Foi ga­nân­cia, o ne­gó­cio do li­vro é pe­que­no e não ca­be no mo­de­lo atu­al

Edi­tor, li­vrei­ro e só­cio da Mar­tins Fontes diz que mer­ca­do não tem vo­ca­ção pa­ra re­des do por­te da Sa­rai­va e Cul­tu­ra

Folha de S.Paulo - - Mercado - Ka­ri­me Xa­vi­er/Folhapress Jo­a­na Cu­nha

Edi­tor, li­vrei­ro e só­cio da Mar­tins Fontes, Evan­dro Mar­tins Fontes diz que o mer­ca­do de li­vros bra­si­lei­ro não tem vo­ca­ção pa­ra re­des do por­te das va­re­jis­tas Sa­rai­va e Cul­tu­ra.

Além de con­cor­ren­te co­mo va­re­jis­ta, o em­pre­sá­rio é cre­dor da Li­vra­ria Cul­tu­ra en­quan­to edi­tor.

Ele cri­ti­ca a po­lí­ti­ca co­mer­ci­al ado­ta­da pe­las gran­des edi­to­ras pa­ra ne­go­ci­ar com as li­vra­ri­as Sa­rai­va e Cul­tu­ra, que diz te­rem si­do fa­vo­re­ci­das, pre­ju­di­can­do as pe­que­nas e mé­di­as lo­jas de li­vros.

“Foi ga­nân­cia. O ne­gó­cio do li­vro é pe­que­no. É um mo­de­lo de ne­gó­cio que não ca­be nes­se mer­ca­do”, afir­ma.

Co­mo o ne­gó­cio de li­vros che­gou a es­te pon­to?

Dei­xei de for­ne­cer li­vros pa­ra a Li­vra­ria Cul­tu­ra há dois anos por fal­ta de pa­ga­men­to.

Es­sa cri­se não é no­vi­da­de. Sur­pre­en­de-me qu­an­do ago­ra vem a pú­bli­co o mon­tan­te que al­gu­mas edi­to­ras têm com es­sas em­pre­sas. Fi­co es­pan­ta­do. Co­mo os di­re­to­res des­sas edi­to­ras per­mi­ti­ram que is­so acon­te­ces­se? Eu os ve­jo co­mo co­ni­ven­tes.

Uma edi­to­ra não che­ga a um va­lor co­mo es­se [de dí­vi­das acu­mu­la­das pe­las li­vra­ri­as] em pou­co tem­po. Se es­sas edi­to­ras fos­sem em­pre­sas de ca­pi­tal aber­to, es­ses di­re­to­res es­ta­ri­am so­fren­do pres­são pa­ra se afas­tar.

Al­gu­mas edi­to­ras es­tão em cam­pa­nha pa­ra es­ti­mu­lar o con­su­mo de li­vros. O que achou da ini­ci­a­ti­va?

O Luiz Schwarcz [pre­si­den­te do gru­po Com­pa­nhia das Le­tras] apa­re­ce na mí­dia fa­zen­do cam­pa­nha, se de­cla­ran­do apai­xo­na­do pe­lo li­vro. Acho pi­e­gas, sou bem crí­ti­co.

Es­ses gran­des gru­pos editoriais, ao lon­go des­ses anos to­dos, pra­ti­ca­ram uma po­lí­ti­ca co­mer­ci­al bas­tan­te di­fe­ren­te, ofe­re­cen­do des­con­tos mui­to mai­o­res pa­ra Sa­rai­va e Cul­tu­ra do que pa­ra as pe­que­nas e mé­di­as li­vra­ri­as. Ele não te­ve pai­xão pe­las li­vra­ri­as pe­que­nas na úl­ti­ma dé­ca­da.

Ao lon­go des­sa mais de uma dé­ca­da em que as­sis­ti­mos ao cres­ci­men­to de Sa­rai­va e Cul­tu­ra, eu tes­te­mu­nhei mui­tas pe­que­nas li­vra­ri­as fe­chan­do as por­tas em de­cor­rên­cia des­se cres­ci­men­to des­sas du­as re­des.

A que o sr. atri­bui a cri­se das em­pre­sas?

O pe­que­no e mé­dio li­vrei­ros nem con­se­guem com­prar di­re­ta­men­te de uma edi­to­ra co­mo a Com­pa­nhia das Le­tras.

Ele é obri­ga­do a com­prar por meio de um dis­tri­bui­dor, que, pa­ra con­se­guir ter mar­gem, ven­de com des­con­to má­xi­mo de 40%, en­quan­to o des­con­to re­ce­bi­do pe­la Sa­rai­va po­de ter cer­te­za de que não era me­nos de 60%.

