Trump anun­cia ali­a­dos pa­ra Jus­ti­ça e ONU

No­vo se­cre­tá­rio já cri­ti­cou in­ves­ti­ga­ção so­bre Rús­sia; ex-jor­na­lis­ta da Fox News se­rá re­pre­sen­tan­te nas Na­ções Uni­das

Folha de S.Paulo - - Mundo - Jú­lia Za­rem­ba

washing­ton O pre­si­den­te ame­ri­ca­no, Do­nald Trump, anun­ci­ou nes­ta sex­ta-fei­ra (7) que no­me­a­rá o re­pu­bli­ca­no Wil­li­am Barr, 68, pa­ra o pos­to de se­cre­tá­rio de Jus­ti­ça e a por­ta-voz do De­par­ta­men­to de Es­ta­do, He­ather Nau­ert, 48, pa­ra ser em­bai­xa­do­ra dos Es­ta­dos Uni­dos na ONU.

Os dois no­mes ain­da pre­ci­sam ser con­fir­ma­dos pe­lo Se­na­do, o que só de­ve­rá ocor­rer no pró­xi­mo ano.

Ca­so apro­va­do, Barr co­man­da­rá o se­tor do De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça que cui­da das in­ves­ti­ga­ções so­bre a in­ter­fe­rên­cia rus­sa nas elei­ções de 2016, con­du­zi­das pe­lo pro­cu­ra­dor es­pe­ci­al Ro­bert Mu­el­ler e que se apro­xi­mam ca­da vez mais do cír­cu­lo ín­ti­mo de Trump.

O in­di­ca­do foi se­cre­tá­rio de Jus­ti­ça de 1991 a 1993, du­ran­te a ad­mi­nis­tra­ção do re­pu­bli­ca­no Ge­or­ge H. W. Bush, mor­to na úl­ti­ma sex­ta (30). De­pois, tra­ba­lhou co­mo ad­vo­ga­do de uma em­pre­sa de te­le­co­mu­ni­ca­ções e em um dos mai­o­res es­cri­tó­ri­os de ad­vo­ca­cia do país.

Trump te­ceu elo­gi­os a Barr, clas­si­fi­can­do-o co­mo “um ho­mem bri­lhan­te” e afir­man­do que foi sua “pri­mei­ra es­co­lha” des­de que o co­nhe­ceu, o que ocor­reu en­quan­to ana­li­sa­va os cur­rí­cu­los dos can­di­da­tos. “É res­pei­ta­do por re­pu­bli­ca­nos e por de­mo­cra­tas”, afir­mou.

O atu­al ocu­pan­te do car­go é Matthew Whi­ta­ker, que subs­ti­tuiu de for­ma in­te­ri­na Jeff Ses­si­ons, de­mi­ti­do por Trump um dia após as elei­ções le­gis­la­ti­vas ame­ri­ca­nas, em 6 de no­vem­bro.

O pre­si­den­te acu­sa­va Ses­si­ons, um de seus pri­mei­ros ali­a­dos no Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no, de não ter con­ti­do o avan­ço das in­ves­ti­ga­ções de Mu­el­ler.

O ex-se­cre­tá­rio se de­cla­rou im­pe­di­do de par­ti­ci­par das apu­ra­ções em mar­ço de 2017, por con­fli­to de in­te­res­ses —ele par­ti­ci­pou da cam­pa­nha vi­to­ri­o­sa de 2016 e en­con­trou-se du­as ve­zes com o em­bai­xa­dor rus­so Ser­gey Kislyak na­que­le pe­río­do.

A che­ga­da de Whi­ta­ker ao pos­to não foi vis­ta com bons olhos. Ele é pró­xi­mo a Trump e já cri­ti­cou as in­ves­ti­ga­ções so­bre a Rús­sia. Ha­via uma pre­o­cu­pa­ção en­tre ad­ver­sá­ri­os do pre­si­den­te de que ele as­su­mis­se o car­go em de­fi­ni­ti­vo.

Barr, por sua vez, tam­bém já cri­ti­cou al­guns as­pec­tos das apu­ra­ções e che­gou a su­ge­rir que ha­via mui­tos de­mo­cra­tas na equi­pe de Mu­el­ler.

O ali­nha­men­to com Trump ocor­re em al­gu­mas fren­tes. Barr de­fen­deu a de­ci­são do pre­si­den­te de de­mi­tir o diretor do FBI (po­lí­cia fe­de­ral ame­ri­ca­na) Ja­mes Co­mey em maio de 2017.

Tam­bém apoi­ou os pe­di­dos do pre­si­den­te pa­ra que um no­vo inqué­ri­to fos­se aber­to con­tra Hil­lary Clin­ton, de­mo­cra­ta der­ro­ta­da na elei­ção de 2016.

Pa­ra o The New York Ti­mes, afir­mou que ha­via mais ra­zões pa­ra in­ves­ti­gá-la pe­lo seu pa­pel na apro­va­ção de um acor­do de urâ­nio pe­lo go­ver­no en­quan­to era se­cre­tá­ria de Es­ta­do (2009 a 2013) do que pa­ra in­ves­ti­gar Trump e su­as pos­sí­veis re­la­ções com Mos­cou.

Já Nau­ert subs­ti­tui­rá Nik­ki Ha­ley, que anun­ci­ou a sua re­nún­cia em ou­tu­bro —ela fi­ca­rá no car­go até o fim do ano.

O pre­si­den­te co­gi­tou in­di­car a fi­lha Ivan­ka pa­ra a po­si­ção jun­to à ONU, afir­man­do que não ha­via “nin­guém mais competente no mun­do” do que ela pa­ra as­su­mir o car­go, mas dis­se que a in­di­ca­ção se­ria considerada ne­po­tis­mo.

Ex-jor­na­lis­ta da Fox News, emis­so­ra fa­vo­rá­vel a Trump, Nau­ert en­trou pa­ra o De­par­ta­men­to de Es­ta­do em abril de 2017. Crí­ti­cos di­zem que ela não tem a ba­ga­gem po­lí­ti­ca e diplomática ne­ces­sá­ria pa­ra as­su­mir o car­go —a an­te­ces­so­ra já ha­via si­do go­ver­na­do­ra da Ca­ro­li­na do Sul.

O pre­si­den­te tem opi­nião mais fa­vo­rá­vel: a des­cre­veu co­mo “mui­to ta­len­to­sa, mui­to in­te­li­gen­te e mui­to rá­pi­da”. “E eu acho que ela se­rá res­pei­ta­da por to­dos”, dis­se.

Nau­ert te­rá a mis­são de con­ti­nu­ar com a agen­da “Ame­ri­ca First” (Amé­ri­ca em pri­mei­ro lu­gar) de Trump e en­fren­ta­rá desafios co­mo con­ter a in­fluên­cia do Irã no Ori­en­te Mé­dio e ga­ran­tir que as san­ções da ONU con­tra a Co­reia do Nor­te se­jam man­ti­das. As guer­ras ci­vis na Sí­ria e no Iê­men tam­bém de­vem ser ques­tões com as quais se­rá con­fron­ta­da.

Trump é crí­ti­co da ONU, ale­gan­do que fo­ca mais na bu­ro­cra­cia do que nos re­sul­ta­dos e que traz cus­tos a Washing­ton.

Em ju­nho, re­ti­rou o país do Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos da en­ti­da­de, sob a jus­ti­fi­ca­ti­va de que man­ti­nha “viés an­ti-Is­ra­el”. Tam­bém cor­tou o re­pas­se de ver­bas pa­ra as­sis­tên­cia a re­fu­gi­a­dos pa­les­ti­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.