Ren­zo Pi­a­no Be­le­za e cul­tu­ra me­lho­ram pes­so­as, acen­dem uma luz

Go­ver­no an­te­ri­or pre­via aten­der 4 mi­lhões, mas atin­giu só 440 mil; es­pe­ci­a­lis­tas ve­em avan­ços

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - Éri­ca Fra­ga

Aos 81 anos, ar­qui­te­to e se­na­dor ita­li­a­no cri­ou pon­te que subs­ti­tui­rá a que caiu em Gê­no­va. Con­tra “on­da de po­pu­lis­mo ter­rí­vel”, pri­o­ri­za pré­di­os pú­bli­cos, “má­qui­nas não de guer­ra, mas de paz”.

O Pro­gra­ma Cri­an­ça Fe­liz, uma das prin­ci­pais ban­dei­ras so­ci­ais do go­ver­no Mi­chel Te­mer (MDB), ter­mi­nou a ges­tão lon­ge de atin­gir a me­ta de 4 mi­lhões de be­ne­fi­ciá­ri­os, mas bem ava­li­a­do por es­pe­ci­a­lis­tas, que res­sal­tam re­tor­nos ele­va­dos de in­ves­ti­men­tos na pri­mei­ra in­fân­cia.

Lan­ça­do em ou­tu­bro de 2016 com um dis­cur­so da ex­pri­mei­ra-da­ma Mar­ce­la Te­mer, o pro­je­to de visitação do­mi­ci­li­ar cum­priu, dois anos de­pois, 11% de seu ob­je­ti­vo.

O pro­gra­ma se ba­seia na ori­en­ta­ção de fa­mí­li­as vul­ne­rá­veis so­bre cui­da­dos com saú­de, ali­men­ta­ção e es­tí­mu­los ade­qua­dos.

São 440,2 mil as cri­an­ças de ze­ro a seis anos e ges­tan­tes vi­si­ta­dos no país co­mo um to­do, mas a va­ri­a­ção en­tre os es­ta­dos é gran­de. Há des­de ca­sos on­de a im­ple­men­ta­ção ain­da não co­me­çou, co­mo no Dis­tri­to Fe­de­ral, a ou­tros em que o ob­je­ti­vo foi ul­tra­pas­sa­do, co­mo Bahia e Pi­auí.

Os aten­di­men­tos es­ta­du­ais atin­gi­dos cons­tam de um li­vro que a Fun­da­ção Ber­nard van Le­er, que apoia pes­qui­sas e pro­je­tos fo­ca­dos na pri­mei­ra in­fân­cia —co­mo o pró­prio Cri­an­ça Fe­liz (PCF)—, aca­ba de lan­çar so­bre as ini­ci­a­ti­vas da Amé­ri­ca La­ti­na.

“A ex­pan­são do Cri­an­ça Fe­liz foi mui­to mais de­va­gar do que o es­pe­ra­do, mas, ao mes­mo tem­po, um re­cor­de mun­di­al. Em ní­vel glo­bal, é a mais rá­pi­da que eu co­nhe­ço”, diz o psi­có­lo­go ve­ne­zu­e­la­no Le­o­nar­do Yá­nez, re­pre­sen­tan­te sê­ni­or da fun­da­ção na re­gião.

Ele ci­ta co­mo exem­plo de cres­ci­men­to bem mais len­to o Early He­ad Start, im­ple­men­ta­do em 1994 nos Es­ta­dos Uni­dos que, até 2016, ha­via che­ga­do a 147,5 mil be­ne­fi­ciá­ri­os, con­tra um po­ten­ci­al de 2,6 mi­lhões.

Se­gun­do Yá­nez, a im­ple­men­ta­ção do PCF foi com­ple­xa por en­vol­ver ações co­or­de­na­das nos três ní­veis de go­ver­no, a in­te­ra­ção en­tre di­fe­ren­tes se­to­res —co­mo saú­de e as­sis­tên­cia so­ci­al— e a con­tra­ta­ção e for­ma­ção de gran­des equi­pes.

Além dis­so, dú­vi­das em re­la­ção à ca­pa­ci­da­de de so­bre­vi­vên­cia do pro­je­to com a tro­ca de go­ver­no ali­men­ta­ram re­sis­tên­cia, fre­an­do um avan­ço mais rá­pi­do do pro­je­to.

“Às ve­zes, há mu­dan­ça de go­ver­no e um pro­gra­ma aca­ba. O mu­ni­cí­pio es­tá com a equi­pe con­tra­ta­da, tu­do mon­ta­do e não tem re­cur­so pa­ra pa­gar sa­lá­rio. Is­so é mui­to co­mum”, diz Ely Ha­ra­sawa, se­cre­tá­ria na­ci­o­nal de Pro­mo­ção do De­sen­vol­vi­men­to Humano do Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia.

Ela con­ta ter re­ce­bi­do, du­ran­te a cor­ri­da elei­to­ral do ano pas­sa­do, li­ga­ções de pre­fei­tos per­gun­tan­do se o pro­gra­ma po­de­ria aca­bar com a tran­si­ção po­lí­ti­ca.

Se­gun­do Ely, es­se te­mor aju­da a ex­pli­car por que mui­tos mu­ni­cí­pi­os pre­fe­ri­ram as­su­mir uma me­ta me­nor do que a con­si­de­ra­da viá­vel.

No li­vro da fun­da­ção ho­lan­de­sa, o exem­plo ci­ta­do co­mo o mais em­ble­má­ti­co é a ci­da­de de São Pau­lo, que po­de­ria aten­der 300 mil cri­an­ças e ges­tan­tes, mas es­co­lheu 5.400 be­ne­fi­ciá­ri­os co­mo me­ta ini­ci­al.

