Pro­fes­so­res re­cor­rem a Uber e cons­tru­ção pa­ra pa­gar con­tas

Folha de S.Paulo - - Cotidiano - Mô­ni­ca Ma­nir Isis Me­dei­ros/No­va Es­co­la No­va Es­co­la

“Mi­nha fi­lha, aqui a gen­te dá uns pu­los.” As­sim, Cí­ce­ro Fer­rei­ra de Li­ma re­su­me seu ma­la­ba­ris­mo pa­ra fe­char as con­tas do mês sen­do pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca na es­co­la es­ta­du­al Al­ber­to Cal­dei­ra, em Fa­ri­as, dis­tri­to de Gu­a­nhães (MG).

Qu­an­do não es­tá dan­do au­la, ele as­sen­ta pi­sos de ce­râ­mi­ca, cha­pis­ca pa­re­des e dá o aca­ba­men­to com re­bo­co em ca­sas da ci­da­de. Apa­re­ceu um pro­ble­ma com a bom­ba hi­dráu­li­ca ou o chu­vei­ro en­cren­cou? Lá es­tá Cí­ce­ro.

O pro­fes­sor tam­bém faz cor­ri­das com seu Cor­sa até Gu­a­nhães, a 45 quilô­me­tros por estrada de ter­ra. Co­bra R$ 100. “Fa­lar pra vo­cê que com­pen­sa, com­pen­sa não”, diz. “Aqui a ga­so­li­na é ca­ra, a estrada de chão não pres­ta, fa­ço mais pa­ra aju­dar quem pre­ci­sa.”

O gua­nha­nen­se fa­la co­mo se ne­ces­si­ta­do não fos­se. Mas, aos 40 anos, tem ape­nas um car­go co­mo con­tra­ta­do. São 17 au­las por se­ma­na, pe­las quais ga­nha R$ 1.600. Pro­fes­sor há qua­se uma dé­ca­da, diz que, fi­nan­cei­ra­men­te, se­ria me­lhor se con­cen­trar na fun­ção de pe­drei­ro. “Mas eu ado­ro es­tar com os me­ni­nos na es­co­la, é a me­lhor coi­sa que exis­te.”

A mu­lher, Da­nú­bia da Cos­ta Tei­xei­ra, 34, le­ci­o­na na mes­ma ins­ti­tui­ção, mas co­mo con­cur­sa­da, e nos pe­río­dos da ma­nhã e da noi­te. Su­as au­las de por­tu­guês lhe ren­dem R$ 2.000, que são pa­gos em três par­ce­las ao lon­go do mês.

Acon­te­ce que a so­ma sa­la­ri­al dos dois não ga­ran­te o sus­ten­to do ca­sal nem dos fi­lhos, de 11 e 4 anos. En­tão, qu­an­do apa­re­ce, Da­nú­bia faz pa­les­tras pa­ra o Se­brae, pe­las quais re­ce­be em mé­dia R$ 150, cor­ri­ge re­da­ções do Enem e pres­ta as­ses­so­ria em tra­ba­lhos de conclusão de cur­so.

De olho nu­ma me­lhor for­ma­ção, ela faz dou­to­ra­do em lin­guís­ti­ca teó­ri­co-des­cri­ti­va na Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Mi­nas Ge­rais (UFMG), em Be­lo Ho­ri­zon­te. Co­mo o go­ver­no cor­tou as bol­sas da Ca­pes, Da­nú­bia ven­de ba­na­nas ver­des fri­tas na fa­cul­da­de pa­ra cus­te­ar a viagem e aceita a gua­ri­da dos pro­fes­so­res pa­ra dor­mir na ca­sa de­les na ca­pi­tal.

A jor­na­da do ca­sal re­fle­te o jei­to que os edu­ca­do­res bra­si­lei­ros en­con­tram pa­ra so­bre­vi­ver aos con­tra­tos pre­cá­ri­os e à bai­xa re­mu­ne­ra­ção. Pa­ra José Mar­ce­li­no de Re­zen­de Pinto, pro­fes­sor da USP com ex­pe­ri­ên­cia em po­lí­ti­ca e ges­tão edu­ca­ci­o­nal, o pro­ble­ma re­mon­ta ao sé­cu­lo 19.

De fa­to, em 1891, o mé­di­co, jor­na­lis­ta e his­to­ri­a­dor José Ri­car­do Pi­res de Al­mei­da já de­nun­ci­a­va “a fun­ção mal re­mu­ne­ra­da que não en­con­tra na opi­nião pú­bli­ca a con­si­de­ra­ção a que tem di­rei­to mui­to mais que as ou­tras”. A ques­tão, po­rém, não se re­sol­veu. “Vi­ve­mos uma cri­se crô­ni­ca de re­mu­ne­ra­ção”, diz Re­zen­de.

