Trin­da­de bá­si­ca

Pi­la­res da ges­tão econô­mi­ca com­ple­tam 2 dé­ca­das, mas fal­ta as­si­mi­lar res­pon­sa­bi­li­da­de, au­to­con­ten­ção e trans­pa­rên­cia no ma­ne­jo das prin­ci­pais po­lí­ti­cas

Folha de S.Paulo - - Primeira Página - [email protected]­po­fo­lha.com.br

So­bre du­as dé­ca­das do tri­pé da po­lí­ti­ca econô­mi­ca.

A me­ra lem­bran­ça de que o cha­ma­do tri­pé da po­lí­ti­ca econô­mi­ca com­ple­ta­rá 20 anos de exis­tên­cia de­mons­tra, de­cor­ri­dos cin­co man­da­tos presidenciais, a di­fi­cul­da­de do país em che­gar à nor­ma­li­da­de.

Ne­nhum dos três pi­la­res que sus­ten­tam o ar­ran­jo, afi­nal, é mar­can­te ou exó­ti­co a pon­to de jus­ti­fi­car a efeméride. Tra­ta-se de prá­ti­cas e prin­cí­pi­os que, a es­ta al­tu­ra, já de­ve­ri­am es­tar in­cor­po­ra­dos à rotina. De­ve­ri­am fa­zer par­te do pas­sa­do, so­bre­tu­do, as ma­ze­las que le­va­ram a sua in­tro­du­ção.

Com­põem o tri­pé o re­gi­me de câm­bio flu­tu­an­te, pe­lo qual as co­ta­ções do dó­lar e de ou­tras di­vi­sas são de­ter­mi­na­das pe­los mo­vi­men­tos de com­pra e ven­da do mer­ca­do; as me­tas de in­fla­ção, que ba­li­zam a de­fi­ni­ção dos ju­ros do Ban­co Cen­tral; e as me­tas pa­ra os re­sul­ta­dos do Or­ça­men­to, de mo­do a man­ter fi­nan­ças equi­li­bra­das.

Tais po­lí­ti­cas são en­con­tra­di­ças, com va­ri­a­ções lo­cais, em gran­de par­te do mun­do ci­vi­li­za­do. No Bra­sil sus­ci­ta­ram de­ba­tes ide­o­ló­gi­cos que, em­bo­ra re­le­van­tes, mui­tas ve­zes to­ma­ram o lu­gar da com­pro­va­ção fac­tu­al ou ser­vi­ram de pre­tex­to pa­ra me­di­das ir­res­pon­sá­veis.

No­te-se que, em sua es­sên­cia, os di­ta­mes in­tro­du­zi­dos em 1999 —no iní­cio do se­gun­do man­da­to de Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so (PSDB), em res­pos­ta ao co­lap­so do Pla­no Re­al— li­mi­ta­ram a ca­pa­ci­da­de de in­ter­ven­ção es­ta­tal na eco­no­mia e es­ta­be­le­ce­ram me­ca­nis­mos de pres­ta­ção de con­tas.

Des­se mo­do, o go­ver­no não mais iria bus­car uma ta­xa de câm­bio que fos­se con­ve­ni­en­te em pe­río­do elei­to­ral ou ami­gá­vel ao lobby da in­dús­tria; o BC pre­ci­sa­ria apre­sen­tar ar­gu­men­tos e pro­je­ções ao es­ta­be­le­cer os ju­ros; os gas­tos pú­bli­cos fi­ca­ri­am con­di­ci­o­na­dos à exis­tên­cia de re­cei­tas su­fi­ci­en­tes pa­ra man­ter a dí­vi­da sob con­tro­le.

For­ças à es­quer­da com­ba­te­ram tal ideá­rio des­de o nas­ce­dou­ro, ta­chan­do-o de ne­o­li­be­ral e aves­so aos pro­gra­mas so­ci­ais. Em to­do o es­pec­tro po­lí­ti­co hou­ve pres­sões pa­ra que os li­mi­tes fos­sem afrou­xa­dos.

Foi no go­ver­no Dil­ma Rous­seff (PT), co­mo se sa­be, que o tri­pé aca­bou des­fi­gu­ra­do. Ten­tou-se en­ca­re­cer o dó­lar pa­ra es­ti­mu­lar ex­por­ta­ções, re­ver­teu-se o pro­ces­so de que­da da in­fla­ção e cum­pri­ram-se as me­tas or­ça­men­tá­ri­as à ba­se de ma­no­bras de con­ta­bi­li­da­de.

O surto in­ter­ven­ci­o­nis­ta re­sul­tou em im­pe­a­ch­ment da pre­si­den­te pe­tis­ta, por ma­ne­jo ir­re­gu­lar das con­tas pú­bli­cas, e enor­me de­sor­dem econô­mi­ca, da qual o país ain­da con­va­les­ce.

Se as fi­nan­ças fe­de­rais permanecem em si­tu­a­ção rui­no­sa, hou­ve pro­gres­so no­tá­vel na con­ten­ção da al­ta dos pre­ços, com va­ri­a­ções do IPCA de 2,95% em 2017 e de re­cém-di­vul­ga­dos 3,75% em 2018.

Nem por is­so se de­vem to­mar co­mo imu­tá­veis as re­gras vi­gen­tes pa­ra as po­lí­ti­cas mo­ne­tá­ria, cam­bi­al e fis­cal. Há, de fa­to, circunstâncias que re­co­men­dam a atu­a­ção do BC no mer­ca­do de di­vi­sas, a to­le­rân­cia com al­gu­ma al­ta da in­fla­ção ou um au­men­to mo­men­tâ­neo do dé­fi­cit do Te­sou­ro Na­ci­o­nal.

Im­por­ta, is­so sim, que se­jam as­si­mi­la­dos em de­fi­ni­ti­vo os prin­cí­pi­os de res­pon­sa­bi­li­da­de, au­to­con­ten­ção e trans­pa­rên­cia no ma­ne­jo de to­das es­sas va­riá­veis.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.