A ex­pec­ta­ti­va é que, com Os­mar Ter­ra (MDB) no Mi­nis­té­rio da Ci­da­da­nia, pas­ta so­ci­al de Jair Bol­so­na­ro (PSL), a in­se­gu­ran­ça dos mu­ni­cí­pi­os se re­du­za. O de­pu­ta­do gaú­cho co­man­dou a área no go­ver­no Te­mer, quan­do ide­a­li­zou o PCF, mas dei­xou o car­go pa­ra con­cor­re­ra uma va­ga Câ­ma­ra Fe­de­ral.

O Cri­an­ça Fe­liz não es­ca­pou dos cor­tes de­ver ba­na es­tei­ra­da se­ve­ra cri­se fis­cal dos úl­ti­mos anos. Se­gun­do Ely, os R$ 377 mi­lhões pre­vis­tos pa­ra 2019 são in­su­fi­ci­en­tes pa­ra ex­pan­dir o pro­gra­ma, mas­co bre­mas par­ce­ri­as fir­ma­das até ago­ra, já que o re­pas­se aos mu­ni­cí­pi­os tem si­do in­fe­ri­or ao pre­vis­to.

O gas­to abai­xo da me­ta se de­ve à di­fi­cul­da­de de al­guns go­ver­nos lo­cais em cum­prir as re­gras es­ta­be­le­ci­das pe­lo pro­gra­ma, que co­me­ça­ram a ser fle­xi­bi­li­za­das ago­ra.

Um exem­plo éon úme­ro mí­ni­mo de qua­tro vi­si­tas men­sa is­que as fa­mí­li­asc adas­tra­das pre­ci­sam re­ce­ber.

“Mui­tas ve­zes, ocor­rem im­pre­vis­tos que im­pe­dem a vi­si­ta. A fa­mí­li­as e mu­da, acri­an- ça fi­ca do­en­te eva iao mé­di­co, ocor­re uma en­chen­te”, diz Ely.

O PCF é fi­nan­ci­a­do por re­cur­sos fe­de­rais que são re­pas­sa­dos aos mu­ni­cí­pi­os. Quan­do as me­tas são des­cum­pri­das, par­te da ver­ba não é trans­fe­ri­da. Re­cen­te­men­te, o go­ver­no pu­bli­cou uma por­ta­ria ali­vi­an­do al­gu­mas res­tri­ções.

“Se o mu­ni­cí­pio aten­de du­as ve­zes em vez de qua­tro, mas tem fei­to um gran­de es­for­ço, vai re­ce­ber um va­lor pro­por­ci­o­nal”, diz Ely.

Ou­tra mu­dan­ça se re­fe­re à ex­pan­são das me­tas. As ci­da­des que atin­gi­rem 90% do ob­je­ti­vo pac­tu­a­do po­de­rão até do­brá-la, des­de que den­tro dos cri­té­ri­os exi­gi­dos.

Se­gun­do Ely, 378 dos 1.131 mu­ni­cí­pi­os ap­tos a am­pli­ar a me­ta so­li­ci­ta­ram a ex­pan­são. An­tes des­sa mu­dan­ça, as pre­fei­tu­ras que qui­ses­sem au­men­tar a co­ber­tu­ra pre­ci­sa­vam usar re­cur­sos pró­pri­os. Ago­ra, con­se­gui­rão man­ter o fi­nan­ci­a­men­to fe­de­ral.

Is­so não re­sol­ve, no en­tan­to, to­dos os pro­ble­mas. Há ca­sos de mu­ni­cí­pi­os que se quei­xam que o va­lor do fi­nan­ci­a­men­to é bai­xo e in­su­fi­ci­en­te. Ou­tros re­cla­mam de não po­de­rem in­cluir fa­mí­li­as vul­ne­rá­veis que es­te­jam fo­ra do Bol­sa Fa­mí­lia e do Be­ne­fí­cio de Pres­ta­ção Con­ti­nu­a­da, exi­gên­cia do pro­gra­ma.

“Há si­tu­a­ções de du­as ca­sas vi­zi­nhas em que uma re­ce­be o Bol­sa Fa­mí­lia ou o BPC e a ou­tra não, às ve­zes por uma di­fe­ren­ça de R$ 1”, diz Ely.

Um pe­di­do re­cen­te do mi­nis­té­rio pa­ra fle­xi­bi­li­za­ção des­sa re­gra foi ne­ga­do pe­lo Con­se­lho Na­ci­o­nal de As­sis­tên­cia So­ci­al.

Pe­los cál­cu­los da pas­ta, a mu­dan­ça tor­na­ria ele­gí­veis 333 ci­da­des ho­je ex­cluí­das do PCF, que co­bre 2.663 dos 5.570 mu­ni­cí­pi­os do país.

“Às ve­zes, há mu­dan­ça de go­ver­no e um pro­gra­ma aca­ba. O mu­ni­cí­pio es­tá com a equi­pe con­tra­ta­da, tu­do mon­ta­do e não tem re­cur­so pa­ra pa­gar sa­lá­rio Ely Ha­ra­sawa se­cre­tá­ria na­ci­o­nal de Pro­mo­ção do De­sen­vol­vi­men­to Humano

Mi­chell Mello/Reprodução do li­vro ‘Da Ci­ên­cia à Prá­ti­ca’

Fa­mí­lia no Ama­zo­nas é be­ne­fi­ci­a­da pe­lo Pro­gra­ma Cri­an­ça Fe­liz, do go­ver­no fe­de­ral Cri­an­ça Fe­liz atin­ge pou­co mais 10% da me­ta ori­gi­nal, mas avan­ça ra­pi­da­men­te em al­guns es­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.