Com Mo­ro, lu­ta con­tra cri­me te­rá óti­mo re­for­ço, diz ve­ne­zu­e­la­na

Folha de S.Paulo - - Poder - Mar­co Ro­dri­go Al­mei­da Pedro La­dei­ra/Folhapress

Dedicada ao es­tu­do das re­des de co­mér­cio ilí­ci­to no mun­do, a ve­ne­zu­e­la­na Va­nes­sa Neu­mann diz que a es­co­lha de Ser­gio Mo­ro pa­ra mi­nis­tro da Jus­ti­ça po­de­rá inau­gu­rar uma ex­ce­len­te fa­se de com­ba­te à cor­rup­ção.

“Creio que se­rá um óti­mo ca­mi­nho. Mo­ro é ex­ce­len­te. E aca­bar com a cor­rup­ção foi um dos fo­cos da cam­pa­nha de Bol­so­na­ro. Se­rá uma ex­ce­len­te opor­tu­ni­da­de de en­fren­tar o pro­ble­ma dos cri­mes nas fron­tei­ras”, diz a ana­lis­ta.

Neu­mann veio ao Brasil na se­ma­na pas­sa­da lan­çar o li­vro “Lu­cros de San­gue”, no qual pro­põe uma in­tri­gan­te ques­tão: qual a re­la­ção en­tre o con­tra­ban­do de ci­gar­ros no Brasil e ata­ques ter­ro­ris­tas na Eu­ro­pa ou Áfri­ca?

Pre­si­den­te da Asym­me­tri­ca, con­sul­to­ria de es­tra­té­gi­as que aten­de go­ver­nos e cli­en­tes cor­po­ra­ti­vos em­pe­nha­dos em de­be­lar re­des de co­mér­cio ilí­ci­to, ela pes­qui­sa há mais de uma dé­ca­da os im­pac­tos des­ses cri­mes em go­ver­nos e so­ci­e­da­des.

O in­te­res­se pe­lo te­ma foi des­per­ta­do em seu pró­prio país, ao exa­mi­nar os pa­péis de­sem­pe­nha­dos pe­lo go­ver­no de Hugo Chá­vez e pe­lo trá­fi­co de dro­gas pa­ra o for­ta­le­ci­men­to das Farc (For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia). “Co­nhe­ci ga­ro­tos que per­de­ram bra­ços e per­nas após aten­ta­dos a bom­ba das Farc. Tu­do is­so fi­nan­ci­a­do pe­lo nar­co­trá­fi­co. Não en­ten­dia por que meu go­ver­no es­ta­va apoi­an­do gru­pos ter­ro­ris­tas.”

Mais re­cen­te­men­te, sua con­sul­to­ria se de­di­cou a in­ves­ti­gar o uso de re­cur­sos pro­ve­ni­en­tes do con­tra­ban­do e la­va­gem de di­nhei­ro na Amé­ri­ca La­ti­na pa­ra fi­nan­ci­ar gru­pos ter­ro­ris­tas do Ori­en­te Mé­dio.

Nes­te ano, Neu­mann e sua equi­pe pro­du­zi­ram um re­la­tó­rio, ba­ti­za­do de Hi­dra de Ou­ro, a res­pei­to das co­ne­xões en­te o co­mér­cio ilí­ci­to na área da Trí­pli­ce Fron­tei­ra la­ti­no-ame­ri­ca­na (on­de Brasil, Ar­gen­ti­na e Pa­ra­guai se en­con­tram) e o Hez­bol­lah li­ba­nês. O ma­te­ri­al ori­gi­nou um ca­pí­tu­lo fi­nal ex­clu­si­vo da edi­ção bra­si­lei­ra de seu li­vro.

Neu­mann con­ta que nes­sa re­gião fron­tei­ri­ça até 70% de to­das as tran­sa­ções co­mer­ci­ais re­a­li­za­das são ilí­ci­tas. Es­ti­ma-se que is­so ge­re cerca de US$ 43 bi­lhões anu­ais de di­nhei­ro es­cu­so.

Se­gun­do a pes­qui­sa, a or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa mais po­de­ro­sa do Brasil, o PCC (Pri­mei­ro Co­man­do da Ca­pi­tal), es­ten­de seus bra­ços de atu­a­ção em vá­ri­as ci­da­des pa­ra­guai­as.

Fontes de Neu­mann na Po­lí­cia Fe­de­ral afir­ma­ram que tra­fi­can­tes li­ga­dos ao Hez­bol­lah aju­da­ram o PCC a con­se­guir ar­ma­men­tos em tro­ca de pro­te­ção a pre­sos li­ba­ne­ses em ca­dei­as bra­si­lei­ras. “É uma in­te­ra­ção ca­da vez mais co­mum. Ter­ro­ris­tas apren­dem um ne­gó­cio lu­cra­ti­vo. Gru­pos cri­mi­nais apren­dem téc­ni­cas de ter­ror con­tra o Es­ta­do.”

O ci­gar­ro é um dos prin­ci­pais pro­du­tos de con­tra­ban­do na re­gião da Trí­pli­ce Fron­tei­ra. A au­to­ra ex­pli­ca que já na dé­ca­da de 1990 es­se co­mér­cio ge­ra­va fun­dos pa­ra gru­pos ter­ro­ris­tas, co­mo a Al Qa­e­da.

O li­vro ci­ta que ci­gar­ros con­tra­ban­de­a­dos do Pa­ra­guai dei- xam de ar­re­ca­dar em im­pos­tos no Brasil cerca de US$ 3 bi­lhões anu­ais. Em to­dos es­ses ca­sos na fron­tei­ra, dois pro­ble­mas são re­cor­ren­tes: a fra­gi­li­da­de da vi­gi­lân­cia e a co­ni­vên­cia das au­to­ri­da­des.

Neu­mann ava­lia que Mo­ro de­ve­ria fa­zer da Trí­pli­ce Fron­tei­ra um dos fo­cos de sua ges­tão. “Es­ses cri­mes es­tão chu­pan­do o san­gue da se­gu­ran­ça, da eco­no­mia, dos ne­gó­ci­os le­gí­ti­mos. E ain­da in­fil­tram no país gru­pos ter­ro­ris­tas. Com­ba­ten­do o cri­me na fron­tei­ra, já se cum­prem vá­ri­as pro­mes­sas do no­vo go­ver­no.”

Sem a par­ti­ci­pa­ção do con­su­mi­dor, con­tu­do, qual­quer mis­são es­ta­rá fa­da­da ao fra­cas­so, res­sal­ta. “O con­su­mi­dor pre­ci­sa sa­ber das con­sequên­ci­as de seu ato. Não bas­ta exi­gir ações do go­ver­no. A apa­ren­te van­ta­gem de com­prar um pro­du­to mais ba­ra­to acar­re­ta cus­tos al­tís­si­mos pa­ra to­dos.”

Lu­cros de San­gue

Au­to­ra: Va­nes­sa Neu­mann;

Edi­to­ra: Ma­trix; Tra­du­ção: Da­ni­e­la Bel­mi­ro e Fer­nan­do Ef­fo­ri de Mel­lo; Págs.: 320; Quan­to: R$ 59,90

O fu­tu­ro mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Ser­gio Mo­ro, du­ran­te co­le­ti­va em Brasília

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.