pro­ces­so le­gal, im­pes­so­a­li­da­de da ad­mi­nis­tra­ção.

Se da­va pa­ra de­fen­der que o can­di­da­to Bol­so­na­ro, de­ten­tor de um dis­cur­so in­to­le­ran­te e an­ti­de­mo­crá­ti­co, não de­ve­ria ser nor­ma­li­za­do, ago­ra que ele é pre­si­den­te elei­to pre­ci­sa não só ser nor­ma­li­za­do co­mo ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­do (per­doe-se o du­plo sen­ti­do). Mo­ro po­de aju­dar nis­so.

Em re­la­ção à pau­ta do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça pro­pri­a­men­te di­ta, o ex-juiz tam­bém po­de con­tri­buir. Ele tem a ex­per­ti­se e a von­ta­de pa­ra de­sen­vol­ver no­vos me­ca­nis­mos de com­ba­te à cor­rup­ção. O fa­to de o pas­si­vo do go­ver­no Bol­so­na­ro nes­sa se­a­ra ser pe­que­no tor­na ve­ros­sí­mil que ob­ser­ve­mos avan­ços con­cre­tos.

On­de eu pen­so que Mo­ro te­rá pro­ble­mas é em re­la­ção aos cri­mes co­muns pra­ti­ca­dos por ban­di­dos or­di­ná­ri­os, que são jus­ta­men­te aque­les que cau­sam a sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça. O go­ver­no fe­de­ral nem se­quer dis­põe de um cor­po po­li­ci­al ade­qua­do pa­ra en­fren­tar es­se ti­po de de­linquên­cia. Não dá pa­ra co­lo­car a Po­lí­cia Fe­de­ral pa­ra per­se­guir qual­quer as­sal­tan­te ou pun­guis­ta. Não obs­tan­te, co­mo Mo­ro aca­bou cul­ti­van­do a ima­gem de xe­ri­fe que tu­do re­sol­ve, é pe­la sen­sa­ção de in­se­gu­ran­ça que ele se­rá co­bra­do.

Ale­xan­dra Mo­ra­es

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.