‘Big te­chs’ só se sus­ten­tam com poder dos go­ver­nos, diz au­tor

Em li­vro, es­cri­tor ex­ter­mi­na cli­chês ven­di­dos pe­la in­dús­tria de tec­no­lo­gia

Folha de S.Paulo - - Mercado - Pau­la So­pra­na Le­o­nar­do Cen­da­mo - set.16/AFP

Em uma pa­les­tra re­cen­te num even­to so­bre al­go­rit­mos em Utre­cht, na Ho­lan­da, Ev­geny Mo­ro­zov, 34, es­cri­tor e dou­tor em his­tó­ria da ci­ên­cia por Har­vard, pe­diu que a pla­teia avi­sas­se ca­so ele não che­gas­se a uma agen­da po­si­ti­va até o fim de sua apre­sen­ta­ção.

“A re­cla­ma­ção mais co­mum que ou­ço é que pinto uma fo­to­gra­fia es­cu­ra em uma sa­la es­cu­ra e ne­nhu­ma luz de in­ter­ven­ção po­si­ti­va emer­ge. Di­go que o tem­po aca­bou e vou em­bo­ra”, dis­se. Em qua­se uma ho­ra e 30 mi­nu­tos de pa­les­tra, disponível no You­Tu­be, pou­co tem­po foi de­di­ca­do à es­pe­ran­ça.

Mo­ro­zov se con­cen­tra na des­cons­tru­ção de con­cei­tos co­mo so­ci­e­da­de digital, ven­di­dos por em­pre­sas de tec­no­lo­gia dos EUA da Chi­na.

Em seu ter­cei­ro li­vro, “Big Te­ch, a As­cen­são dos Da­dos e a Mor­te da Po­lí­ti­ca”, uma co­le­tâ­nea de en­sai­os, à ven­da a par­tir des­te sá­ba­do (8) no Brasil, o in­te­lec­tu­al bi­e­lor­rus­so não cri­ti­ca ape­nas Uber, Go­o­gle, Fa­ce­bo­ok ou Airbnb, mas a pró­pria con­tra­cul­tu­ra tec­no­ló­gi­ca ame­ri­ca­na, cu­jo ide­al de li­ber­ta­ção do ca­pi­ta­lis­mo, nos anos 1990, se deu pe­lo pró­prio con­su­mo.

Co­mo pro­gres­sis­ta ra­di­cal, a mai­or —tal­vez úni­ca— saí­da pa­ra Mo­ro­zov é que as ame­a­ças ca­pi­ta­lis­tas se­jam con­ti­das por po­lí­ti­cas de go­ver­no que equa­li­zem os be­ne­fí­ci­os ge­ra­dos pe­lo “ex­tra­ti­vis­mo” de da­dos pes­so­ais.

O cli­chê de que os da­dos pes­so­ais são o pe­tró­leo do sé­cu­lo 21 só faz sen­ti­do pa­ra Mu­ro­zov se for le­va­do em con­ta o fa­to de que a his­tó­ria da ma­té­ria-pri­ma no sé­cu­lo 20 é mar­ca­da por vi­o­lên­cia e guer­ras e pe­la “der­ru­ba­da de re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos na ex­pec­ta­ti­va de as­se­gu­rar o con­tro­le de re­cur­sos es­tra­té­gi­cos”.

À Fo­lha o es­cri­tor fa­la so­bre a con­jun­tu­ra gui­a­da por em­pre­sas de tec­no­lo­gia e fun­dos de in­ves­ti­men­tos do Ori­en­te,

luz. mas dá poucos si­nais de

Qual ter­mo in­co­mo­da mais: eco­no­mia com­par­ti­lha­da, so­ci­e­da­de digital ou ci­da­des in­te­li­gen­tes? De­fi­ni­ti­va­men­te, so­ci­e­da­de digital é o que mais

me in­co­mo­da. É des­co­nec­ta­do de uma for­ma his­tó­ri­ca, econô­mi­ca e ge­o­po­lí­ti­ca de en­xer­gar a tec­no­lo­gia. Abra­ça a su­po­si­ção de que as coi­sas es­tão me­lho­ran­do, de que há só uma di­re­ção a se­guir e de que ou vo­cê se tor­na digital ou é con­tra o pro­gres­so.

As big te­chs [gran­des em­pre­sas de tec­no­lo­gia] ame­ri­ca­nas e chi­ne­sas se por­tam co­mo as guar­diãs des­sa so­ci­e­da­de, mas o fa­to de se­rem re­pre­sen­ta­ti­vas têm a ver com o poder po­lí­ti­co de Washing­ton e Pe­quim.

