Pro­te­gi­da de Mer­kel é es­co­lhi­da lí­der de par­ti­do de cen­tro-di­rei­ta ale­mão

An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er vai su­ce­der chanceler no co­man­do da CDU e re­pre­sen­ta con­ti­nui­da­de de li­nha mo­de­ra­da con­ser­va­do­ra

Folha de S.Paulo - - Mundo - Reuters e AFP Odd Andersen/AFP

ham­bur­go Em uma vo­ta­ção aper­ta­da, a se­cre­tá­ria-ge­ral da CDU (União Cris­tã-De­mo­cra­ta), An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er, foi es­co­lhi­da nes­ta sex­ta-fei­ra (7) pe­los de­le­ga­dos reu­ni­dos em Ham­bur­go co­mo a su­ces­so­ra de An­ge­la Mer­kel na che­fia do par­ti­do mais tra­di­ci­o­nal da cen­tro­di­rei­ta da Ale­ma­nha.

Co­nhe­ci­da co­mo AKK e tam­bém cha­ma­da de “Mer­kel bis” ou “mi­ni Mer­kel”, Kramp­Kar­ren­bau­er, 56, re­pre­sen­ta a con­ti­nui­da­de da li­nha mo­de­ra­da con­ser­va­do­ra ado­ta­da por Mer­kel em 18 anos na li­de­ran­ça do par­ti­do e em 13 anos co­mo chanceler.

As­sim, Mer­kel ga­nha cer­to alí­vio pa­ra ten­tar ter­mi­nar es­te quar­to man­da­to em meio a der­ro­tas elei­to­rais re­gi­o­nais re­cen­tes e à bai­xa apro­va­ção do go­ver­no.

O prin­ci­pal con­cor­ren­te de AKK era o ad­vo­ga­do do mun­do cor­po­ra­ti­vo e mi­li­o­ná­rio Fri­e­dri­ch Merz, 63, que pro­pu­nha uma gui­na­da à di­rei­ta da CDU e do país, em uma ten­ta­ti­va de re­con­quis­tar elei­to­res per­di­dos pa­ra o par­ti­do de ul­tra­di­rei­ta AfD (Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha).

Em um se­gun­do tur­no de vo­ta­ção, AKK foi elei­ta com 517 vo­tos de 999 de­le­ga­dos, en­quan­to Merz ob­te­ve 482 vo­tos. O pri­mei­ro tur­no já ha­via der­ru­ba­do o ter­cei­ro can­di­da­to, Jens Spahn, que é mi­nis­tro da Saú­de do go­ver­no Mer­kel.

Kramp-Kar­ren­bau­er pro­va­vel­men­te vai li­de­rar a CDU nas pró­xi­mas elei­ções fe­de­rais ale­mãs, em 2021, po­den­do vir a se tor­nar a pró­xi­ma mu­lher mais po­de­ro­sa da Eu­ro­pa. Mer­kel já afir­mou que sai­rá de ce­na.

“Li mui­to so­bre o que e quem eu sou: ‘mi­ni’, uma có­pia, sim­ples­men­te mais do mes­mo. Ca­ros de­le­ga­dos, me apre­sen­to di­an­te de vo­cês co­mo sou e co­mo a vi­da me fez e te­nho or­gu­lho dis­so”, afir­mou Kramp-Kar­ren­bau­er em dis­cur­so an­tes da vo­ta­ção.

Ela ape­lou à sua ex­pe­ri­ên­cia co­mo che­fe de go­ver­no do es­ta­do de Sar­re: “Apren­di o que é li­de­rar e so­bre­tu­do apren­di que li­de­ran­ça é mais ser for­te por den­tro do que ser for­te por fo­ra”.

Du­ran­te a cam­pa­nha, Merz mo­bi­li­zou boa par­te dos cor­re­li­gi­o­ná­ri­os an­si­o­sos por um es­ti­lo de li­de­ran­ça mais as­ser­ti­vo, ao de­fen­der cor­tes de im­pos­tos e um mai­or com­ba­te à ex­tre­ma di­rei­ta, que cres­ceu na es­tei­ra da po­lí­ti­ca de por­tas aber­tas à imigração ado­ta­da pe­lo go­ver­no Mer­kel.

No fim, o par­ti­do es­co­lheu al­go mais co­nhe­ci­do.

“Ela é uma apos­ta se­gu­ra: uma can­di­da­ta cen­tris­ta que não ame­a­ça fa­zer sur­pre­sas de­sa­gra­dá­veis”, afir­mou Jo­sef Jof­fe, pu­blisher do se­ma­ná­rio Die Zeit.

“Merz era um pou­co li­vre­mer­ca­do de­mais, pró-EUA e pró-de­fe­sa. Tam­bém, seu dis­cur­so na con­ven­ção pa­re­ceu en­ges­sa­do, em com­pa­ra­ção ao ape­lo pas­si­o­nal de AKK. Mes­mo as­sim, ele a for­çou a um se­gun­do tur­no, o que su­ge­re que AKK vai pre­si­dir um par­ti­do di­vi­di­do.”

