Per­for­man­ce so­bre li­xo com­ple­ta 15 anos com mes­ma re­a­ção do pú­bli­co

Folha de S.Paulo - - Folhacorrida - Di­a­na Lott

Sa­co­las plásticas, gar­ra­fas de água, cáp­su­la de café, ban­de­ja de iso­por e fral­das —mui­tas fral­das.

A per­for­man­ce “Ho­mem Re­flu­xo”, em que o ar­tis­ta Pe­ri Pa­ne guar­da to­do o li­xo que pro­du­ziu du­ran­te uma se­ma­na em uma ca­pa trans­pa­ren­te, ain­da re­ce­be a mes­ma re­a­ção do pú­bli­co após 15 anos, afir­ma o seu cri­a­dor.

“Con­ti­nua sen­do uma per­for­man­ce atu­al. Não con­se­gui­mos, nem de lon­ge, che­gar a uma so­lu­ção pa­ra o li­xo”, diz ele, que já le­vou a apre­sen­ta­ção pa­ra Itá­lia e Es­pa­nha.

Pe­ri re­co­nhe­ce que há ati­tu­des no­vas, co­mo a bus­ca por com­pos­tei­ras e com­pras a gra­nel, por exem­plo. Po­rém, pa­ra ele, a ques­tão dos re­sí­du­os que pro­du­zi­mos pre­o­cu­pa “uma bo­lha mui­to pe­que­na”.

De 2003 pa­ra ho­je, o pe­so do Pa­ran­goLi­xoLu­xo —co­mo é cha­ma­da a ca­pa cri­a­da pe­la ar­tis­ta plás­ti­ca Ma­ri­na Reis— au­men­tou de 6 pa­ra 7,8 kg. A mai­or par­te é de fral­das, afir­ma o ar­tis­ta, que tem um fi­lho, Mar­tin, de um ano e três me­ses.

“Es­sa é uma equa­ção que eu ain­da não con­se­gui re­sol­ver”, diz. Pe­ri ten­tou ado­tar o uso de fral­das de pa­no, mas as fre­quen­tes tro­cas e o tem­po gas­to na la­va­gem e se­ca­gem fo­ram de­sa­ni­ma­do­res.

Além de se sen­tir cor­res­pon­sá­vel pe­lo li­xo que o fi­lho pro­duz, o ar­tis­ta afir­ma que a pa­ter­ni­da­de fez o pro­ble­ma am­bi­en­tal pa­re­cer mais ur­gen­te.

“Ten­to ima­gi­nar co­mo vai ser lá na fren­te, se ele vai ha­bi­tar em um mun­do do ti­po Mad Max”, diz, em re­fe­rên­cia à sé­rie pós-apo­ca­líp­ti­ca do diretor Ge­or­ge Mil­ler.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.