Se pe­dem re­no­va­ção, não faz sen­ti­do ele­ger Maia, diz Kim

Folha de S.Paulo - - Poder - KIM KA­TA­GUI­RI

An­na Vir­gi­nia Bal­lous­si­er

Kim Ka­ta­gui­ri (DEM-SP), 22, se­rá o se­gun­do de­pu­ta­do mais no­vo na le­gis­la­tu­ra que to­ma­rá pos­se no dia 1º. Na mes­ma da­ta, com um pos­sí­vel im­pas­se ju­di­ci­al se não se­ria no­vo de­mais pa­ra o car­go, o co­fun­da­dor do MBL (Mo­vi­men­to Brasil Li­vre) dis­pu­ta a pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra à re­ve­lia do pró­prio par­ti­do, que ten­ta em­pla­car a re­con­du­ção de Ro­dri­go Maia.

Com um dis­cur­so de aus­te­ri­da­de, Kim con­ta que dis­pen­sou au­xí­lio-mo­ra­dia e apar­ta­men­to fun­ci­o­nal: vai di­vi­dir um apar­ta­men­to em Bra­sí­lia com qua­tro as­ses­so­res, ca­da um pa­gan­do R$ 900.

Ele con­cor­da com o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro nas crí­ti­cas à ONU (que diz ser an­ti­de­mo­crá­ti­ca), na vi­são de que o Brasil foi em­pes­te­a­do por so­ci­a­lis­mo nos anos pe­tis­tas e no uso de re­des so­ci­ais pa­ra “co­mu­ni­ca­ção di­re­ta” com o po­vo. Con­ce­deu es­ta en­tre­vis­ta por áu­di­os de What­sApp.

Por que se can­di­da­tar à pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra?

Não faz sen­ti­do vo­cê ter co­mo prin­ci­pal pa­la­vra de or­dem nas elei­ções a mu­dan­ça e ele­ger pa­ra um ter­cei­ro man­da­to o atu­al pre­si­den­te da Câ­ma­ra. Se­ria con­tra a von­ta­de da po­pu­la­ção. E pre­ci­sa­mos de um no­vo per­fil que sai­ba co­mu­ni­car me­lhor as re­for­mas de que o país tan­to pre­ci­sa, prin­ci­pal­men­te a pre­vi­den­ciá­ria, que não foi apro­va­da na úl­ti­ma le­gis­la­tu­ra, foi é de­mo­ni­za­da, por fa­lha de co­mu­ni­ca­ção.

Sua si­gla não o apoia. A can­di­da­tu­ra in­de­pen­den­te é viá­vel?

É viá­vel, sim. A ne­go­ci­a­ção se dá mui­to mais in­di­vi­du­al­men­te do que por ban­ca­das.

O Su­pre­mo en­ter­rou a pos­si­bi­li­da­de de vo­to aber­to nes­ta dis­pu­ta. Por que o sr. o de­fen­dia?

O elei­tor tem di­rei­to de sa­ber em quem seu de­pu­ta­do vai vo­tar. Não tem por que a ques­tão da pre­si­dên­cia con­ti­nu­ar sen­do de ga­bi­ne­te, de car­pe­te, obs­cu­ra co­mo é ho­je.

O sr. tem 22 anos, e o mí­ni­mo pa­ra ser pre­si­den­te do país é 35, afi­nal, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra es­tá na li­nha su­ces­só­ria. O im­pas­se so­bre sua ida­de

não po­de afe­tá-lo?

Con­sul­tei o cor­po téc­ni­co [da Câ­ma­ra], o en­ten­di­men­to tam­bém é de que pos­so me can­di­da­tar tran­qui­la­men­te.

O MBL apoi­ou o can­di­da­to Bol­so­na­ro. Co­mo ava­lia o co­me­ço do go­ver­no do pre­si­den­te Bol­so­na­ro?

Tem er­ros e acer­tos, mas com cer­te­za mais acer­tos. O prin­ci­pal de­les foi ter da­do li­ber­da­de pa­ra os mi­nis­tros es­co­lhe­rem de for­ma téc­ni­ca, não man­ter ca­bi­de de em­pre­gos co­mo an­ti­ga­men­te. O pi­or dos er­ros: as con­tra­di­ções de co­mu­ni­ca­ção.

