Se as­su­mir li­de­ran­ça po­lí­ti­ca, Bol­so­na­ro po­de apro­var a Pre­vi­dên­cia que qui­ser

Pa­ra eco­no­mis­ta-che­fe do BNDES, pre­si­den­te tem ca­pi­tal po­lí­ti­co ‘for­mi­dá­vel’ pa­ra con­ter o que cha­ma de ‘cri­me con­tra o fu­tu­ro’

Folha de S.Paulo - - Mercado - Fer­nan­do Can­zi­an

Fa­bio Gi­am­bi­a­gi, 57, eco­no­mis­ta-che­fe do BNDES (Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al), afir­ma que o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL) tem “to­das as chan­ces” de apro­var ain­da nes­te ano uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

“Bol­so­na­ro der­ro­tou sim­ples­men­te a mai­or li­de­ran­ça sur­gi­da no país desde Ge­tú­lio Var­gas”, diz, re­fe­rin­do-se ao PT e ao ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, que te­ve sua can­di­da­tu­ra subs­ti­tuí­da pe­la de Fer­nan­do Had­dad.

“Es­se é um ca­pi­tal po­lí­ti­co for­mi­dá­vel. O pre­si­den­te po­de apro­var a re­for­ma que qui­ser se as­su­mir a li­de­ran­ça do pro­ces­so”, afir­ma.

Acom­pa­nhan­do men­sal­men­te as es­ta­tís­ti­cas do sis­te­ma, Gi­am­bi­a­gi diz que cer­ca de 60% das apo­sen­ta­do­ri­as por tem­po de con­tri­bui­ção vêm sen­do con­ce­di­das a pes­so­as com até 55 anos. No ca­so das mu­lhe­res, qua­se 30% até os 50 anos de ida­de e mais de 75% até os 55 anos.

“Is­so é um cri­me con­tra o fu­tu­ro. Um país on­de as pes­so­as se apo­sen­tam com 52 ou 53 anos não tem di­rei­to a se quei­xar qu­an­do fal­ta di­nhei­ro pa­ra a se­gu­ran­ça.” Leia en­tre­vis­ta à Fo­lha:

O Brasil vi­ve um pa­ra­do­xo em que as con­di­ções pa­ra cres­cer são fa­vo­rá­veis, com in­fla­ção e ju­ros bai­xos, ca­pa­ci­da­de oci­o­sa ele­va­da, se­tor ex­ter­no ar­ru­ma­do e oti­mis­mo com o no­vo go­ver­no. Mas o país pre­ci­sa de cer­ca de R$ 300 bi­lhões ao ano pa­ra in­ter­rom­per a tra­je­tó­ria ex­plo­si­va da dí­vi­da pú­bli­ca. Há al­ter­na­ti­va sem re­for­mar a Pre­vi­dên­cia? Pau­lo Gu­e­des (Eco­no­mia) su­ge­re as des­vin­cu­la­ções no Or­ça­men­to ca­so a re­for­ma não se­ja apro­va­da. Fun­ci­o­na­ria?

Se to­mar­mos 2016, ano de re­fe­rên­cia pa­ra o te­to de gas­tos, e tra­ba­lhar­mos com as con­tas a preços de 2019 e com uma boa es­ti­ma­ti­va de des­pe­sas pa­ra es­te ano, te­mos o se­guin­te: em três anos, o gas­to do INSS te­rá au­men­ta­do em tor­no de R$ 73 bi­lhões, a des­pe­sa com pes­so­al mais R$ 39 bi­lhões e as de­mais te­rão di­mi­nuí­do em R$ 82 bi­lhões.

Es­sa que­da não com­pen­sou o au­men­to do gas­to com INSS e pes­so­al por­que em 2017, pe­lo me­ca­nis­mo de­fi­ni­do na pró­pria PEC do te­to, ocor­reu uma “su­pe­rin­de­xa­ção” do va­lor re­al do te­to, que foi atre­la­do a uma in­fla­ção pas­sa­da ele­va­da, em um ano em que os preços des­pen­ca­ram.

O fa­to, po­rém, é que es­sa ten­dên­cia não po­de con­ti­nu­ar in­de­fi­ni­da­men­te, pois, em al­gum mo­men­to, as des­pe­sas se tor­na­rão rí­gi­das à que­da.

Em 2020, a des­pe­sa com pes­so­al dei­xa­rá de ser pres­si­o­na­da e es­pe­ro que em ter­mos re­ais ce­da um pou­co. Mas, sem re­for­ma, o cres­ci­men­to das des­pe­sas do INSS in­vi­a­bi­li­za­ria na prática o res­pei­to ao te­to.

