Ja­ne­la de opor­tu­ni­da­de

Par­la­men­to tem de en­ten­der re­sul­ta­do das ur­nas

Folha de S.Paulo - - Opinião - Tasso Je­reis­sa­ti Se­na­dor (PSDB-CE) des­de 2015 e de 2003 a 2011; ex-go­ver­na­dor do Ce­a­rá (1987-1991 e 1995-2002)

O elei­tor bra­si­lei­ro deu um cla­ro re­ca­do de que não su­por­ta mais vi­ver sob o ju­go de um Es­ta­do di­ri­gis­ta, pro­ve­dor de pri­vi­lé­gi­os pa­ra uns e de pri­va­ções pa­ra ou­tros. Cla­ma por uma po­lí­ti­ca de sim­pli­fi­ca­ção tri­bu­tá­ria, de con­tro­le dos gas­tos pú­bli­cos e com­ba­te per­ma­nen­te à hi­per­tro­fia do Es­ta­do que le­vou à bo­la de ne­ve da es­tag­na­ção econô­mi­ca.

No seu dia a dia, o ci­da­dão po­de até não sa­ber for­mu­lar com cla­re­za sua de­man­da, mas, ao vo­tar na pro­pos­ta mais dis­tan­te do es­ta­blish­ment po­lí­ti­co, dei­xou pa­ten­te que não su­por­ta mais con­vi­ver com a fal­ta de aten­di­men­to à saú­de, à edu­ca­ção, com o trans­por­te pú­bli­co ine­fi­ci­en­te, sem se­gu­ran­ça e, prin­ci­pal­men­te, com os es­cân­da­los de cor­rup­ção que to­ma­ram con­ta da ce­na po­lí­ti­ca.

Pa­ra fa­zer fren­te a tan­tos e ur­gen­tes desafios, o mun­do po­lí­ti­co não po­de fa­zer de con­ta que es­sa men­sa­gem foi di­ri­gi­da ape­nas ao Exe­cu­ti­vo. Tra­ta-se de um re­ca­do tam­bém ao Le­gis­la­ti­vo e ao Ju­di­ciá­rio.

O mes­mo elei­tor que vo­tou pa­ra pre­si­den­te vo­tou tam­bém, com o mes­mo sen­ti­men­to, pa­ra os seus re­pre­sen­tan­tes no Con­gres­so, de quem se es­pe­ram de­mons­tra­ções de dis­tan­ci­a­men­to do jo­go de to­ma lá dá cá, que se tor­nou qua­se um pa­drão nas re­la­ções com o Exe­cu­ti­vo.

As gran­des re­for­mas es­tru­tu­ran­tes, da Pre­vi­dên­cia, fis­cal, e tra­ba­lhis­ta, as­sim co­mo tan­tas ou­tras de não me­nor im­por­tân­cia, são pau­tas que exi­gem ati­tu­de re­pu­bli­ca­na de de­pu­ta­dos e se­na­do­res.

Com­ba­ter o pa­tri­mo­ni­a­lis­mo e o cor­po­ra­ti­vis­mo, en­fren­tar a fe­ri­da absurda da de­si­gual­da­de so­ci­al, ao mes­mo tem­po cri­an­do um am­bi­en­te de­mo­crá­ti­co fa­vo­rá­vel à li­vre ini­ci­a­ti­va e aos ne­gó­ci­os, com se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca, são exigências mo­rais que não po­dem es­tar con­di­ci­o­na­dos a jo­gos de in­te­res­ses pa­ro­qui­ais. Sem as re­for­mas, nin­guém con­se­gui­rá go­ver­nar, se­ja o pre­si­den­te, se­jam os go­ver­na­do­res ou os pre­fei­tos.