Sua crí­ti­ca é so­bre o ca­pi­ta­lis­mo? Sim. Qu­an­do vo­cê fa­la de tec­no­lo­gia, tem que fa­lar em di­nhei­ro, poder, fi­nan­ças, re­cur­sos e ca­pi­ta­lis­mo. O ca­pi­ta­lis­mo não é es­tá­ti­co, é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te do dos anos 1950. Mi­nha pes­qui- sa fo­ca mui­to em co­mo fun­dos fi­nan­cei­ros de­ter­mi­nam a re­la­ção des­sas em­pre­sas com seus fun­ci­o­ná­ri­os.

Po­de dar um exem­plo? O Uber do fu­tu­ro é com­ple­ta­men­te au­to­ma­ti­za­do e fei­to pa­ra mi­ni­mi­zar des­pe­sas. Ele ho­je é fi­nan­ci­a­do por fun­dos de go­ver­nos da Ará­bia Sau­di­ta, Qa­tar e Ja­pão. Em 2017, deu US$ 4,5 bi­lhões de pre­juí­zo.

Ob­vi­a­men­te é um mo­de­lo que não po­de con­ti­nu­ar, e a úni­ca for­ma de aca­bar com is­so é au­to­ma­ti­zan­do. Po­de fa­zer is­so, mas o ide­al se­ria co­la­bo­rar com a eco­no­mia lo­cal e com os pas­sa­gei­ros, be­ne­fi­ci­ar quem cri­ou a ba­se de da­dos pa­ra ge­rar a au­to­ma­ti­za­ção que vai dar di­nhei­ro pa­ra a Ará­bia Sau­di­ta e os EUA.

As pes­so­as que­rem a op­ção de tra­ba­lhar no Uber, não ve­em pro­ble­ma nis­so. Pre­ço bai­xo um dia cus­ta­rá ca­ro. Se­rá um cál­cu­lo pa­re­ci­do com o que fa­ze­mos com os re­cur­sos na­tu­rais. Em um país do ta­ma­nho do Brasil, há mais poder de di­tar os ter­mos. O go­ver­no não vai en­trar na in­fra­es­tru­tu­ra do Uber, mas po­de exi­gir que os da­dos não se­jam de pro­pri­e­da­de exclusiva das em­pre­sas, po­de usá-los pa­ra in­cen­ti­var o de­sen­vol­vi­men­to de apps lo­cais, co­brar uma ta­xa ex­tra. O Uber não vai con­ti­nu­ar em­pre­gan­do bra­si­lei­ros de­sem­pre­ga­dos por mui­to tem­po. Co­mo as pes­so­as po­dem ter so­be­ra­nia so­bre seus da­dos? Is­so vi­rou um mer­ca­do, é pa­ra ri­cos. Nos úl­ti­mos anos, foi ven­di­do que a úni­ca so­be­ra­nia que as pes­so­as al­can­çam é via con­su­mo. Se vo­cê é mui­to pre­o­cu­pa­do com a pri­va­ci­da­de, tem que in­ves­tir. Que­ro evi­tar um mun­do em que pre­ci­sa­mos pa­gar por is­so.

Co­mo en­xer­ga a Eu­ro­pa nes­se

sen­ti­do? A Eu­ro­pa es­tá me­nos en­vol­vi­da em trans­for­mar os da­dos de ci­da­dãos em pro­du­tos de in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al, es­tá dei­xan­do es­sa dis­cus­são pa­ra trás en­quan­to EUA e Chi­na de­sen­vol­vem in­fra­es­tru­tu­ra e ser­vi­ços. No lon­go pra­zo, só re­gu­la­ção não con­tri­bui pa­ra a pro­te­ção de pri­va­ci­da­de. A mu­dan­ça não vi­rá das big te­chs ou da pres­são de ou­tras gran­des em­pre­sas de ma­nu­fa­tu­ra, mas do mo­vi­men­to de ci­da­dãos, de pla­nos de go­ver­no e de agen­das po­lí­ti­cas.

Big Te­ch, As­cen­são dos Da­dos e a Mor­te da Po­lí­ti­ca

Ev­geny Mo­ro­zov, ed. Ubu, R$ 49,90, 192 págs.

Ev­geny Mo­ro­zov,34 crí­ti­co da vi­são de que a tec­no­lo­gia é uma en­ti­da­de se­pa­ra­da das for­ças econô­mi­cas e ge­o­po­lí­ti­cas, o es­cri­tor bi­e­lor­rus­so pu­bli­cou três li­vros: “Big Te­ch, a As­cen­são dos Da­dos e a Mor­te da Po­lí­ti­ca” (2018), “Pa­ra Sal­var Tu­do, Cli­que Aqui” (2013) e “A Ilu­são de Re­de: O La­do Obs­cu­ro da Li­ber­da­de na In­ter­net” (2012)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.