O fra­cas­so da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia lem­bra uma re­por­ta­gem da The Eco­no­mist de 2001 abor­dan­do o even­tu­al fim da con­ver­si­bi­li­da­de na Ar­gen­ti­na, cu­jo tí­tu­lo era “Thin­king the inthin­ka­ble” (“Pen­san­do o im­pen­sá­vel”). Se­ria um de­sas­tre. O dó­lar su­bi­ria ra­pi­da­men­te, pres­si­o­nan­do ju­ros e in­fla­ção, num fil­me ve­lho que já co­nhe­ce­mos e que nin­guém quer ver de no­vo.

Dis­cus­sões mais apro­fun­da­das so­bre Pre­vi­dên­cia já têm três anos, e ela qua­se pas­sou em 2017, não fos­sem as de­nún­ci­as con­tra Te­mer no ca­so JBS. Há ma­tu­ri­da­de nes­sa dis­cus­são? Quais são as chan­ces de a re­for­ma pas­sar com a opo­si­ção vo­tan­do con­tra?

Ci­to um fa­to ocor­ri­do com um ami­go. Ele era as­ses­sor do mi­nis­tro do Pla­ne­ja­men­to e fez uma apre­sen­ta­ção no Con­gres­so.

No fi­nal, um dos lí­de­res do go­ver­no na épo­ca se vi­ra e diz: “Ok, já en­ten­di. A Pre­vi­dên­cia vai que­brar, mas pre­ci­so sa­ber uma coi­sa: ela vai que­brar nes­te go­ver­no ou não?”. O dra­má­ti­co é que o mi­nis­tro era o Del­fim Net­to, e o diá­lo­go ocor­reu em 1982!

Mais de 35 anos de­pois, con­ti­nu­a­mos ra­ci­o­ci­nan­do com a mes­ma ló­gi­ca. O su­jei­to en­trou no mer­ca­do de tra­ba­lho na­que­la épo­ca, tra­ba­lhou 35 anos, es­tá se apo­sen­tan­do ago­ra e con­ti­nu­a­mos sem ter re­sol­vi­do um pro­ble­ma que es­tá ma­pe­a­do pe­los es­pe­ci­a­lis­tas há qua­tro dé­ca­das.

Há uma fra­se fa­mo­sa de um dos li­vros do Var­gas Llo­sa, se não me en­ga­no “Con­ver­sa na Ca­te­dral”, em que um per­so­na­gem per­gun­ta ao ou­tro: “Qu­an­do foi que o Pe­ru se per­deu?”. Sou de 1962, qu­an­do a Co­reia do Sul era mui­to pa­re­ci­da com o Brasil, e não te­nho dú­vi­da de que o Brasil se per­deu na mi­nha ge­ra­ção e is­so se deu es­sen­ci­al­men­te por ter man­ti­do um re­gi­me pre­vi­den­ciá­rio que, aos olhos de qual­quer ob­ser­va­dor isen­to, é um dis­pa­ra­te.

Da­qui a pou­cos me­ses, aos 57 anos, eu po­de­rei me apo­sen­tar pe­lo INSS, ao com­ple­tar 35 anos de tra­ba­lho. Is­so é um com­ple­to ab­sur­do. Eu es­tou em ple­no uso de mi­nhas con­di­ções fí­si­cas e men­tais.

Se mo­ras­se nos Es­ta­dos Uni­dos, te­ria de tra­ba­lhar até os 65 anos. Mas, mo­ran­do aqui, num país com enor­mes ca­rên­ci­as, pos­so me apo­sen­tar oi­to anos an­tes. Não faz ne­nhum sen­ti­do.

Não fa­rei usu­fru­to do be­ne­fí­cio por­que eu mi­li­to no ti­me dos otá­ri­os, mas o mais aber­ran­te de tu­do é que, no uni­ver­so da­que­les que se apo­sen­tam por tem­po de con­tri­bui­ção, a es­sa ida­de eu já es­tou no gru­po dos mais ve­lhos.

To­dos os me­ses, en­tre 60% e 61% das apo­sen­ta­do­ri­as por tem­po de con­tri­bui­ção são con­ce­di­das a pes­so­as com até 55 anos de ida­de. No ca­so das mu­lhe­res, qua­se 30% até os 50 anos e mais de 75% até os 55 anos. Is­so é um cri­me con­tra o fu­tu­ro.

Não dá pa­ra ter­gi­ver­sar: pa­ra qual­quer pes­soa de qual­quer ou­tro país que olha es­ses da­dos, tra­ta-se de uma re­a­li­da­de cho­can­te. Um país on­de as pes­so­as se apo­sen­tam com 52 ou 53 anos não tem di­rei­to a se quei­xar qu­an­do fal­ta di­nhei­ro pa­ra a se­gu­ran­ça.

