A po­lí­ti­ca ex­ter­na bra­si­lei­ra de­ve bus­car mai­or ali­nha­men­to com os EUA? Sim O la­do me­nos pi­or

É ho­ra de es­co­lher en­tre o mun­do mais li­vre e o me­nos li­vre

Folha de S.Paulo - - Opinião - Adriano Gi­an­tur­co e Lu­cas Azam­bu­ja Co­or­de­na­dor do cur­so de re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais no Ib­mec-MG So­ció­lo­go e pro­fes­sor ti­tu­lar no Ib­mec-MG Lí­via Ser­ri Fran­coio

No mun­do ide­al, a po­lí­ti­ca ex­ter­na é pau­ta­da por prin­cí­pi­os e va­lo­res, não há ali­an­ças fi­xas com nin­guém e se olha ca­so por ca­so; as na­ções opri­mi­das têm lí­de­res po­lí­ti­cos de­mo­cra­tas que se er­guem con­tra os abu­sos das gran­des po­tên­ci­as. A re­a­li­da­de é bem di­fe­ren­te: no sis­te­ma in­ter­na­ci­o­nal se li­da com os in­te­res­ses es­pe­cí­fi­cos dos gru­pos go­ver­nan­tes, e é pre­ci­so es­co­lher.

Os go­ver­nos pe­tis­tas es­co­lhe­ram a co­o­pe­ra­ção “SulSul”, fa­zen­do ali­an­ças mo­ti­va­das por con­cep­ções an­ti­a­me­ri­ca­nis­tas e ter­cei­ro-mun­dis­tas, além de uma ali­an­ça so­ci­a­lis­ta la­ti­no-ame­ri­ca­na ma­te­ri­a­li­za­da em or­ga­nis­mos co­mo Al­ba, Una­sul e o Fo­ro de São Pau­lo.

O Mer­co­sul foi al­ta­men­te po­li­ti­za­do e des­vi­a­do de seu ob­je­ti­vo ori­gi­ná­rio. As­sim, nos apro­xi­ma­mos de re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os co­mo Irã, Chi­na, An­go­la, Mo­çam­bi­que, Ve­ne­zu­e­la e Cu­ba.

Os re­sul­ta­dos não fo­ram po­si­ti­vos. O Brasil te­ve ati­vos con­fis­ca­dos no ex­te­ri­or, co­mo a re­fi­na­ria da Pe­tro­bras na Bo­lí­via; 20% dos con­tra­tos do BNDES pa­ra obras no ex­te­ri­or fo­ram de­cre­ta­dos si­gi­lo­sos e abran­gem obras sus­pei­tas, co­mo a man­são do di­ta­dor an­go­la­no, o por­to de Ma­ri­el, em Cu­ba, e o ae­ro­por­to fan­tas­ma em Mo­çam­bi­que, mos­tran­do-se par­te de um es­que­ma in­ter­na­ci­o­nal de cor­rup­ção.

Ago­ra, mui­tos des­ses go­ver­nos be­ne­fi­ci­a­dos es­tão de­cla­ran­do ca­lo­te que cha­gam a de­ze­nas de bi­lhões de dó­la­res que se­rão pa­gos por nós. E ain­da é pre­ci­so que se in­ves­ti­gue o ca­so da apre­en­são da ma­la do fi­lho do di­ta­dor da Gui­né Equa­to­ri­al com mi­lhões de dó­la­res.

O co­mér­cio com a Chi­na re­sul­tou em su­pe­rá­vit com a ex­por­ta­ção de com­mo­di­ti­es, po­rém ao pre­ço da de­sin­dus­tri­a­li­za­ção. Dil­ma es­co­lheu não en­trar no Acor­do Trans-Pa­cí­fi­co por­que um acor­do co­mer­ci­al com paí­ses ri­cos nos pre­ju­di­ca­ria! O mar­xis­mo de­li­neia o ho­ri­zon­te men­tal an­ti­o­ci­den­tal, e a Ce­pal (Co­mis­são Econô­mi­ca pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na e o Ca­ri­be, vin­cu­la­da à ONU) dá as jus­ti­fi­ca­ti­vas econô­mi­cas.

Sim­pli­fi­can­do, os blo­cos de poder re­le­van­tes ho­je são li­de­ra­dos pe­los EUA, Chi­na, Rús­sia e o mun­do ára­be; por­tan­to, es­sas são as op­ções. Chi­na, Rús­sia e paí­ses ára­bes não são paí­ses li­vres, na ver­da­de são di­ta­du­ras, que vi­o­lam os di­rei­tos hu­ma­nos.

Al­guns po­dem até elo­gi­ar es­ses paí­ses, mas nin­guém de­mons­tra is­so de fa­to in­do vi­ver lá. EUA e Eu­ro­pa (o cha­ma­do Oci­den­te) não são so­ci­e­da­des per­fei­tas, mas de lon­ge as mais li­vres, igua­li­tá­ri­as e prós­pe­ras em to­da a his­tó­ria.

A es­co­lha en­tre se apro­xi­mar do Oci­den­te ou da Chi­na e Áfri­ca é a es­co­lha en­tre se ali­nhar com re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos ou com di­ta­du­ras. Prag­ma­ti­ca­men­te, nos­sa eco­no­mia com­pe­te me­nos com as eco­no­mi­as avan­ça­das do que com ou­tros paí­ses de ren­da mé­dia.

Co­mer­ci­al­men­te, por exem­plo, a atu­a­ção da Chi­na tem si­do mar­ca­da por prá­ti­cas agres­si­vas co­mo rou­bo de pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al e me­di­das pro­te­ci­o­nis­tas, ou se­ja, me­nos con­for­me às re­gras do li­vre co­mér­cio do que o Oci­den­te. A es­co­lha não de­ve se pau­tar em con­cep­ções ide­o­ló­gi­co-par­ti­dá­ri­as, mas em ele­men­tos mais es­tru­tu­rais co­mo a na­tu­re­za do re­gi­me po­lí­ti­co, o res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos, ao li­vre-co­mér­cio e ao Es­ta­do de Di­rei­to.

Os EUA são o prin­ci­pal des­ti­no dos emi­gran­tes bra­si­lei­ros (da­dos de 2010 do IBGE); mui­tos ou­tros se mu­dam pa­ra Ca­na­dá, Aus­trá­lia e No­va Ze­lân­dia. Nin­guém quer emi­grar pa­ra o Irã, An­go­la, Ve­ne­zu­e­la, Cu­ba. As pes­so­as ten­tam fu­gir de lá! Por que a po­lí­ti­ca ex­ter­na de­ve­ria ir em sen­ti­do opos­to? Os bra­si­lei­ros já es­co­lhe­ram o Oci­den­te.

Tu­do is­so não pre­ci­sa­ria nem mes­mo ser ob­je­to de de­ba­te. Qu­an­do mu­da o go­ver­no na Fran­ça ou no Ca­na­dá, nin­guém pen­sa em se ali­ar com Ve­ne­zu­e­la, Cu­ba, An­go­la ou Irã. É ho­ra de es­co­lher se que­re­mos fa­zer par­te do mun­do mais li­vre ou do me­nos li­vre, do la­do me­nos pi­or ou do la­do pi­or.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.