Aar­te­eo exe­cu­ti­vo

Pa­ra atu­al mi­nis­tro e fu­tu­ro se­cre­tá­rio de Cul­tu­ra do go­ver­no pau­lis­ta, país não pre­ci­sa de mi­nis­té­rio ex­clu­si­vo, mas SP não po­de abrir mão de se­cre­ta­ria

Folha de S.Paulo - - Ilustrada - Bru­no Mo­li­ne­ro Pedro La­dei­ra-26.jul.2017/Folhapress

Bas­ta­va Lín­gua de Tra­po, Pre­me­di­tan­do o Bre­que ou Ar­ri­go Bar­na­bé anun­ci­ar um show em São Pau­lo que o ado­les­cen­te Sér­gio Sá Lei­tão já se pre­pa­ra­va pa­ra ar­ru­mar a mo­chi­la com uma mu­da de rou­pa e zar­par ru­mo à ro­do­viá­ria do Rio.

Os anos 1980 cor­ri­am sol­tos, la­do a la­do com o ôni­bus que trans­por­ta­vam os pas­sa­gei­ros ru­mo à ca­pi­tal pau­lis­ta.

Cerca de 450 km e qua­se seis ho­ras de­pois, pas­sa­va o fim de se­ma­na na pla­teia do Li­ra Pau­lis­ta­na, mis­tu­ra de te­a­tro e cen­tro cul­tu­ral que en­trou pa­ra a his­tó­ria da ci­da­de por con­cen­trar apre­sen­ta­ções da cha­ma­da Van­guar­da Pau­lis­ta —que con­ta­va ain­da com Ná Oz­zet­ti, Te­tê Es­pín­do­la e ou­tros no­mes.

A viagem iria se re­pe­tir di­ver­sas ou­tras ve­zes na­que­la dé­ca­da. Ago­ra, mais de 30 anos de­pois, o ca­ri­o­ca Sér­gio Sá Lei­tão es­tá de no­vo com as ma­las pron­tas pa­ra São Pau­lo.

Atu­al mi­nis­tro da Cul­tu­ra do go­ver­no de Mi­chel Te­mer, no car­go des­de ju­lho de 2017, ele foi anun­ci­a­do em no­vem­bro pe­lo go­ver­na­dor elei­to João Do­ria (PSDB) co­mo o fu­tu­ro se­cre­tá­rio de Cul­tu­ra e Eco­no­mia Cri­a­ti­va do es­ta­do.

Lei­tão faz par­te de uma es­tra­té­gia que vi­sa dar um ver­niz mi­nis­te­ri­al pa­ra o ti­me de se­cre­tá­ri­os. Além de­le, já há pe­lo me­nos mais qu­a­tro mi­nis­tros de Te­mer con­fir­ma­dos co­mo che­fes de pas­tas pau­lis­tas a par­tir de ja­nei­ro.

“O tra­ba­lho já co­me­çou. Pe­di pa­ra fa­ze­rem um le­van­ta­men­to dos ‘sta­kehol­ders’ da cul­tu­ra no es­ta­do. Que­ro co­nhe­cer seg­men­tos, ins­ti­tui­ções, as­so­ci­a­ções, pa­tro­ci­na­do­res. E es­ta­be­le­cer um diá­lo­go com to­dos”, diz.

As­sim co­mo Do­ria, o fu­tu­ro se­cre­tá­rio cos­tu­ma se apoi­ar em jar­gões do mun­do dos ne­gó­ci­os e em ter­mos que cir­cu­lam nas bo­cas de men­to­res de star­tups pa­ra fa­lar de tra­ba­lho —tan­to ava­li­ar a ges­tão à fren­te do MinC (Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra) co­mo pro­je­tar as ações na se­cre­ta­ria de Do­ria.

“So­bre a Rou­a­net, pre­ci­sa­mos dar uma ên­fa­se mai­or na bus­ca de re­sul­ta­dos e nas ex­ter­na­li­da­des econô­mi­cas po­si­ti­vas. Mas é o mai­or programa de de­mo­cra­ti­za­ção de aces­so à cul­tu­ra no mun­do. Des­de o iní­cio, fo­ram dis­tri­buí­dos gra­tui­ta­men­te 3,3 bi­lhões de in­gres­sos”, afir­ma, so­bre as con­tro­vér­si­as que en­vol­ve­ram a lei re­cen­te­men­te.

As quei­xas en­vol­ven­do a Rou­a­net ga­nha­ram for­ça so­bre­tu­do com a elei­ção de Jair Bol­so­na­ro à Pre­si­dên­cia, já que mui­tos gru­pos que apoi­a­ram a sua cam­pa­nha de­fen­dem a re­vo­ga­ção do dis­po­si­ti­vo. “Pas­sa­mos por um pro­ces­so elei­to­ral mui­to duro. Há mui­ta re­tó­ri­ca”, re­la­ti­vi­za.

Pa­ra Lei­tão, as crí­ti­cas à lei se ba­sei­am em pro­ble­mas já re­sol­vi­dos ou em au­sên­cia de co­nhe­ci­men­to. Co­mo res­pos­ta, o MinC pu­bli­ca­rá na pró­xi­ma se­ma­na re­sul­ta­dos de uma pes­qui­sa so­bre o im­pac­to econô­mi­co da po­lí­ti­ca cul­tu­ral. Da­dos pre­li­mi­na­res fo­ram en­tre­gues ao go­ver­no de tran­si­ção.

