Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal é de­ti­do na Ve­ne­zu­e­la

Li­be­ra­do pou­co de­pois, opo­si­tor Ju­an Gu­ai­dó diz man­ter pro­pos­ta de ser pre­si­den­te in­te­ri­no do país

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Syl­via Co­lom­bo Car­los Gar­cia Ra­wlins/Reu­ters

Ju­an Gu­ai­dó foi de­ti­do on­tem, por uma ho­ra, por agen­tes da in­te­li­gên­cia do di­ta­dor Ni­co­lás Ma­du­ro. A ação, se­gun­do o re­gi­me, foi coi­sa “de al­guns in­di­ví­du­os”.

bu­e­nos ai­res O pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal da Ve­ne­zu­e­la, Ju­an Gu­ai­dó, foi de­ti­do nes­te do­min­go (13), por cer­ca de uma ho­ra, por agen­tes do ser­vi­ço de in­te­li­gên­cia do di­ta­dor Ni­co­lás Ma­du­ro.

Gu­ai­dó, que es­ta­va com a mu­lher e a fi­lha, foi ti­ra­do de for­ma vi­o­len­ta do car­ro em que vi­a­ja­va —ce­na que foi gra­va­da por ou­tros mo­to­ris­tas em ima­gens de ce­lu­lar que vi­ra­li­za­ram em re­des so­ci­ais.

A in­for­ma­ção da de­ten­ção foi vei­cu­la­da pri­mei­ro pe­la mu­lher do con­gres­sis­ta, Fa­bi­a­na Ro­sa­les, que dis­se que a fa­mí­lia vi­a­ja­va pe­la es­tra­da que le­va Caracas a La Gu­aí­ra, quan­do fo­ram in­ter­cep­ta­dos por agen­tes do Se­bin (Ser­vi­ço Bo­li­va­ri­a­no de In­te­li­gên­cia Na­ci­o­nal).

Pou­co de­pois do epi­só­dio, o mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção de Ma­du­ro, Jor­ge Ro­drí­guez, ir­mão da vi­ce-pre­si­den­te, Delcy Ro­drí­guez, dis­se que o pro­ce­di­men­to con­tra Gu­ai­dó era ir­re­gu­lar, e que, em­bo­ra ten­do si­do efe­tu­a­do por fun­ci­o­ná­ri­os do Se­bin, era uma ação “de al­guns in­di­ví­du­os” e não ti­nha a apro­va­ção da cú­pu­la do go­ver­no.

Acres­cen­tou ain­da que os fun­ci­o­ná­ri­os que pren­de­ram Gu­ai­dó es­ta­ri­am “sen­do des­ti­tuí­dos nes­te mo­men­to e sub­me­ti­dos a pro­ce­di­men­tos dis­ci­pli­na­res es­tri­tos”.

Após ser li­be­ra­do, Gu­ai­dó par­ti­ci­pou de um co­mí­cio no es­ta­do de Var­gas, vi­zi­nho a Caracas, pa­ra on­de se di­ri­gia quan­do foi de­ti­do pe­los agen­tes do go­ver­no.

Pri­mei­ro, mos­trou os pul­sos ma­chu­ca­dos às câ­me­ras. “Ten­ta­ram me al­ge­mar, mas não dei­xei, pois sou o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal”, afir­mou.

De­pois, acres­cen­tou que o epi­só­dio era um “gol­pe de Es­ta­do”, e que irá avan­çar em sua pro­pos­ta de exer­cer o man­da­to de pre­si­den­te, as­su­min­do o po­der e cha­man­do elei­ções.

Gu­ai­dó tam­bém dis­se que sua pri­são mos­tra­va que “o jo­go vi­rou. Se que­ri­am en­vi­ar uma men­sa­gem pa­ra que nos es­con­dês­se­mos, aqui es­tá a res­pos­ta do po­vo”.

O de­pu­ta­do tam­bém co­men­tou a de­cla­ra­ção de Ro­drí­guez. “Se ele diz que os fun­ci­o­ná­ri­os atu­a­ram por sua pró­pria con­ta, en­tão é por­que Ma­du­ro não con­tro­la mais as For­ças Ar­ma­das do país.”