E a re­a­li­da­de é es­sa: fal­ta di­nhei­ro pa­ra ter uma me­lhor po­lí­ti­ca de se­gu­ran­ça por­que to­do mês mi­lha­res e mi­lha­res de pes­so­as se apo­sen­tam em ida­des ina­cre­di­ta­vel­men­te pre­co­ces à luz dos pa­drões mun­di­ais.

Até as pe­dras da rua sa­bem que há uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia que cla­ma pa­ra ser vo­ta­da. Ca­be ago­ra ao go­ver­no li­de­rar es­se debate.

Um dos mai­o­res pro­ble­mas da Pre­vi­dên­cia ho­je é a con­ta de ina­ti­vos nos es­ta­dos, que não pa­ra de cres­cer. Hou­ve au­men­to de 8% ape­nas nos úl­ti­mos 12 me­ses, se­gun­do o Ipea [Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da], e to­do o di­nhei­ro no­vo ar­re­ca­da­do vem sen­do dre­na­do pa­ra apo­sen­ta­do­ri­as. Co­mo re­sol­ver a cri­se nos es­ta­dos que é, es­sen­ci­al­men­te, atu­a­ri­al em razão da Pre­vi­dên­cia?

O que de­fen­do é que se­ja ado­ta­da, na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, uma re­gra bem du­ra: 65 anos de ida­de mí­ni­ma com vi­gên­cia ime­di­a­ta pa­ra os ho­mens e 63 anos pa­ra as mu­lhe­res. Se fos­se apro­va­da, me­lho­ra­ria mui­to a si­tu­a­ção fis­cal dos es­ta­dos, por­que pes­so­as que com­ple­tas­sem 60, 61, 62 anos e que com a re­gra atu­al se apo­sen­ta­ri­am não po­de­ri­am fa­zê-lo e te­ri­am que es­pe­rar mais al­guns anos.

Com um es­tan­ca­men­to do cres­ci­men­to da des­pe­sa pre­vi­den­ciá­ria, ao mes­mo tem­po em que a re­cei­ta au­men­ta­ria num pro­ces­so de cres­ci­men­to da eco­no­mia, o re­sul­ta­do fis­cal dos es­ta­dos me­lho­ra­ria ra­pi­da­men­te.

Ve­jo es­sa me­di­da ou uma va­ri­an­te de­la co­mo fun­da­men­tal pa­ra a pos­si­bi­li­da­de de os es­ta­dos re­to­ma­rem seu pa­pel na ela­bo­ra­ção das po­lí­ti­cas pú­bli­cas, uma vez que atu­al­men­te a mai­o­ria dos go­ver­na­do­res vi­rou ape­nas ad­mi­nis­tra­do­ra de fo­lha de pa­ga­men­tos.

Pau­lo Gu­e­des pro­me­te me­lho­rar o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os no país com me­di­das de cu­nho li­be­ral. O sr. vê a clas­se po­lí­ti­ca e o fun­ci­o­na­lis­mo, ge­ral­men­te

mais vol­ta­dos ao cor­po­ra­ti­vis­mo, pre­pa­ra­dos pa­ra um cho­que nes­se sen­ti­do? Que, na prática, ata­ca­ria jus­ta­men­te mui­tos dos pri­vi­lé­gi­os de que ho­je des­fru­tam?

Re­for­mas co­mo as de que o país pre­ci­sa exi­gem cin­co atri­bu­tos. Pri­mei­ro, um di­ag­nós­ti­co cla­ro. Se­gun­do, pro­fun­da con­vic­ção, por­que, co­mo se tra­ta de con­ven­cer a po­pu­la­ção, is­so não se­rá im­pos­sí­vel se ela per­ce­ber que os go­ver­nan­tes não acre­di­tam no que de­fen­dem.

Ter­cei­ro, mui­ta ener­gia, por­que de­fen­der re­for­mas é uma ati­vi­da­de des­gas­tan­te. Es­tou nes­se ofí­cio há três dé­ca­das e per­di a con­ta das ve­zes em que fui xin­ga­do por email ou de pes­so­as que me des­tra­ta­ram em pa­les­tras.

Quar­to, uma enor­me ca­pa­ci­da­de de per­su­a­são, por­que quem li­de­rar o pro­ces­so te­rá que ir aos pro­gra­mas po­pu­la­res da TV, com­pa­re­cer ao Con­gres­so, es­cre­ver ar­ti­gos de jor­nal e par­ti­ci­par ati­va­men­te do debate.

Fi­nal­men­te, no país com a nos­sa frag­men­ta­ção po­lí­ti­ca, apro­var a re­for­ma exi­ge uma tre­men­da ar­ti­cu­la­ção.

