Do­ria cha­ma ex-che­fe da PM pa­ra pre­sí­di­os e aguar­da Mei­rel­les

Folha de S.Paulo - - Cotidiano - Ro­gé­rio Pag­nan e Ro­gé­rio Gen­ti­le Mar­cus Le­o­ni/Folhapress

Ex-co­man­dan­te­ge­ral da Po­lí­cia Mi­li­tar de São Pau­lo, o co­ro­nel Ni­val­do Res­ti­vo, 53, de­ve ser anun­ci­a­do nos pró­xi­mos di­as pe­lo go­ver­na­dor elei­to João Do­ria (PSDB) co­mo fu­tu­ro se­cre­tá­rio da Ad­mi­nis­tra­ção Pe­ni­ten­ciá­ria.

Ele se­rá res­pon­sá­vel pe­la ges­tão de 171 uni­da­des pri­si­o­nais, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 140 mil pre­sos e po­pu­la­ção atu­al de cerca de 227 mil pre­sos.

Já pa­ra a Se­cre­ta­ria da Fa­zen­da, Do­ria pre­ten­de anun­ci­ar na se­gun­da-fei­ra (10) o ex-mi­nis­tro Hen­ri­que Mei­rel­les, can­di­da­to der­ro­ta­do do MDB à Pre­si­dên­cia. Ele já fez o con­vi­te e es­tá confiante de que ele acei­ta­rá. A res­pos­ta de­ve ser dada por Mei­rel­les no fi­nal de se­ma­na.

Ex-pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral de Luiz Iná­cio Lu­la da Silva (PT), Mei­rel­les foi tam­bém mi­nis­tro da Fa­zen­da de Mi­chel Te­mer (MDB). Dei­xou o car­go pa­ra con­cor­rer ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to — ob­te­ve 1,2% dos vo­tos vá­li­dos.

Se a no­me­a­ção for con­fir­ma­da, pas­sa­rá a ser o sex­to mi­nis­tro do go­ver­no Te­mer na equi­pe do tu­ca­no.

O co­ro­nel Res­ti­vo, que de­ve as­su­mir a Ad­mi­nis­tra­ção Pe­ni­ten­ciá­ria, é atu­al che­fe de ga­bi­ne­te de Má­gi­no Al­ves Bar­bo­sa Fi­lho na Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. O ofi­ci­al já co­man­dou a Ro­ta e te­ve par­ti­ci­pa­ção in­di­re­ta na ação po­li­ci­al co­nhe­ci­da co­mo mas­sa­cre do Ca­ran­di­ru, em 1992, que re­sul­tou na mor­te de 111 pre­sos.

À épo­ca, ele era te­nen­te no Ba­ta­lhão de Cho­que e res­pon­sá­vel pe­lo su­pri­men­to do ma­te­ri­al lo­gís­ti­co da tro­pa.

Res­ti­vo as­su­mi­rá no lu­gar de Lou­ri­val Go­mes, que tra­ba­lha no sis­te­ma pri­si­o­nal há 47 anos e um dos mai­o­res co­nhe­ce­do­res do as­sun­to no país.

Des­de que as­su­miu car­gos de re­le­vo em 2006, após os ata­ques do PCC pe­lo es­ta­do, Lou­ri­val con­se­guiu es­tan­car a cri­se nos pre­sí­di­os —pra­ti­ca­men­te ze­ran­do as re­be­liões e uma sé­rie de mor­tes, ape­sar da su­per­lo­ta­ção cres­cen­te.

Lou­ri­val passou a co­man­dar a pas­ta em 2009, no lu­gar de Antô­nio Fer­rei­ra Pinto, que foi pa­ra a Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca.

Ame­a­ça­do há anos pe­lo PCC, Lou­ri­val vi­ve uma ro­ti­na de for­te es­que­ma de se­gu­ran­ça e é aves­so a en­tre­vis­tas. A úl­ti­ma foi so­bre ope­ra­ção que de­sen­ca­de­ou uma das mai­o­res ações con­tra a fac­ção, a Ope­ra­ção Eche­lon.

Fi­lho de um sar­gen­to da Po­lí­cia Mi­li­tar, o ex-co­man­dan­te da PM ga­nhou pres­tí­gio na cú­pu­la da Se­gu­ran­ça após con­se­guir fa­zer o tra­ba­lho de com­ba­te ao cri­me e re­du­zir uma sé­rie de in­di­ca­do­res de vi­o­lên­cia. Qu­an­do Már­cio Fran­ça (PSB) as­su­miu o go­ver­no, foi con­vi­da­do pa­ra ser che­fe de ga­bi­ne­te da se­cre­ta­ria.

Pa­ra a Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Do­ria já anun­ci­ou no mês pas­sa­do um ge­ne­ral da re­ser­va —João Camilo Pi­res de Cam­pos. Se­rá a pri­mei­ra vez que um no­me do Exér­ci­to co­man­da a pas­ta des­de 1979, du­ran­te o re­gi­me mi­li­tar, qu­an­do Eras­mo Di­as foi ti­tu­lar da se­cre­ta­ria.

O no­me de Res­ti­vo pa­ra a SAP agra­dou a se­to­res do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e da PM que de­fen­dem a am­pli­a­ção da ofen­si­va con­tra o PCC, fac­ção cri­mi­no­sa nas­ci­da nos pre­sí­di­os de SP e que, es­ti­ma­se, con­tro­la ho­je 90% do sis­te­ma pri­si­o­nal pau­lis­ta.

Man­ter o con­tro­le das uni­da­des se­rá um dos gran­des desafios pa­ra o fu­tu­ro se­cre­tá­rio dos pre­sí­di­os já que de­ve­rá her­dar o sis­te­ma com Mar­co Ca­ma­cho, o Mar­co­la, trans­fe­ri­do pa­ra um pre­sí­dio fe­de­ral. Ain­da é in­cer­ta qual se­rá a re­a­ção dos pre­sos se a mo­vi­men­ta­ção se con­cre­ti­zar.

A per­ma­nên­cia de Lou­ri­val Go­mes era dada co­mo cer­ta até o iní­cio da se­ma­na. Se­gun­do pes­so­as li­ga­das ao no­vo go­ver­na­dor, o que te­ria pe­sa­do na de­ci­são do tu­ca­no de mu­dar foi uma con­ver­sa en­tre Do­ria e o se­cre­tá­rio so­bre a cons­tru­ção de no­vos pre­sí­di­os, por meio de par­cei­ras com a ini­ci­a­ti­va pri­va­da, as PPPs. Lou­ri­val não te­ria de­mons­tra­do em­pol­ga­ção, o que frus­trou o fu­tu­ro go­ver­na­dor.

Nes­ta sex­ta (7), após a pri­mei­ra reu­nião dos 17 se­cre­tá­ri­os já anun­ci­a­dos, o vi­ce-go­ver­na­dor elei­to Ro­dri­go Gar­cia (DEM) afir­mou que já no dia 1º de ja­nei­ro de 2019 se­rão pu­bli­ca­dos de­cre­tos com o cor­te de car­gos co­mis­si­o­na­dos nas se­cre­ta­ri­as e au­tar­qui­as.

Se­gun­do ele, a ce­rimô­nia de pos­se do no­vo go­ver­no, em 1º de ja­nei­ro, de­ve ser mais en­xu­ta e rá­pi­da, pa­ra evi­tar gas­tos con­si­de­ra­dos des­ne­ces­sá­ri­os.

Ni­val­do Res­ti­vo, in­di­ca­do pa­ra se­cre­ta­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.