O pra sem­pre sem­pre aca­ba

As­sis­to com des­con­fi­an­ça ao des­pre­zo pe­lo es­por­te na no­va or­dem po­lí­ti­ca

Folha de S.Paulo - - Esporte - Ka­tia Rubio Pro­fes­so­ra da USP, jor­na­lis­ta e psi­có­lo­ga, é au­to­ra de “Atle­tas Olím­pi­cos Bra­si­lei­ros”

A co­mu­ni­da­de es­por­ti­va acom­pa­nha com aten­ção os ru­mos que o es­por­te to­ma­rá a par­tir do pró­xi­mo ano. Pas­sa­do o fu­ror dos gran­des even­tos, a ques­tão que se faz é se ha­ve­rá es­por­te pa­ra além do fu­te­bol.

Is­so por­que, in­de­pen­den­te­men­te dos ven­tos que so­pram as ve­las do es­por­te bre­tão com sua mí­ti­ca, es­que­mas e po­lí­ti­ca, o fa­to é que ele se­gue em seu bar­co.

Com ver­ba pró­pria, le­gis­la­ção es­pe­cí­fi­ca e ban­ca­da le­gis­la­ti­va que protege a mo­da­li­da­de e seus di­ri­gen­tes, o fu­te­bol co­nhe­ce es­se jo­go e faz abo­la ro­lar da for­ma que lhe con­vém.

Por ou­tro la­do, seu pri­mo po­bre, o es­por­te olím­pi­co, que acre­di­tou ter ga­nha­do na Me­ga-sena no iní­cio des­se sé­cu­lo, co­me­ça a cair na re­al e vol­ta a so­nhar com o fus­ca que le­va­va e tra­zia seus an­te­pas­sa­dos aos trei­nos. Vi­veu uma dé­ca­da dou­ra­da. Ga­nhou mi­nis­té­rio, re­cur­sos, tí­tu­los e, co­mo can­tou Re­na­to Rus­so, “che­gou um dia a acre­di­tar, que tu­do era pra sem­pre, sem sa­ber, que o pra sem­pre, sem­pre aca­ba”.

A in­cer­te­za que im­pe­ra no es­por­te olím­pi­co não é no­va. Bas- ta co­nhe­cer um pou­co da his­tó­ria de tan­tos atle­tas olím­pi­cos que sus­ten­ta­ram a ima­gem he­roi­ca do es­por­te bra­si­lei­ro.

É só lem­brar de Adhe­mar Fer­rei­ra da Silva, bi­cam­peão olím­pi­co na dé­ca­da de 1950. Fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co, cos­tu­ma­va usar su­as ho­ras de al­mo­ço pa­ra poder trei­nar e con­quis­tar su­as mar­cas. Vi­a­ja­va e, por­tan­to, se au­sen­ta­va de su­as fun­ções pa­ra re­pre­sen­tar o país. Cer­to dia, ao vol­tar de uma com­pe­ti­ção seu pon­to ha­via si­do cor­ta­do.

O en­tão pre­fei­to Jâ­nio Qua­dros fez um des­pa­cho di­zen­do que a pre­fei­tu­ra não era ca­bi­de de em­pre­go de va­ga­bun­do!

Al­ber­to Mar­son, me­da­lhis­ta olím­pi­co do bas­que­te em 1948, aban­do­nou a se­le­ção em 1950. Is­so por­que pre­ci­sa­va tra­ba­lhar pa­ra se sus­ten­tar. Man­te­ve-se li­ga­do ao es­por­te co­mo pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca até se apo­sen­tar.

Sil­va­na Li­ma, ce­a­ren­se do Ti­tan­zi­nho, me­lhor sur­fis­ta bra­si­lei­ra no cir­cui­to mun­di­al. Sem fa­zer o es­ti­lo gatinha sur­fis­ta, foi obri­ga­da a pa­rar por fal­ta de patrocínio. Passou a cri­ar ca­chor­ros e, com as ven­das do ca­nil, con­se­guiu vol­tar ao cir­cui­to. Atu­al­men­te é a atle­ta mais ve­lha do cir­cui­to mun­di­al. Pre­ci­sou ope­rar os dois jo­e­lhos, mas con­ti­nua com ma­no­bras ino­va­do­ras e pro­gres­si­vas.

Es­sas histórias con­tam um pou­co do que era o es­por­te olím­pi­co no Brasil an­tes da pro­fis­si­o­na­li­za­ção e da trans­for­ma­ção des­se en­tre­te­ni­men­to em ati­vi­da­de pro­du­ti­va. Acon­te­ceu em uma épo­ca em que o es­por­te não era um di­rei­to as­se­gu­ra­do pe­la cons­ti­tui­ção. Qu­an­do o aces­so aos clu­bes era res­tri­to e ape­nas os evi­den­te­men­te ha­bi­li­do­sos ti­nham al­gu­ma chan­ce.

Eu cheguei a acre­di­tar que es­sa se­ria uma pá­gi­na vi­ra­da da his­tó­ria do es­por­te. Pa­re­ce que me en­ga­nei.

As­sis­to com des­con­fi­an­ça ao des­pre­zo pe­lo es­por­te na no­va or­dem po­lí­ti­ca. O mi­nis­té­rio não mais exis­ti­rá, co­mo o da Cul­tu­ra tam­bém não.

É di­fí­cil acei­tar o ar­gu­men­to de que is­so pou­co ou na­da afe­ta­rá os ru­mos das no­vas ge­ra­ções de atle­tas. A con­ta não é di­fí­cil de fa­zer. Ima­gi­nem a ne­ces­si­da­de de se to­mar uma de­ci­são so­bre a ver­ba a ser des­ti­na­da pa­ra um pro­je­to es­pe­cí­fi­co. Ima­gi­nem a chan­ce de su­ces­so que es­sa so­li­ci­ta­ção tem ao ser fei­ta a um en­car­re­ga­do ou ao pre­si­den­te. Es­sa se­rá a con­di­ção do pró­xi­mo pe­río­do.

Pa­re­ce que o sem­pre che­gou ao fim. Sem mi­nis­tro, sem se­cre­tá­ri­os es­pe­cí­fi­cos pa­ra ca­da ma­ni­fes­ta­ção es­por­ti­va pre­vis­ta em lei, o es­por­te ini­cia um pe­río­do de ago­nia. Os sin­to­mas já são per­cep­tí­veis des­de o fi­nal da Rio-2016.

Acom­pa­nhe­mos en­tão quem te­rá o poder de pro­du­zir o re­mé­dio pa­ra que es­se mo­ri­bun­do querido ain­da não te­nha seus di­as con­ta­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.