Na se­ma­na pas­sa­da, con­ver­sa­va com um ami­go e ele dis­se: “Ve­ja, eu não vo­tei no Lu­la na elei­ção”. Foi um ato fa­lho, por­que o can­di­da­to foi Fer­nan­do Had­dad. O que qu­e­ro di­zer é que to­do o mun­do sa­bia que Had­dad era Lu­la. Ou se­ja, Bol­so­na­ro der­ro­tou sim­ples­men­te a mai­or li­de­ran­ça po­lí­ti­ca sur­gi­da no país desde Ge­tú­lio Var­gas.

Es­se é um ca­pi­tal po­lí­ti­co for­mi­dá­vel. Es­tou con­ven­ci­do de que o pre­si­den­te po­de apro­var a re­for­ma que ele qui­ser se as­su­mir a li­de­ran­ça do pro­ces­so. Ho­je, ele tem uma for­ça po­lí­ti­ca enor­me.

Além de re­for­mar a Pre­vi­dên­cia, o no­vo go­ver­no pro­me­teu não ele­var a car­ga tri­bu­tá­ria. É pos­sí­vel um ajus­te da mag­ni­tu­de de que o Brasil pre­ci­sa sem au­men­to de im­pos­tos? A di­mi­nui­ção das bi­li­o­ná­ri­as isen­ções tri­bu­tá­ri­as pa­ra de­ze­nas de se­to­res não con­fi­gu­ra­ri­am au­men­to da car­ga, por exem­plo?

Eu fa­ço a se­guin­te con­ta: em nú­me­ros re­don­dos, a des­pe­sa ob­je­to do te­to de gas­tos ano pas­sa­do foi da or­dem de 20% do PIB. Se o gas­to fi­car con­ge­la­do em ter­mos re­ais e o PIB cres­cer a uma mé­dia de 2,5% ao ano, em cin­co anos a des­pe­sa cai­rá qua­se 2,5% do PIB.

Na prática, o gas­to po­de­rá cres­cer um pou­co por­que ele es­tá abai­xo do te­to, mas o PIB tam­bém po­de cres­cer um pou­co mais que 2,5%. Ou se­ja, é um bom ajus­te.

Pes­so­al­men­te, eu pre­fe­ri­ria que hou­ves­se tam­bém um pou­qui­nho de ele­va­ção da car­ga tri­bu­tá­ria, mas en­ten­do, e é le­gí­ti­mo que as­sim se­ja, que ha­ja mui­tas re­sis­tên­ci­as da so­ci­e­da­de a au­men­tar im­pos­tos.

Co­mo o BNDES en­ca­ra as pers­pec­ti­vas pa­ra 2019? Tra­ba­lha­mos com ce­ná­rio de cres­ci­men­to do PIB de 2,7% nes­te ano e de 3,0% em 2020, com ocu­pa­ção gra­du­al da ca­pa­ci­da­de oci­o­sa e com ex­pan­são do in­ves­ti­men­to em tor­no de 6% em ca­da um dos dois anos.

Em 2016, qu­an­do mu­dou o go­ver­no, eu di­zia na épo­ca que o gran­de de­sa­fio pa­ra a equi­pe econô­mi­ca, nu­ma eco­no­mia mor­ta, era re­li­gar o mo­tor de ar­ran­que.

Ele foi li­ga­do ali pe­lo fi­nal de 2016 e co­me­ço de 2017. En­tão fi­cou cla­ro que aque­la pa­ra­li­sia ti­nha fi­ca­do pa­ra trás. O pro­ble­ma é que a re­cu­pe­ra­ção foi me­dío­cre, por uma sé­rie de ra­zões.

Ago­ra, o de­sa­fio é en­ga­tar uma se­gun­da e de­pois uma ter­cei­ra mar­cha. Is­so se­rá con­quis­ta­do na ba­se de ações que in­je­tem con­fi­an­ça, e nis­so o avan­ço da agen­da no Le­gis­la­ti­vo se­rá fun­da­men­tal.

O go­ver­no pre­ci­sa­rá mos­trar que não tem ape­nas bo­as idei­as, mas que en­tre­ga. Ou se­ja, que apro­va as su­as pro­pos­tas. Se en­tre­gar, vai sen­do ge­ra­da uma di­nâ­mi­ca po­si­ti­va, de con­fi­an­ça in­cre­men­tal.

Ri­car­do Borges/Fo­lha­press

Fa­bio Gi­am­bi­a­gi, 57 Fi­lho de ar­gen­ti­nos cri­a­do no Brasil, tem gra­du­a­ção e mes­tra­do na área econô­mi­ca pe­la UFRJ (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro); atu­ou no BID (Ban­co In­te­ra­me­ri­ca­no de De­sen­vol­vi­men­to) e no Ipea (Ins­ti­tu­to de Pes­qui­sa Econô­mi­ca Apli­ca­da) e in­te­gra o De­par­ta­men­to Econô­mi­co do BNDES desde 1996

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.