ONU la­men­ta de­sis­tên­cia do Brasil de se­di­ar reu­nião so­bre Acor­do de Paris

De­ci­são cau­sou sur­pre­sa e de­sa­pon­ta­men­to, di­zem fun­ci­o­ná­ri­os da en­ti­da­de, que es­pe­ra­vam cri­ar pon­te com go­ver­no Bol­so­na­ro

Folha de S.Paulo - - Ambiente - Ana Ca­ro­li­na Ama­ral Kac­per Pem­pel/Reuters A jor­na­lis­ta vi­a­jou a con­vi­te da ONG Bre­ad for the World.

A agência de mu­dan­ças cli­má­ti­cas da ONU re­ce­beu com la­men­to e de­cep­ção o co­mu­ni­ca­do bra­si­lei­ro so­bre a de­sis­tên­cia de se­di­ar a COP-25 do Cli­ma, se­gun­do in­ter­lo­cu­to­res que fa­la­ram à Fo­lha ao lon­go da pri­mei­ra se­ma­na de ne­go­ci­a­ções da COP-24, en­con­tro que dis­cu­te mei­os de im­ple­men­tar o Acor­do de Paris.

Se acon­te­ces­se no Brasil, a COP se­ria pre­si­di­da pe­lo fu­tu­ro mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Er­nes­to Araú­jo, que de­cla­ra não acre­di­tar no fenô­me­no das mu­dan­ças cli­má­ti­cas.

No en­tan­to, um fun­ci­o­ná­rio do al­to es­ca­lão da agência da ONU em Bonn, na Ale­ma­nha, afir­mou à re­por­ta­gem que a de­sis­tên­cia bra­si­lei­ra não cau­sou alí­vio, mas pre­o­cu­pa­ção.

Pa­ra mem­bros da di­re­to­ria da agência, a or­ga­ni­za­ção das COPs é uma opor­tu­ni­da­de de ala­van­car a agen­da cli­má­ti­ca nos paí­ses-sedes. Eles la­men­ta­ram o que cha­mam de “per­da de opor­tu­ni­da­de” de di­a­lo­gar com o go­ver­no de Bol­so­na­ro so­bre o Acor­do de Paris.

As­ses­so­res do se­cre­ta­ri­a­do de mu­dan­ças cli­má­ti­cas e ou­tros ofi­ci­ais que di­vi­dem o es­cri­tó­rio da agência con­fir­ma­ram à re­por­ta­gem as re­a­ções de sur­pre­sa e de­sa­pon­ta­men­to, pois até en­tão acom­pa­nha­vam com con­fi­an­ça o tra­ba­lho da di­plo­ma­cia bra­si­lei­ra pa­ra vi­a­bi­li­zar can­di­da­tu­ra na­ci­o­nal à se­de da COP-25.

Além da gi­nás­ti­ca do go­ver­no bra­si­lei­ro jun­to ao Con­gres­so e ao Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te pa­ra ga­ran­tir or­ça­men­to pa­ra a re­a­li­za­ção da COP, o Ita­ma­raty ne­go­ci­ou ao lon­go do ano com a Ve­ne­zu­e­la a apro­va­ção de sua can­di­da­tu­ra pe­lo Gru­lac, gru­po dos paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na e Ca­ri­be, des­ti­no da pró­xi­ma Con­fe­rên­cia do Cli­ma da ONU.

O Gru­lac co­mu­ni­cou a can­di­da­tu­ra bra­si­lei­ra à ONU no iní­cio de ou­tu­bro. No fim de no­vem­bro, uma se­ma­na an­tes da COP-24, veio o co­mu­ni­ca­do de de­sis­tên­cia do Brasil, mo­ti­va­da pe­la in­cer­te­za do compromisso do go­ver­no elei­to com o Acor­do de Paris.

Um dos di­re­to­res ou­vi­dos ci­tou o exem­plo da Polô­nia, que pre­si­de até o fim da pró­xi­ma se­ma­na a COP-24, na ci­da­de de Ka­towi­ce, co­nhe­ci­da co­mo ca­pi­tal eu­ro­peia do car­vão. Se­gun­do ele, o even­to po­de aju­dar a abrir es­pa­ço po­lí­ti­co pa­ra dis­cu­tir a tran­si­ção ener­gé­ti­ca no país.

No en­tan­to, a pre­si­dên­cia po­lo­ne­sa tem si­do cri­ti­ca­da nos bas­ti­do­res por pri­o­ri­zar uma declaração po­lí­ti­ca, em vez de co­lo­car es­for­ços na ne­go­ci­a­ção da re­gu­la­men­ta­ção do Acor­do de Paris.

“Tran­si­ção jus­ta” é o no­me da car­ta, as­si­na­da por cerca de 50 paí­ses, que o país-se­de ten­ta pro­mo­ver co­mo um dos pro­du­tos da con­fe­rên­cia. O do­cu­men­to re­co­nhe­ce o de­sa­fio de re­giões de­pen­den­tes de ati­vi­da­des com al­tas emis­sões de car­bo­no. Ele tam­bém pede um fu­tu­ro de­cen­te aos tra­ba­lha­do­res dos se­to­res de com­bus­tí­veis fós­seis que se­rão im­pac­ta­dos pe­la tran­si­ção pa­ra ener­gi­as renováveis.