O MBL tem cri­ti­ca­do in­di­ca­ções a car­gos pú­bli­cos do fi­lho do vi­ce Mou­rão, de ami­gos da fa­mí­lia Bol­so­na­ro. E ou­tros as­sun­tos que se vol­ta­ram con­tra o no­vo go­ver­no, co­mo as de­nún­ci­as con­tra seu co­le­ga de par­ti­do, o mi­nis­tro Onyx Lo­ren­zo­ni?

Qu­an­do Onyx ad­mi­tiu o cai­xa dois ele era de­pu­ta­do, não é fa­to no­vo. So­bre as no­vas da ver­ba do ga­bi­ne­te, a gen­te tra­tou na pá­gi­na [do MBL]. No ca­nal, no YouTu­be, não, mas na pá­gi­na a gen­te tra­tou, sim.

O sr., co­fun­da­dor de um mo­vi­men­to li­be­ral, con­cor­da com crí­ti­cas do chan­ce­ler Er­nes­to Araú­jo ao glo­ba­lis­mo?

Re­jei­to, sim, que a gen­te te­nha um glo­ba­lis­mo, ou se­ja, uma for­ça po­lí­ti­ca su­pra­na­ci­o­nal que an­ti­de­mo­cra­ti­ca­men­te di­te o que o Brasil pre­ci­sa fa­zer. A ONU não é elei­ta de­mo­cra­ti­ca­men­te, a po­pu­la­ção não vo­ta pa­ra a cú­pu­la da ONU. Quem de­ve ter a so­be­ra­nia é seu país em si. O que não sig­ni­fi­ca iso­la­men­to ou não co­mér­cio com ne­nhum ou­tro país. Não exis­te ne­nhum ti­po de con­fli­to em ser con­tra o glo­ba­lis­mo e ser li­be­ral.

O sr. acha a ONU au­to­ri­tá­ria? O Brasil de­ve se re­ti­rar de­la, ou ao me­nos de ór­gãos co­mo

o Con­se­lho de Di­rei­tos Hu­ma­nos, co­mo Bol­so­na­ro já ven­ti­lou?

A elei­ção não é fei­ta de­mo­cra­ti­ca­men­te pe­la po­pu­la­ção dos paí­ses. Se não se re­ti­rar, sub­me­ter to­das as de­ci­sões ao Con­gres­so. Não ape­nas os tra­ta­dos su­pra­le­gais.

O MBL pas­sou a se en­vol­ver em ques­tões da se­a­ra con­ser­va­do­ra, co­mo na po­lê­mi­ca do Qu­e­er­mu­seu. Con­ti­nu­a­rão?

Dis­cor­do do pres­su­pos­to da per­gun­ta. Não ne­ces­sa­ri­a­men­te pre­ci­sa ser um con­ser­va­dor pa­ra dis­cor­dar de que é imo­ral e eco­no­mi­ca­men­te ine­fi­ci­en­te usar di­nhei­ro pú­bli­co pa­ra fi­nan­ci­ar de­ter­mi­na­das ini­ci­a­ti­vas ar­tís­ti­cas. Is­so, aliás, é uma me­di­da an­ti­li­be­ral, um gru­po de bu­ro­cra­tas de Bra­sí­lia de­ci­dir o que é ar­te. A gen­te sem­pre cri­ti­cou ou­tras ini­ci­a­ti­vas ar­tís­ti­cas, con­se­guiu in­clu­si­ve fa­zer com que um pro­gra­ma de TV da [blo­guei­ra fit­ness] Ga­bri­e­la Pu­gli­e­si fos­se can­ce­la­do.

O sr. con­cor­da qu­an­do o pre­si­den­te diz que há so­ci­a­lis­mo no Brasil?

Dá pa­ra a gen­te di­zer que hou­ve so­ci­a­lis­mo por­que, eco­no­mi­ca­men­te fa­lan­do, vo­cê te­ve um es­ta­tis­mo exa­cer­ba­do e mes­mo uma ten­ta­ti­va de­li­be­ra­da do Es­ta­do de agir em to­das as es­fe­ras da so­ci­e­da­de, que in­clu­si­ve ca­rac­te­ri­za uma ten­ta­ti­va de im­ple­men­ta­ção de um go­ver­no to­ta­li­tá­rio.

Ka­ri­me Xa­vi­er/Fo­lha­press

Kim Ka­ta­gui­ri, 22 Foi elei­to pa­ra seu pri­mei­ro car­go pú­bli­co, de­pu­ta­do fe­de­ral, em 2018. Em 2014, fun­dou o MBL (Mo­vi­men­to Bra­si Li­vre). Es­tu­da di­rei­to no Ins­ti­tu­to de Di­rei­to Pú­bli­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.