‘Foi uma honra’, diz chanceler ao dei­xar li­de­ran­ça de si­gla

ham­bur­go A chanceler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, fez nes­ta sex­ta uma de­fe­sa de seus 18 anos co­mo che­fe da CDU du­ran­te a con­ven­ção do par­ti­do em Ham­bur­go que es­co­lheu sua su­ces­so­ra à fren­te do par­ti­do.

Ova­ci­o­na­da de pé por qua­se dez mi­nu­tos pe­los de­le­ga­dos, mui­tos emo­ci­o­na­dos e se­gu­ran­do um car­taz com os di­ze­res “obri­ga­do, che­fe”, Mer­kel, 64, afir­mou que a CDU ven­ceu qu­a­tro elei­ções na­ci­o­nais sob sua li­de­ran­ça ao se man­ter fir­me em seus prin­cí­pi­os.

“Foi um gran­de pra­zer pa­ra mim, uma honra”, dis­se. “Em tem­pos di­fí­ceis, não de­ve­mos nos es­que­cer dos nos­sos va­lo­res de­mo­crá­ti­cos e cris­tãos.”

“A CDU em 2018 não de­ve olhar pa­ra trás mas olhar pa- ra fren­te, com no­vas pes­so­as, mas com os mes­mos va­lo­res.”

Fa­zen­do uma re­fe­rên­cia ao cres­ci­men­to do po­pu­lis­mo ao re­dor do mun­do e ao que cha­mou de co­lap­so dos va­lo­res oci­den­tais, Mer­kel afir­mou que a or­dem que ela sem­pre de­fen­deu es­tá sob ris­co.

“Se­ja a re­jei­ção do mul­ti­la­te­ra­lis­mo, o re­tor­no do na­ci­o­na­lis­mo, a re­du­ção da co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal ou a ame­a­ça a guer­ras co­mer­ci­ais, a de­ses­ta­bi­li­za­ção das so­ci­e­da­des com as fa­ke news ou o fu­tu­ro da União Eu­ro­peia, nós, de­mo­cra­tas-cris­tãos, de­ve­mos mos­trar o que te­mos di­an­te de to­dos es­ses desafios”, dis­se.

Mer­kel sur­pre­en­deu o país em ou­tu­bro ao anun­ci­ar que não bus­ca­ria a re­e­lei­ção co­mo lí­der da CDU na con­ven­ção anu­al do par­ti­do, após uma sé­rie de der­ro­tas elei­to­rais re­gi­o­nais que ti­ve­ram co­mo pa­no de fun­do a po­lí­ti­ca imi­gra­tó­ria de seu go­ver­no.

“Sin­to re­co­nhe­ci­men­to por ter si­do pre­si­den­te [do par­ti­do] du­ran­te 18 anos”, afir­mou Mer­kel. “Foi um pe­río­do mui­to lon­go, no qual a CDU passou por al­tos e bai­xos”, acres­cen­tou a chanceler.

Den­tro do par­ti­do, diz-se que Mer­kel e AKK têm uma “boa quí­mi­ca”.

Kramp-Kar­ren­bau­er se dis­tan­ci­ou da chanceler em te­mas de po­lí­ti­ca social e ex­ter­na ao vo­tar a fa­vor de co­tas pa­ra mu­lhe­res em di­re­ções de em­pre­sas e ao de­fen­der uma po­si­ção mais du­ra em re­la­ção à Rús­sia e à ques­tão imi­gra­tó­ria.

Ca­sa­da, ca­tó­li­ca e mãe de três fi­lhos, tem po­si­ção con­ser­va­do­ra em re­la­ção ao ca­sa­men­to gay. Mer­kel é pro­tes­tan­te, ca­sa­da pe­la se­gun­da vez e sem fi­lhos.

Mas em ques­tões eu­ro­pei­as e da pró­pria CDU ela ado­tou um es­ti­lo si­mi­lar à da chanceler, dan­do pre­fe­rên­cia a uma abor­da­gem prá­ti­ca e não ide­o­ló­gi­ca. “Não te­nho uma re­cei­ta es­pe­ci­al”, afir­mou so­bre co­mo se­ria sua li­de­ran­ça.

An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er, 56 Foi mi­nis­tra­pre­si­den­te (equi­va­len­te a go­ver­na­do­ra) do es­ta­do de Sar­re de 2011 a fev.2018, qu­an­do as­su­miu a se­cre­ta­ria-ge­ral da CDU. Ca­sa­da com o en­ge­nhei­ro Hel­mut Kar­ren­bau­er há 34 anos, tem três fi­lhos

“Li mui­to so­bre o que e quem eu sou: ‘mi­ni’, uma có­pia, sim­ples­men­te mais do mes­mo. Ca­ros de­le­ga­dos, me apre­sen­to di­an­te de vo­cês co­mo sou e co­mo a vi­da me fez e te­nho or­gu­lho dis­so An­ne­gret Kramp­Kar­ren­bau­er

Kramp-Kar­ren­bau­er é pa­ra­be­ni­za­da por Mer­kel após vi­tó­ria na con­ven­ção da CDU em Ham­bur­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.