A Polô­nia tam­bém se­di­ou o even­to em 2008 e 2013, qu­an­do o país-se­de tam­bém re­ce­beu crí­ti­cas se­me­lhan­tes às atu­ais, pe­lo patrocínio de em­pre­sas car­vo­ei­ras no even­to, as­sim co­mo pe­lo lobby em fa­vor dos com­bus­tí­veis fós­seis e de po­si­ções que adi­am os pra­zos pa­ra es­ta­be­le­ci­men­to e re­vi­são de me­tas de re­du­ção de emis­sões dos ga­ses-es­tu­fa.

Nos cor­re­do­res da con­fe­rên­cia, as de­le­ga­ções de di­fe­ren­tes blo­cos tam­bém re­cla­mam que seus po­si­ci­o­na­men­tos te­ri­am si­do di­luí­dos nos ras­cu­nhos de re­gu­la­men­ta­ção téc­ni­ca do Acor­do de Paris.

Os ati­vis­tas am­bi­en­tais têm par­ti­ci­pa­ção tí­mi­da em Ka­towi­ce. Ma­ni­fes­ta­ções es­pon­tâ­ne­as es­tão proi­bi­das e a tra­di­ci­o­nal Mar­cha do Cli­ma, que mar­ca o iní­cio das COPs, fi­cou pa­ra es­te sá­ba­do (8), na me­ta­de do even­to.

Sob um go­ver­no de di­rei­ta, a Polô­nia re­for­ça a pre­o­cu­pa­ção de observadores das ne­go­ci­a­ções so­bre pos­sí­vel per­da de con­fi­an­ça no mul­ti­la­te­ra­lis­mo das ne­go­ci­a­ções cli­má­ti­cas, com a elei­ção de no­vos lí­de­res con­trá­ri­os ao Acor­do de Paris —Trump, nos Es­ta­dos Uni­dos, e Bol­so­na­ro, no Brasil.

Sob Trump, a de­le­ga­ção ofi­ci­al ame­ri­ca­na passou a pro­mo­ver nas COPs even­tos em de­fe­sa do gás, pe­tró­leo, car­vão e ener­gia nu­cle­ar. O even­to ame­ri­ca­no na COP-23, co­moa Fo­lha re­ve­lou na épo­ca, for­ta­le­ceu po­si­ci­o­na­men­tos fa­vo­rá­veis aos com­bus­tí­veis fós­seis de ou­tros paí­ses, co­mo a Aus­trá­lia.

Nes­te ano, or­ga­ni­za­ções que acom­pa­nham as ne­go­ci­a­ções de­nun­ci­am a for­te pre­sen­ça de lo­bis­tas da ener­gia nu­cle­ar e de tec­no­lo­gi­as de “car­vão mais lim­po”, que con­ta­ri­am com o apoio da pre­si­dên­cia po­lo­ne­sa pa­ra le­gi­ti­mar o uso des­ses re­cur­sos na tran­si­ção ener­gé­ti­ca pa­ra uma eco­no­mia de bai­xo car­bo­no.

Ago­ra, a Cos­ta Ri­ca apa­re­ce co­mo can­di­da­ta fa­vo­ri­ta a no­va se­de da COP-25, no ano que vem, cu­ja mis­são se­rá ele­var a am­bi­ção das me­tas de­ter­mi­na­das por ca­da país, al­go já pre­vis­to pa­ra acon­te­cer em 2020.

O pre­si­den­te da Cos­ta Ri­ca ex­pres­sou, pe­las re­des so­ci­ais, apoio à can­di­da­tu­ra e a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal re­ce­beu a ofer­ta com âni­mo, di­an­te da re­pu­ta­ção po­si­ti­va do país na agen­da am­bi­en­tal.

Cos­tar­ri­que­nhos pre­sen­tes no even­to, no en­tan­to, te­mem que o país não te­nha es­tru­tu­ra pa­ra re­ce­ber um even­to tão gran­de —as úl­ti­mas edi­ções das COPs reu­ni­ram en­tre 20 e 30 mil pes­so­as.

Em 2017, o mes­mo mo­ti­vo le­vou a ilha de Fi­ji a pre­si­dir a COP-23 fo­ra do país —o even­to foi hos­pe­da­do em Bonn, na se­de da agência de cli­ma da ONU, pa­ra on­de po­de vol­tar no ano que vem se os paí­ses do Gru­lac não che­ga­rem a um con­sen­so até o fi­nal da COP-24, no pró­xi­mo dia 14.

Tam­bém fi­gu­ram na com­pe­ti­ção as can­di­da­tu­ras de Chi­le, Gu­a­te­ma­la e Mé­xi­co.

Tra­ba­lha­do­res em mi­na em Ka­towi­ce, na Polô­nia, considerada ca­pi­tal do car­vão na Eu­ro­pa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.