“Tem si­do uma re­ve­la­ção pa­ra os nos­sos in­ter­lo­cu­to­res. De mo­do ge­ral, in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos em cul­tu­ra re­tor­nam, na for­ma de ar­re­ca­da­ção de im­pos­tos, mais do

Ou­tro dos es­tu­dos fei­tos pe­lo MinC en­tre­gue à equi­pe de tran­si­ção de Bol­so­na­ro foi um le­van­ta­men­to com 50 paí­ses que vi­sa lis­tar quais man­têm em seus go­ver­nos um mi­nis­té­rio ex­clu­si­vo pa­ra a cul­tu­ra.

A pas­ta não di­vul­ga a lis­ta de na­ções ana­li­sa­das, mas a conclusão é que ape­nas de 15% de­las con­tam com a pas­ta. “‘Ben­ch­marks’ [re­fe­rên­ci­as] co­mo Rei­no Uni­do e Fran­ça não têm um mi­nis­té­rio. São ou­tros ar­ran­jos. Im­por­tan­te é sa­ber a re­le­vân­cia que o go­ver­no da­rá à po­lí­ti­ca cul­tu­ral”, de­fen­de.

No fim de no­vem­bro, o pre­si­den­te elei­to anun­ci­ou o fim do MinC e a cri­a­ção do Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia, que vai abri­gar Cul­tu­ra, De­sen­vol­vi­men­to Social e Es­por­tes. Es­co­lhi­do pa­ra che­fiá-la, o de­pu­ta­do Os­mar Ter­ra (MDB-RS) afir­mou à Fo­lha que pou­co co­nhe­ce da área cul­tu­ral. “Só to­co be­rim­bau.”

Na ava­li­a­ção de Lei­tão, a ma­nei­ra co­mo o pró­xi­mo go­ver­no vê o MinC vem tam­bém de uma su­pos­ta ins­tru­men­ta­li­za­ção par­ti­dá­ria das po­lí­ti­cas nos go­ver­nos an­te­ri­o­res. “Era uma pas­ta ine­fi­ci­en­te, que fa­la­va mui­to e fa­zia pou­co.”

Nes­ta se­ma­na, se­cre­tá­ri­os de cul­tu­ra de 17 es­ta­dos e do Dis­tri­to Fe­de­ral pu­bli­ca­ram uma car­ta em que pedem a vol­ta do MinC co­mo “ór­gão pró­prio e ex­clu­si­vo”.

“Vi­va a de­mo­cra­cia, né? Por­que, em vá­ri­os des­ses es­ta­dos, não exis­te uma se­cre­ta­ria exclusiva, por exem­plo”, co­men­ta Lei­tão.

O que, na opi­nião do fu­tu­ro se­cre­tá­rio pau­lis­ta, não po­de­ria ocor­rer em São Pau­lo. “Pre­ci­sa­mos [de uma Se­cre­ta­ria de Cul­tu­ra] pe­la di­men­são da eco­no­mia cri­a­ti­va, que res­pon­de por 3,9% do PIB es­ta­du­al. O im­pac­to é al­to na ge­ra­ção de em­pre­go, va­lor agre­ga­do e ar­re­ca­da­ção de im­pos­tos.”

Por is­so, a par­tir de ja­nei­ro, a pas­ta vai ga­nhar um so­bre­no­me e pas­sa­rá a se cha­mar Se­cre­ta­ria de Cul­tu­ra e Eco­no­mia Cri­a­ti­va.

O que não de­ve mu­dar, con­tu­do, é o mo­de­lo de ges­tão cul­tu­ral no es­ta­do. Lei­tão ain­da não ain­da tem res­pos­tas pa­ra de­man­das ime­di­a­tas —co­mo a am­pli­a­ção da Pi­na­co­te­ca, a tro­ca do re­gen­te da Osesp, a no­va se­de do Pa­ço das Ar­tes ou o an­da­men­to da re­for­ma do Mu­seu da Lín­gua Por­tu­gue­sa, que pe­gou fo­go em 2015.

Gran­de par­te das ini­ci­a­ti­vas de­vem con­ti­nu­ar a ser con­du­zi­das por Or­ga­ni­za­ções So­ci­ais, mo­de­lo no qual ins­ti­tui­ções fi­cam res­pon­sá­veis pe­la ges­tão e ad­mi­nis­tra­ção dos bens.

“Acre­di­to que as OS vêm de­sem­pe­nhan­do um bom tra­ba­lho. A se­cre­ta­ria é que não vem fa­zen­do a sua par­te, que é es­ta­be­le­cer di­re­tri­zes e men­su­rar o cum­pri­men­to das me­tas.”

Qu­an­do o as­sun­to é o ‘bud­get’ que vai ter, pa­ra uti­li­zar ou­tro dos ter­mos da mo­da, Lei­tão diz não acre­di­tar que João Do­ria re­pe­ti­rá no go­ver­no o que fez na pre­fei­tu­ra, em 2017, qu­an­do con­ge­lou 43,5% do or­ça­men­to da pas­ta mu­ni­ci­pal.

Pa­ra 2019, a pro­pos­ta or­ça­men­tá­ria es­ta­du­al ain­da es­tá sen­do dis­cu­ti­da na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va, mas de­ve gi­rar em torno de R$ 229 bi­lhões, no to­tal.

Em ca­so de um ce­ná­rio com res­tri­ções de ver­bas, ele ti­ra do bol­so o úl­ti­mo en­si­na­men­to dos administradores de em­pre­sas.

“Mi­nha ex­pe­ri­ên­cia mos­trou que sem­pre é pos­sí­vel, com ges­tão e pla­ne­ja­men­to, ma­xi­mi­zar re­sul­ta­dos e fa­zer mais com me­nos.”

Sér­gio Sá Lei­tão, em Brasília

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.