Na sua opi­nião, hou­ve má ges­tão?

É um cer­ti­fi­ca­do de ir­res­pon­sa­bi­li­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va. Ve­jo um pro­ble­ma de mo­de­lo de ne­gó­cio. E não uma cri­se do li­vro co­mo pro­du­to. As ven­das de li­vros cres­ce­ram. Es­ses ca­sos são pon­tu­ais.

Por umas três dé­ca­das, a Cul­tu­ra te­ve uma úni­ca li­vra­ria no Con­jun­to Na­ci­o­nal, na ave­ni­da Pau­lis­ta, du­ran­te es­se tem­po não atra­sa­va um pa­ga­men­to nem se­quer ao for­ne­ce­dor. Só tra­ba­lha­va com pe­di­do fir­me de com­pra, sem con­sig­na­ção.

A Sa­rai­va passou a in­ves­tir em gran­des lo­jas em shop­pings, e a Cul­tu­ra quis con­cor­rer e co­me­çou a abrir lo­jas em shop­ping.

O sr. con­si­de­ra que te­nha si­do um pas­so mai­or que a per­na?

Foi ga­nân­cia. O ne­gó­cio do li­vro é pe­que­no. É um mo­de­lo de ne­gó­cio que não ca­be nes­se mer­ca­do. A Sa­rai­va já foi uma edi­to­ra im­por­tan­tís­si­ma pu­bli­can­do li­vros ju­rí­di­cos.

Eles ven­de­ram a edi­to­ra. Des­fi­ze­ram-se do car­ro-che­fe. Pas­sa­ram a ven­der ele­trô­ni­cos e vi­ra­ram as cos­tas pa­ra o li­vro.

On­de es­tá o er­ro nes­se mo­de­lo de ne­gó­cio que eles ex­pe­ri­men­ta­ram?

O fi­lho che­ga com ou­tra vi­são, que­ren­do abrir ca­pi­tal. Mas, pa­ra is­so, tem de ter vo­lu­me.

Só que, des­de 2014, o país se viu nu­ma si­tu­a­ção econô­mi­ca complicada. Co­mo vo­cê in­ves­te em lo­jas em gran­des shop­pings? Tem de pe­gar di­nhei­ro em­pres­ta­do. Par­te da dí­vi­da de­las é com o BNDES.

A par­tir de ago­ra, co­mo fi­cam es­se mer­ca­do e a evo­lu­ção da cul­tu­ra de lei­tu­ra no Brasil?

Eles dei­xam um pre­juí­zo gi­gan­te pa­ra o mer­ca­do. É ine­gá­vel a con­tri­bui­ção que es­sas em­pre­sas trou­xe­ram há dé­ca­das, mas o le­ga­do que fi­ca a par­tir de ago­ra é pre­juí­zo. Apa­ga o que foi fei­to lá atrás. Não sou oti­mis­ta, não te­nho ex­pec­ta­ti­va de que elas se re­cu­pe­rem.

Co­mo edi­tor, quan­to é a dí­vi­da de­les com vo­cês?

É mí­ni­mo com­pa­ra­do com os ou­tros cre­do­res por­que dei­xei de for­ne­cer em ou­tu­bro de 2016, mas su­pe­ra R$ 200 mil.

A dí­vi­da da Cul­tu­ra, não só com edi­to­res, su­pe­ra R$ 200 mi­lhões. Co­mo vo­cê ge­ra um pre­juí­zo des­sa na­tu­re­za e ain­da po­sa de bon­zi­nho por­que tra­ba­lha com li­vro, que é vis­to co­mo um pro­du­to cul­tu­ral?

Es­tou sem­pre ven­do Pedro Herz [só­cio da Cul­tu­ra] pas­se­an­do em No­va York, Frank­furt. Por um bom tem­po, ele an­dou de he­li­cóp­te­ro em São Pau­lo, pa­ra ci­ma e pa­ra bai­xo. Vou fe­char os olhos pa­ra is­so? Eu sou cre­dor.

“É ine­gá­vel a con­tri­bui­ção que es­sas em­pre­sas trou­xe­ram há dé­ca­das, mas o le­ga­do que fi­ca é pre­juí­zo

Evan­dro Mar­tins Fontes, 57Edi­tor, li­vrei­ro e só­cio da Mar­tins Fontes; ba­cha­rel em Ar­tes pe­la Ins­ti­tu­to de Ar­tes da Ca­li­fór­nia e mes­tre em edi­to­ra­ção pe­la Uni­ver­si­da­de de No­va York

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.