VOU CHA­MAR O SÍN­DI­CO

Por­tei­ro po­de men­tir pa­ra ofi­ci­al de Jus­ti­ça?

Folha de S.Paulo - - Sobremorar - Mar­cio Ra­ch­korsky Ad­vo­ga­do, é mem­bro da Co­mis­são de Di­rei­to Ur­ba­nís­ti­co da OAB-SP

Fun­ci­o­ná­rio que ocul­ta mo­ra­dor é cúm­pli­ce de cri­me e po­de ser de­mi­ti­do por jus­ta cau­sa

To­dos os di­as, um ba­ta­lhão de ofi­ci­ais de Jus­ti­ça vi­si­ta os con­do­mí­ni­os com a mis­são de lo­ca­li­zar pes­so­as pa­ra en­tre­gar man­da­dos, in­ti­ma­ções e citações ju­di­ci­ais.

Na maioria dos ca­sos, o por­tei­ro in­ter­fo­na, o mo­ra­dor des­ce, re­ce­be o ofi­ci­al, as­si­na o do­cu­men­to e o as­sun­to é li­qui­da­do.

No en­tan­to, sem­pre há os que usam as tá­ti­cas mais an­ti­gas e in­fa­mes pa­ra ten­tar obs­truir a Jus­ti­ça.

Es­ses mo­ra­do­res não aten­dem o in­ter­fo­ne, man­dam di­zer que não es­tão em ca­sa ou que não mo­ram mais no pré­dio e até pedem pa­ra fa­lar que já mor­re­ram.

Po­bre do por­tei­ro que, acu­a­do, não sa­be se diz a ver­da­de ou se aca­ta a “or­dem” do condô­mi­no.

Mal trei­na­dos e sem o de­vi­do res­pal­do do ze­la­dor e do sín­di­co, mui­tos fun­ci­o­ná­ri­os men­tem pa­ra o ofi­ci­al e nem ima­gi­nam que es­tão co­me­ten­do cri­me, que po­de atra­pa­lhar su­as vi­das e até fun­da­men­tar uma de­mis­são por jus­ta cau­sa.

Com a ha­bi­li­da­de tí­pi­ca dos pi­ca­re­tas, o mo­ra­dor que usa o por­tei­ro pa­ra se ocul­tar da Jus­ti­ça cos­tu­ma se va­ler de di­ver­sos ar­gu­men­tos sen­ti­men­tais.

Fa­lam coi­sas do ti­po “vo­cê me co­nhe­ce, co­nhe­ce to­da mi­nha fa­mí­lia, sa­be que so­mos bo­as pes­so­as”, “es­tou sen­do in­jus­ti­ça­do, me aju­da aí que de­pois vou re­sol­ver is­so com cal­ma”.

O por­tei­ro não po­de im­pe­dir o aces­so do ofi­ci­al de Jus­ti­ça, tam­pou­co re­tar­dar sua en­tra­da, ne­gar in­for­ma­ções ou pres­tá-las de for­ma fal­sa, sob pe­na de con­fi­gu­rar os cri­mes de de­so­be­di­ên­cia e de­sa­ca­to.

Por ve­zes, tra­ta-se de um condô­mi­no de­ve­dor. Nes­se ca­so, a ocul­ta­ção pre­ju­di­ca to­da a mas­sa con­do­mi­ni­al, em ra­zão do atra­so no an­da­men­to da pró­pria ação ju­di­ci­al pa­ra co­bran­ça.

Há re­gras sim­ples, e to­da equi­pe de­ve ser trei­na­da e ori­en­ta­da pa­ra os se­guin­tes pro­ce­di­men­tos:

1) To­do ofi­ci­al de Jus­ti­ça pre­ci­sa se iden­ti­fi­car e apre­sen­tar sua car­tei­ra funcional, além de mos­trar o man­da­do ju­di­ci­al, por ques­tões ób­vi­as de se­gu­ran­ça;

2) O por­tei­ro de­ve in­ter­fo­nar na uni­da­de, mas tam­bém de­ve, a pe­di­do do ofi­ci­al, fa­ci­li­tar sua en­tra­da, ca­so op­te por su­bir di­re­to até o apar­ta­men­to;

3) Em ca­so de con­fu­são, co­a­ção ou pe­di­dos im­pró­pri­os, a Po­lí­cia Mi­li­tar de­ve ser aci­o­na­da;

4) O por­tei­ro de­ve re­la­tar for­mal­men­te ao sín­di­co qual­quer ocor­rên­cia re­la­ci­o­na­da com o te­ma e de­ve re­ce­ber to­do apoio, res­pal­do e ori­en­ta­ção da ad­mi­nis­tra­ção;

5) O mo­ra­dor que ten­tar uti­li­zar o por­tei­ro pa­ra obs­truir a Jus­ti­ça de­ve­rá ser ad­ver­ti­do e, na rein­ci­dên­cia, re­ce­ber mul­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.