O so­ció­lo­go Ri­car­do An­tu­nes, da Uni­camp, apon­ta o pe­río­do da di­ta­du­ra mi­li­tar co­mo um di­vi­sor de águas. “A di­ta­du­ra, no seu con­jun­to, tinha a ideia de in­cen­ti­var as es­co­las pri­va­das, o que de­bi­li­tou as cha­ma­das es­co­las de apli­ca­ção, que en­sai­a­vam um pro­je­to pú­bli­co mais qua­li­ta­ti­vo.”

Se­gun­do An­tu­nes, os go­ver­nos que se su­ce­de­ram não en­fa­ti­za­ram uma po­lí­ti­ca de re­cu­pe­ra­ção do que se perdeu em ter­mos de excelência.

Uma con­quis­ta a apon­tar é a lei nº 11.738, de 2008, que ins­ti­tuiu o Pi­so Sa­la­ri­al Pro­fis­si­o­nal Na­ci­o­nal e es­ti­pu­lou um va­lor abai­xo do qual ne­nhum pro­fes­sor de­ve re­ce­ber. Em 2009, ele era de R$ 950; ho­je, per­faz bru­tos R$ 2.455 pa­ra 40 ho­ras se­ma­nais.

“Mas atu­al­men­te ape­nas 66% dos mu­ni­cí­pi­os cum­prem o pi­so e so­men­te 14 es­ta­dos re­mu­ne­ram o mí­ni­mo pre­vis­to em lei”, diz An­na He­le­na Al­ten­fel­der, pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do Cen­tro de Es­tu­dos e Pes­qui­sas em Edu­ca­ção, Cul­tu­ra e Ação Co­mu­ni­tá­ria (Cen­pec).

Ela ex­pli­ca que mui­tas ci­da­des de pe­que­no por­te têm di­fi­cul­da­de de ar­re­ca­da­ção, um dos mo­ti­vos pa­ra não pa­gar o mí­ni­mo. Já nos gran­des cen­tros, cum­pre-se o pi­so, mas ele es­tá mui­to aquém de aten­der a con­di­ções de vi­da com mo­ra­dia, trans­por­te, ali­men­ta­ção e aces­so à cul­tu­ra.

An­na fri­sa que é pre­ci­so ga­ran­tir a va­lo­ri­za­ção gra­du­al dos sa­lá­ri­os e a in­cor­po­ra­ção das gra­ti­fi­ca­ções, que, diz, são mui­tas ve­zes uti­li­za­das pa­ra não au­men­tar o sa­lá­rio-ba­se.

O pro­fes­sor de ma­te­má­ti­ca e fí­si­ca Ale­xan­dre Gonçalo San­ta­na, 47, mo­ra no Rio de Ja­nei­ro, ca­pi­tal de um es­ta­do cu­ja calamidade fi­nan­cei­ra es­tá di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­da com a pre­ca­ri­e­da­de do pro­fes­so­ra­do. Do­no de ape­nas uma ma­trí­cu­la, con­se­guia se man­ter por meio das ho­ras ex­tras que fa­zia.

“Eu fa­zia do­bra nas es­co­las, tinha is­so co­mo um sa­lá­rio que com­pre­en­dia to­dos os meus cus­tos, até al­guns pas­sei­os”, diz. Mas, há um ano, ele perdeu es­sas ho­ras ex­tras — que não são in­cor­po­ra­das ao sa­lá­rio na apo­sen­ta­do­ria— e não con­se­guiu mais pa­gar su­as des­pe­sas com a re­mu­ne­ra­ção de do­cen­te em Ni­ló­po­lis.

Ale­xan­dre ven­deu o car­ro e com­prou ou­tro adap­ta­do pa­ra gás, mais econô­mi­co. Ho­je ele ro­da co­mo Uber no con­tra­tur­no das três au­las se­ma­nais e não des­can­sa nos fins de se­ma­na. Acres­cen­tou cerca de R$ 2.000 das cor­ri­das ao sa­lá­rio de R$ 4.000, além de R$ 600 por mês com as três au­las por se­ma­na que dá a pre­sos do Com­ple­xo de Ban­gu.

Es­tu­do do To­dos pe­la Edu­ca­ção mos­tra que 29% dos 2.000 en­tre­vis­ta­dos têm ocu­pa­ções ex­tras pa­ra com­ple­men­tar a ren­da. Des­ses, 9% fo­cam ati­vi­da­des edu­ca­ci­o­nais, co­mo Da­nú­bia, 5% se vol­tam ao co­mér­cio, co­mo os co­le­gas de­la, e 3% pres­tam ser­vi­ços, co­mo Cí­ce­ro e Ale­xan­dre.

Cí­ce­ro Fer­rei­ra de Li­ma, 40, pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca em Fa­ri­as (MG)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.