Hu­ma­nos di­rei­tos

A Declaração Uni­ver­sal, 70, se tor­nou uma es­pé­cie de ân­co­ra mo­ral da hu­ma­ni­da­de

Folha de S.Paulo - - Cotidiano - Os­car Vi­lhe­na Vi­ei­ra Pro­fes­sor da FGV Di­rei­to SP, mes­tre em di­rei­to pe­la Uni­ver­si­da­de Co­lum­bia (EUA) e dou­tor em ci­ên­cia po­lí­ti­ca pe­la USP

A Declaração Uni­ver­sal de Di­rei­tos Hu­ma­nos, que com­ple­ta 70 anos nes­ta pró­xi­ma se­gun­da-fei­ra (10), re­pre­sen­tou uma re­a­ção da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal ao to­ta­li­ta­ris­mo e às bar­bá­ri­es da 2ª Gu­er­ra que le­va­ram à mor­te mais de 40 mi­lhões de pes­so­as, en­tre 1937 e 1945. Es­ti­ma-se que a mai­or par­te des­sas mor­tes não se deu em com­ba­te. Fo­ram na­ci­o­nais li­qui­da­dos pe­los seus pró­pri­os Es­ta­dos.

A des­con­si­de­ra­ção de va­lo­res uni­ver­sais co­mo dig­ni­da­de, li­ber­da­de e igual­da­de; o de­sen­can­ta­men­to com as ins­ti­tui­ções da de­mo­cra­cia li­be­ral; e a as­cen­são de um na­ci­o­na­lis­mo exa­cer­ba­do e de ide­o­lo­gi­as to­ta­li­tá­ri­as e su­pre­ma­cis­tas fa­vo­re­ce­ram a de­mo­ni­za­ção de mi­no­ri­as ét­ni­cas, re­li­gi­o­sas e po­lí­ti­cas, le­van­do ao ge­no­cí­dio.

Im­pos­sí­vel con­ce­ber que ofi­ci­ais do Exér­ci­to ale­mão —que ha­vi­am es­tu­da­do Kant, He­gel ou Go­ethe no co­lé­gio e que exi­bi­am a cruz no pei­to— te­nham or­de­na­do a in­ci­ne­ra­ção de mi­lhões de pes­so­as, in­clu­si­ve cri­an­ças, sem en­ten­der­mos o pro­ces­so de de­su­ma­ni­za­ção a que os ju­deus fo­ram sub­me­ti­dos pe­la ide­o­lo­gia na­zis­ta. A des­cons­ti­tui­ção do ou­tro co­mo su­jei­to ple­no de di­rei­tos es­tá na raiz de to­das as for­mas de bar­bá­rie, co­mo aler­ta a pró­pria Declaração em seu preâm­bu­lo.

Nes­tes úl­ti­mos 70 anos a Declaração tor­nou-se uma es­pé­cie de ân­co­ra mo­ral da hu­ma­ni­da­de. Ao re­co­nhe­cer que a dig­ni­da­de é al­go ine­ren­te a to­das as pes­so­as, sem qual­quer dis­tin­ção, ex­cluiu por com­ple­to a ideia de que ape­nas os “hu­ma­nos di­rei­tos” se­jam su­jei­tos dos di­rei­tos hu­ma­nos. É in­te­res­san­te cons­ta­tar que to­dos os seus ar­ti­gos se ini­ci­am com o pro­no­me “to­dos” ou “nin­guém”. Nes­se sen­ti­do não po­dem os go­ver­nos es­co­lher quem me­re­ce e quem não me­re­ce ter di­rei­tos hu­ma­nos ou mes­mo que di­rei­tos irá ou não res­pei­tar. O con­jun­to de di­rei­tos re­co­nhe­ci­do pe­la Declaração cons­ti­tui um pa­râ­me­tro mí­ni­mos de jus­ti­ça e ci­vi­li­da­de que le­gi­ti­ma o exer­cí­cio do poder.

A par­tir da Declaração foi pos­sí­vel de­nun­ci­ar o co­lo­ni­a­lis­mo eu­ro­peu, a se­gre­ga­ção ra­ci­al nos Es­ta­dos Uni­dos, a re­pres­são aos dis­si­den­tes na União So­vié­ti­ca, o ar­bí­trio e a vi­o­lên­cia dos mi­li­ta­res na Amé­ri­ca La­ti­na, o apartheid na Áfri­ca do Sul, os ge­no­cí­di­os em Ru­an­da e na ex-Iu­gos­lá­via co­mo prá­ti­cas ina­cei­tá­veis, que de­vem ser pu­ni­das, mui­tas de­las, co­mo cri­mes con­tra a hu­ma­ni­da­de.

Com a que­da do mu­ro de Ber­lim, no fi­nal dos anos 80, e a on­da de de­mo­cra­ti­za­ção que se ini­ci­ou no sul da Eu­ro­pa e de­pois se di­fun­diu pe­la Amé­ri­ca La­ti­na e di­ver­sos paí­ses da Áfri­ca e da Ásia, tes­te­mu­nha­mos um pe­río­do de gran­de ex­pan­são dos di­rei­tos hu­ma­nos, que tor­na­ram mui­tas de nos­sas so­ci­e­da­des mais ge­ne­ro­sas, to­le­ran­tes e in­clu­si­vas.

Vi­ve­mos ho­je um mo­men­to de in­fle­xão. Uma no­va on­da na­ci­o­na­lis­ta tem na­tu­ra­li­za­do discursos e prá­ti­cas in­to­le­ran­tes e fa­vo­re­ci­do a as­cen­são de li­de­ran­ças au­to­crá­ti­cas e po­pu­lis­tas, tan­to à di­rei­ta co­mo à es­quer­da, co­lo­can­do mais uma vez em ris­co não ape­nas os va­lo­res de­fen­di­dos pe­la Declaração Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, co­mo a pró­pria paz, pros­pe­ri­da­de e bem-es­tar con­quis­ta­dos pe­los os paí­ses que fo­ram ca­pa­zes de pro­mo­ver e res­pei­tar es­ses di­rei­tos.

O gran­de de­sa­fio, nes­te mo­men­to, não é ape­nas de­fen­der os di­rei­tos hu­ma­nos em re­la­ção aos ata­ques que vêm re­ce­ben­do ao re­dor do mun­do, mas bus­car con­ven­cer nos­sos in­ter­lo­cu­to­res —es­pe­ci­al­men­te aque­les que des­con­fi­am dos di­rei­tos hu­ma­nos— que di­fi­cil­men­te en­con­tra­re­mos paz e pros­pe­ri­da­de se não es­ti­ver­mos dis­pos­tos a tra­tar to­das as pes­so­as, sem ex­ce­ção, co­mo au­tên­ti­cos su­jei­tos de di­rei­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.