O Se­bin, po­rém, não res­pon­de às For­ças Ar­ma­das, e sim di­re­ta­men­te ao Exe­cu­ti­vo. Há dois me­ses, Ma­du­ro des­ti­tuiu o en­tão che­fe do ór­gão, Gustavo Gon­zá­lez Ló­pez, e o co­lo­cou sob seu co­man­do.

Lí­der do Par­la­men­to, de mai­o­ria opo­si­to­ra, Gu­ai­dó se de­cla­rou pre­si­den­te in­te­ri­no do país na sex­ta-fei­ra (11), um dia após Ma­du­ro to­mar pos­se pa­ra um se­gun­do man­da­to, até 2025, con­tes­ta­do den­tro e fo­ra da Ve­ne­zu­e­la.

“Nin­guém du­vi­da que Ma­du­ro é um usur­pa­dor. Por meio dos artigos 233, 333 e 350, con­vo­ca­mos o po­vo a nos res­pal­dar, nu­ma ma­ni­fes­ta­ção no pró­xi­mo dia 23 de ja­nei­ro”, afir­mou o de­pu­ta­do ao anun­ci­ar sua de­ci­são.

A de­cla­ra­ção de Gu­ai­dó re­ce­beu apoio de or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais, go­ver­nos es­tran­gei­ros co­mo Bra­sil e EUA e de par­te da opo­si­ção ve­ne­zu­e­la­na. Ma­du­ro, no en­tan­to, des­de­nhou o de­pu­ta­do: “Quem é? Quem o ele­geu?”.

Des­de en­tão, o lí­der opo­si­tor fa­zia reu­niões pe­lo país pa­ra an­ga­ri­ar apoio.

Ape­sar da de­cla­ra­ção de Gu­ai­dó, o Par­la­men­to não tem for­ça po­lí­ti­ca pa­ra se im­por a Ma­du­ro. Des­de 2017, o Le­gis­la­ti­vo te­ve seus po­de­res es­va­zi­a­dos pe­lo re­gi­me e re­pas­sa­dos pa­ra a As­sem­bleia Na­ci­o­nal Cons­ti­tuin­te, for­ma­da ape­nas por go­ver­nis­tas.

Em sua pos­se, na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra (10), Ma­du­ro re­a­fir­mou que a As­sem­bleia Na­ci­o­nal es­ta­va em de­sa­ca­to e quem ti­nha“os po­de­res su­pra cons­ti­tu­ci­o­nais” do país era a Cons­ti­tuin­te.

O opo­si­tor Hen­ri­que Ca­pri­les, can­di­da­to à Pre­si­dên­cia em 2013, re­a­giu nas re­des so­ci­ais, con­de­nan­do a pri­são de Gu­ai­dó, as­sim co­mo Ma­ría Co­ri­na Ma­cha­do, que tam­bém de­nun­ci­ou a pri­são do con­gres­sis­ta.

“O se­ques­tro de Ju­an Gu­ai­dó, Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal e Pre­si­den­te le­gí­ti­mo da Ve­ne­zu­e­la, é res­pon­sa­bi­li­da­de di­re­ta de Ni­co­lás Ma­du­ro. O co­lap­so se ace­le­ra”, es­cre­veu ela.

Gu­ai­dó, 35, é do par­ti­do Von­ta­de Po­pu­lar, o mes­mo de Le­o­pol­do Ló­pez, pre­so em 2014 após uma on­da de pro­tes­tos con­tra Ma­du­ro. Des­de 2017, ele se en­con­tra em pri­são do­mi­ci­li­ar.

Em no­ta, 13 dos 14 mem­bros do Gru­po de Li­ma con­de­na­ram a ação con­tra o lí­der do Par­la­men­to ve­ne­zu­e­la­no.

