Li­ber­da­de de ex­pres­são é con­di­ção pa­ra a paz, di­zem es­pe­ci­a­lis­tas

Folha de S.Paulo - - Poder -

são pau­lo “É uma con­di­ção de paz social que eu con­fi­ra ao ou­tro a pos­si­bi­li­da­de de me ofen­der. [...] O di­rei­to à to­le­rân­cia é avô do di­rei­to à li­ber­da­de de ex­pres­são”, dis­se Os­car Vi­lhe­na, diretor de di­rei­to da FGV-SP e co­lu­nis­ta da Fo­lha.

A ideia foi ex­pos­ta no Pri­mei­ro Con­gres­so In­ter­na­ci­o­nal de Di­rei­tos Hu­ma­nos da OAB (Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Brasil) de São Pau­lo, even­to em ho­me­na­gem aos 70 anos da Declaração Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos nes­ta sex­ta-fei­ra (7).

A vi­são de que o di­rei­to à li­ber­da­de de ex­pres­são vai de en­con­tro a ou­tros di­rei­tos fun­da­men­tais mas tem pre­va­lên­cia foi par­ti­lha­da pe­los de­mais ex­po­si­to­res —Mi­guel Matos, mem­bro do Con­se­lho de Co­mu­ni­ca­ção Social do Con­gres­so Na­ci­o­nal, e Taís Bor­ja Gas­pa­ri­an, vi­ce-pre­si­den­te da Co­mis­são de Li­ber­da­de de Im­pren­sa da OAB-SP e ad­vo­ga­da da Fo­lha .Ame­sa foi pre­si­di­da por Wal­ter Vi­ei­ra Ce­ne­vi­va, pre­si­den­te da Co­mis­são de Li­ber­da­de de Im­pren­sa da OAB-SP.

Pa­ra Vi­lhe­na, o di­rei­to à li­ber­da­de de ex­pres­são pre­va­le­ce por cum­prir três fun­ções: a de pro­por­ci­o­nar paz social, a de pos­si­bi­li­tar que crí­ti­cas se­jam fei­tas e a par­tir de­las a so­ci­e­da­de evo­lua, e a de ser pe­dra fun­da­men­tal da de­mo­cra­cia.

A gran­de ques­tão —não re­sol­vi­da no Brasil pe­la ju­ris­pru­dên­cia— é quais são os li­mi­tes des­se di­rei­to.

“O Ju­di­ciá­rio, com ex­ce­ção do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, que tem to­ma­do de­ci­sões a fa­vor, não foi ca­paz de fa­zer es­sas dis­tin­ções e en­ten­der es­sa pre­va­lên­cia. O ad­vo­ga­do que li­da com li­ber­da­de de ex­pres­são é por na­tu­re­za al­guém que en­fren­ta di­le­mas fi­lo­só­fi­cos to­dos os di­as”, afir­mou Vi­lhe­na.

Os pa­les­tran­tes ve­em no Ju­di­ciá­rio uma ame­a­ça. “Nes­sa co­li­são de di­rei­tos, há uma cer­ta in­ter­fe­rên­cia às ve­zes do Ju­di­ciá­rio agin­do nu­ma cla­ra cen­su­ra ju­di­ci­al”, dis­se Matos, que edi­ta o por­tal Mi­ga­lhas.

Um exem­plo men­ci­o­na­do pe­los pa­les­tran­tes é o di­rei­to ao es­que­ci­men­to.

Gas­pa­ri­an lis­tou ou­tros mo­dos atu­ais de fa­zer ca­lar um jor­na­lis­ta, co­mo a combinação en­tre a au­sên­cia de te­to pa­ra va­lo­res de in­de­ni­za­ção, a pos­si­bi­li­da­de de pro­ces­sá-lo co­mo pes­soa fí­si­ca e não seu veí­cu­lo e o pra­zo de três anos pa­ra ajui­zar uma ação.

Tra­zen­do a dis­cus­são pa­ra a atu­a­li­da­de, Mar­cos da Cos­ta, pre­si­den­te da OABSP, afir­mou que a pa­la­vra que mais de­fi­ne o mo­men­to atu­al é in­to­le­rân­cia e lem­brou ata­ques a jor­na­lis­tas e ad­vo­ga­dos.

Vi­lhe­na afir­mou que a Cons­ti­tui­ção Fe­de­ral, que com­ple­ta 30 anos, e a Declaração Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, com 70, ani­ver­sa­ri­am sob ata­que.

“A cri­se econô­mi­ca, um cer­to de­sen­can­ta­men­to com as ins­ti­tui­ções do li­be­ra­lis­mo de­mo­crá­ti­co, o res­sur­gi­men­to do na­ci­o­na­lis­mo abri­ram es­pa­ço pa­ra vo­zes ab­so­lu­ta­men­te des­com­pro­mis­sa­das com os di­rei­tos, qu­an­do não ad­ver­sas a eles”, afir­mou.

“E o Brasil é um país on­de es­sas vo­zes che­ga­ram ao poder, fa­zen­do uso da li­ber­da­de de ex­pres­são com o ob­je­ti­vo de pri­var ou­tros do exer­cí­cio do di­rei­to”, com­ple­tou, sem men­ci­o­nar di­re­ta­men­te a elei­ção de Jair Bol­so­na­ro (PSL).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.