A res­pon­sa­bi­li­da­de é dos pais

É pre­ci­so com­ba­ter agen­da que fe­re va­lo­res cris­tãos

Folha de S.Paulo - - Opinião - Teó­lo­go e pro­fes­sor da Fa­cul­da­de de Di­rei­to Canô­ni­co São Pau­lo Após­to­lo, da Ar­qui­di­o­ce­se de São Pau­lo; au­tor, en­tre ou­tros li­vros, de “A Res­pon­sa­bi­li­da­de Cris­tã na Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca” (Pau­lus) Ed­son Luiz Sam­pel

Exis­tem inú­me­ros ris­cos de ino­cu­la­ção de fal­sas dou­tri­nas, tais co­mo a fa­mi­ge­ra­da ide­o­lo­gia de gê­ne­ro, além dos re­du­ci­o­nis­mos bi­o­ló­gi­cos. A edu­ca­ção se­xu­al es­co­lar, mui­tas ve­zes, cor­res­pon­de a eu­fe­mis­mo, en­co­brin­do cer­ta agen­da —a qual, em úl­ti­ma aná­li­se, vi­sa à en­ge­nha­ria so­ci­al de­ses­ta­bi­li­za­do­ra dos va­lo­res cris­tãos.

Se­gun­do a mo­ral cris­tã, a li­ci­tu­de do se­xo en­con­tra-se ape­nas no ca­sa­men­to. A par­tir des­se pos­tu­la­do, o co­mér­cio se­xu­al ob­je­ti­va pre­ci­pu­a­men­te a pro­cri­a­ção da es­pé­cie hu­ma­na, sem, é cla­ro, des­lem­brar­mos das di­men­sões afe­ti­va, cog­ni­ti­va e re­li­gi­o­sa dos atos car­nais.

Com efei­to, pa­ra a vi­vên­cia har­mo­ni­o­sa, cor­re­ta e edi­fi­can­te da se­xu­a­li­da­de, Je­sus Cris­to ins­ti­tuiu o sa­cra­men­to do ma­trimô­nio (Mt 19, 6; Ef 5,31-32), a fim de que a gra­ça so­bre­na­tu­ral per­pas­se o dia a dia dos côn­ju­ges e ro­bus­te­ça a fa­mí­lia.

A Igre­ja, pe­ri­ta em hu­ma­ni­da­des (Po­pu­lo­rum Pro­gres­sio, n.13), já se po­si­ci­o­nou a res­pei­to do as­sun­to. O pa­pa São João Pau­lo 2º en­si­nou que “a edu­ca­ção se­xu­al, di­rei­to e de­ver fun­da­men­tal dos pais, de­ve atu­ar-se sem­pre sob sua so­lí­ci­ta guia” (Fa­mi­li­a­ris Con­sor­tio, n. 37).

O atu­al su­ces­sor de São Pe­dro, o pa­pa Fran­cis­co, de­cla­ra que a edu­ca­ção se­xu­al sem o pu­dor “po­de re­du­zir o afe­to e a se­xu­a­li­da­de a ob­ses­sões que nos con­cen­tram ape­nas nos ór­gãos ge­ni­tais, em prá­ti­cas do­en­ti­as que de­for­mam nos­sa ca­pa­ci­da­de de amar” (Amo­ris La­e­ti­tia, n. 282).

O Con­se­lho Pon­ti­fí­cio pa­ra a Fa­mí­lia, or­ga­nis­mo do Va­ti­ca­no, ex­pla­na a res­pei­to do as­sun­to, as­se­ve­ran­do que “os jo­vens de­vem ser ins­truí­dos con­ve­ni­en­te­men­te e a tem­po so­bre a dig­ni­da­de, a fun­ção e o exer­cí­cio do amor con­ju­gal, prin­ci­pal­men­te no seio da fa­mí­lia” (De­cla­ra­ção Se­xu­a­li­da­de Hu­ma­na, n. 11).

Ao lu­me de ba­ses an­tro­po­ló­gi­cas tão in­con­cus­sas, de­pre­en­de-se que a edu­ca­ção se­xu­al com­pe­te aos pais, is­to é, à fa­mí­lia.

Des­tar­te, tor­na-se in­viá­vel a as­sim cha­ma­da edu­ca­ção se­xu­al nas es­co­las, mes­mo nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no con­fes­si­o­nais, per­ten­cen­tes à Igre­ja ou às di­fe­ren­tes de­no­mi­na­ções dos ir­mãos se­pa­ra­dos.

É no­tó­rio que a me­fis­to­fé­li­ca ati­tu­de do po­li­ti­ca­men­te cor­re­to, in ca­su, a con­des­cen­dên­cia com o se­xo li­vre, in­fec­ci­o­nou tam­bém o grê­mio da Igre­ja Ca­tó­li­ca e das ou­tras co­mu­ni­da­des cris­tãs e, por­tan­to, o ób­vio do li­a­me in­que­bran­tá­vel se­xo-ca­sa­men­to soa co­mo ca­ro­li­ce des­me­di­da e não se­ria nem se­quer pos­to em pau­ta nas au­las de edu­ca­ção se­xu­al.

Pa­re­ce-me cla­ro que, nos tem­pos que cor­rem, Deus foi ali­ja­do do con­ví­vio so­ci­al. Os di­ta­mes mo­rais, in­clu­si­ve os re­fe­ren­tes ao se­xo, ex­tra­em-se da re­li­gião, pois não há éti­ca des­vin­cu­la­da da re­li­gião. Daí o apo­teg­ma de Dos­toiévs­ki: “Se Deus não exis­te, tu­do é per­mi­ti­do”: rou­bar, es­tu­prar, adul­te­rar, cor­rom­per, for­ni­car etc.

Pre­ci­sa­mos nos pre­o­cu­par —is­to sim— com a ime­di­a­ta im­plan­ta­ção do en­si­no re­li­gi­o­so nas es­co­las pú­bli­cas; te­má­ti­ca im­por­tan­tís­si­ma, a pon­to de cons­ti­tuir a úni­ca dis­ci­pli­na es­co­lar nor­ma­ti­za­da na Car­ta Magna.

A in­jus­ti­ça so­ci­al é uma das cau­sas prin­ci­pais da ima­ne vi­o­lên­cia ur­ba­na; to­da­via, o en­si­no re­li­gi­o­so con­fes­si­o­nal, nos ter­mos do Acor­do Bra­silSan­ta Sé (de­cre­to 7.107/10), de­cer­to con­tri­bui­rá co­mo um dos an­tí­do­tos ao ca­os ho­di­er­no.

Pre­di­ca­va o sau­do­so cardeal dom Eu­gê­nio Sal­les que as au­las de re­li­gião co­mu­ni­cam va­lo­res, la­pi­dam o ca­rá­ter do ado­les­cen­te, for­jam man­ti­cos­tu­mes em prol da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.