“Os go­ver­nos de Ar­gen­ti­na, Bra­sil, Ca­na­dá, Chi­le, Colôm­bia, Cos­ta Ri­ca, Guatemala, Gui­a­na, Hon­du­ras, Panamá, Pa­ra­guai, Pe­ru e San­ta Lúcia, em fa­ce dos gra­ves even­tos ocor­ri­dos na Ve­ne­zu­e­la ho­je: 1. Con­de­nam a de­ten­ção ar­bi­trá­ria do Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal da Ve­ne­zu­e­la, de­pu­ta­do Ju­an Gu­ai­dó, por par­te do Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de In­te­li­gên­cia Bo­li­va­ri­a­no - Se­bin, na ma­nhã de ho­je. 2. Ex­pres­sam seu mais for­te re­cha­ço a qual­quer ação que afe­te a in­te­gri­da­de fí­si­ca dos mem­bros da As­sem­bleia Na­ci­o­nal da Ve­ne­zu­e­la, su­as fa­mí­li­as e co­la­bo­ra­do­res, e a qual­quer pres­são ou co­er­ção que im­pe­çam o exer­cí­cio ple­no e nor­mal de su­as com­pe­tên­ci­as co­mo ór­gão cons­ti­tu­ci­o­nal e le­gi­ti­ma­men­te elei­to na Ve­ne­zu­e­la”, afir­ma a no­ta.

Des­de que o pre­si­den­te es­quer­dis­ta António Ma­nu­el Ló­pez Obra­dor to­mou pos­se, em de­zem­bro, o Mé­xi­co, que é par­te do Gru­po de Li­ma, não tem apoi­a­do co­mu­ni­ca­dos com um tom mais du­ro em re­la­ção a Caracas.

O go­ver­no do pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Do­nald Trump, se ma­ni­fes­tou por meio do se­cre­tá­rio de Es­ta­do, Mi­ke Pom­peo, e do as­ses­sor de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal, John Bol­ton.

“De­nun­ci­a­mos a de­ten­ção ar­bi­trá­ria do Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal Ju­an Gu­ai­dó pe­lo che­fe da In­te­li­gên­cia ve­ne­zu­e­la­na Ma­nu­el Cris­topher Fi­gue­ra”, afir­mou Pom­peo. “Con­vo­ca­mos as for­ças de se­gu­ran­ça a res­pei­ta­rem a Cons­ti­tui­ção e os di­rei­tos do po­vo ve­ne­zu­e­la­no. Os Es­ta­dos Uni­dos e o mun­do es­tão as­sis­tin­do.”

Bol­ton acu­sou o Se­bin de ser pa­tro­ci­na­do pe­lo re­gi­me cu­ba­no e dis­se que os “atos de in­ti­mi­da­ção” da po­lí­cia se­cre­ta de Ma­du­ro “re­pre­sen­tam um gra­ve ata­que ao Es­ta­do de Di­rei­to na Ve­ne­zu­e­la”.

O se­cre­tá­rio-ge­ral da OEA (Or­ga­ni­za­ção dos Es­ta­dos Ame­ri­ca­nos), Luís Al­ma­gro, tam­bém se ma­ni­fes­tou.

“Ab­so­lu­ta con­de­na­ção e re­jei­ção ao se­ques­tro do pre­si­den­te in­te­ri­no da #Ve­ne­zu­e­la @jguai­do. A co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal de­ve pa­rar os cri­mes de Ma­du­ro e seus ca­pan­gas”, es­cre­veu em re­de so­ci­al.

“Ten­ta­ram me al­ge­mar, mas não dei­xei, pois sou o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal. (...) O jo­go vi­rou. Se que­ri­am en­vi­ar uma men­sa­gem pa­ra que nos es­con­dês­se­mos, aqui es­tá a res­pos­ta do po­vo Ju­an Gu­ai­dó pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal em co­mí­cio após ser li­be­ra­do de de­ten­ção

Car­los Gar­cia Ra­wlins/Reu­ters

Após sua li­be­ra­ção, Ju­an Gu­ai­dó mos­tra o pul­so ma­chu­ca­do por al­ge­ma em co­mí­cio no es­ta­do de Var­gas

Divulgação

Pro­je­to de Pi­a­no pa­ra a no­vapon­te em Gê­no­va

Ju­an Gu­ai­dó (de bran­co), pre­si­den­te do Le­gis­la­ti­vo ve­ne­zu­e­la­no, em co­mí­cio após ser de­ti­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.