Pa­ra con­se­guir ob­ter con­sen­so na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, a mãe de to­das as re­for­mas, o go­ver­no te­rá que li­dar com a mai­or frag­men­ta­ção par­ti­dá­ria da his­tó­ria do Par­la­men­to. So­men­te no Se­na­do, fo­ram 15 os par­ti­dos que ob­ti­ve­ram as­sen­tos. Mes­mo con­si­de­ran­do fu­sões ine­vi­tá­veis, o Par­la­men­to bra­si­lei­ro apre­sen­ta-se com uma das mai­o­res frag­men­ta­ções par­ti­dá­ri­as do pla­ne­ta, per­den­do ape­nas pa­ra Pa­pua-No­va Gui­né.

E não se es­pe­re que ta­ma­nha frag­men­ta­ção se­ja o re­fle­xo do con­tras­te do nos­so que­bra-ca­be­ça co­le­ti­vo. Agre­mi­a­ções pa­re­cem não ter um au­tên­ti­co las­tro so­ci­al que re­sul­te no aces­so des­sa mi­ría­de de par­ti­dos às ca­dei­ras do Par­la­men­to. A go­ver­na­bi­li­da­de já é com­pro­me­ti­da na ori­gem pe­la au­sên­cia de uma mai­o­ria es­tá­vel, exi­gin­do tra­ta­ti­vas e ne­go­ci­a­ções com uma ba­se tão he­te­ro­gê­nea que se tra­duz em al­to cus­to po­lí­ti­co do pro­ces­so de­ci­só­rio.

Em de­mo­cra­ci­as con­so­li­da­das e ma­du­ras, o par­ti­do mais vo­ta­do al­can­ça em tor­no de 40% do to­tal dos vo­tos. No Se­na­do, o mais vo­ta­do, o MDB, al­can­çou só 14,8%. Va­le lem­brar que pa­ra apro­var uma PEC (pro­pos­ta de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal) são ne­ces­sá­ri­os 60% dos vo­tos. Is­so in­di­ca as di­fi­cul­da­des enor­mes de ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca que te­rá o no­vo go­ver­no. Sem con­tar o fa­to de que, das 54 va­gas em dis­pu­ta nes­te ano, 46 se­rão ocu­pa­das por no­vos no­mes.

Mas de­ve­mos ter pre­sen­te que o mo­men­to que vi­ve­mos não é um so­lu­ço no tem­po. É fru­to de ca­ma­das de res­sen­ti­men­tos po­pu­la­res con­tra o que se tor­nou a ima­gem da po­lí­ti­ca e dos po­lí­ti­cos. A po­pu­la­ção, pe­lo vo­to, não ape­nas ele­geu seus no­vos re­pre­sen­tan­tes, mas de­fi­niu uma car­ta de na­ve­ga­ção pa­ra a éti­ca po­lí­ti­ca, à qual es­ta­mos to­dos su­jei­tos, in­de­pen­den­te do es­pec­tro po­lí­ti­co que ocu­pe­mos. Sen­do o Le­gis­la­ti­vo o po­der ori­gi­ná­rio, o úni­co em que to­dos os seus mem­bros se sub­me­tem à von­ta­de co­le­ti­va, de­ve­mos ser tam­bém os pri­mei­ros a aus­cul­tar o âni­mo que bro­ta do vo­to de­mo­crá­ti­co e so­be­ra­no da ci­da­da­nia.

Es­se qua­dro tor­na ain­da mais im­por­tan­te a elei­ção de um pre­si­den­te do Se­na­do ca­paz de se cons­ti­tuir de fa­to co­mo o re­pre­sen­tan­te má­xi­mo do Par­la­men­to fren­te à so­ci­e­da­de. Ca­be a ele a in­ter­lo­cu­ção com os mei­os de co­mu­ni­ca­ção, au­to­ri­da­des, sin­di­ca­tos, em­pre­sas e re­pre­sen­tan­tes di­plo­má­ti­cos. Es­ta­mos nu­ma ra­ra ja­ne­la de opor­tu­ni­da­de pa­ra de­se­nhar um no­vo pac­to cons­ti­tu­ci­o­nal en­tre os Po­de­res e, pa­ra tal, é ne­ces­sá­rio que o Par­la­men­to, in­de­pen­den­te e al­ti­vo, com­pre­en­da o re­sul­ta­do das ur­nas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.