O aves­so da ver­da­de

Mun­do obs­cu­ro aju­dou a ele­ger um pre­si­den­te

Folha de S.Paulo - - Opinião - Henry Bu­ga­lho For­ma­do em fi­lo­so­fia, au­tor de ‘O Rei dos Ju­deus’; you­tu­ber de te­mas fi­lo­só­fi­cos e con­tem­po­râ­ne­os

“Até ago­ra, to­dos os di­ta­do­res ti­ve­ram de tra­ba­lhar du­ro pa­ra su­pri­mir a ver­da­de. Nós, por meio de nos­sas ações, es­ta­mos di­zen­do que is­to não é mais ne­ces­sá­rio [...] de­ci­di­mos li­vre­men­te que que­re­mos vi­ver num mun­do pós-ver­da­de”. Ste­ve Te­si­ch, dra­ma­tur­go sér­vio, 1992.

A ver­da­de es­tá per­den­do im­por­tân­cia na com­pre­en­são do mun­do. Es­se é um fenô­me­no de for­te con­teú­do po­lí­ti­co que bus­ca im­por uma nar­ra­ti­va que pres­cin­de ou dis­tor­ce os fa­tos.

Ho­je, mui­tos you­tu­bers di­rei­tis­tas vei­cu­lam uma men­sa­gem pa­dro­ni­za­da: nas úl­ti­mas dé­ca­das, es­ta­va em cur­so a im­plan­ta­ção do co­mu­nis­mo no Bra­sil. Nes­sa te­o­ria cons­pi­ra­tó­ria, o fi­ló­so­fo An­to­nio Grams­ci se­ria o pi­lar de um mo­vi­men­to glo­bal pa­ra des­truir o ca­pi­ta­lis­mo a par­tir das ins­ti­tui­ções edu­ca­ti­vas, po­lí­ti­cas e cul­tu­rais. Uma re­vo­lu­ção se­cre­ta pa­ra de­sin­te­grar nos­sos va­lo­res tra­di­ci­o­nais.

Nes­sa guer­ra psi­co­ló­gi­ca, a agres­si­vi­da­de de vá­ri­os in­flu­en­ci­a­do­res não é ape­nas qu­es­tão de es­ti­lo. É fun­ci­o­nal, mes­mo que mui­tos de­les a ado­tem por imi­ta­ção ou in­tui­ti­va­men­te. De­ve-se con­fun­dir o opo­nen­te, de­sa­cre­di­tá-lo, aba­lar o seu mo­ral.

A es­tra­té­gia é a cons­tru­ção de uma nar­ra­ti­va pós-ver­da­de, alheia ao co­nhe­ci­men­to con­so­li­da­do. Afi­nal, to­dos na­ve­ga­mos pe­lo mun­do por meio de nos­sas his­tó­ri­as. Pa­ra acei­tar­mos da­da in­ter­pre­ta­ção da re­a­li­da­de, an­tes de tu­do ela pre­ci­sa fa­zer sen­ti­do. Uma his­tó­ria men­ti­ro­sa co­e­ren­te con­ven­ce mais que uma ver­da­de in­co­e­ren­te.

Es­se es­for­ço de rein­ven­ção da in­ter­pre­ta­ção da re­a­li­da­de es­tá em cur­so. To­dos os di­as so­mos bom­bar­de­a­dos por afir­ma­ções de ideó­lo­gos apre­sen­tan­do uma ver­são re­vi­si­ta­da do pas­sa­do e uma no­va vi­são pa­ra o pre­sen­te.

Em gran­de medida, as fa­las re­vi­si­o­nis­tas de Bol­so­na­ro, ne­gan­do fa­tos so­bre a di­ta­du­ra mi­li­tar ou alar­de­an­do uma “ame­a­ça co­mu­nis­ta”, têm ori­gem em Ola­vo de Car­va­lho, um dos res­pon­sá­veis por im­por­tar e re­em­ba­lar te­o­ri­as cons­pi­ra­tó­ri­as nor­te-ame­ri­ca­nas.

Ori­gi­nal­men­te vin­cu­la­do a sei­tas eso­té­ri­cas e ta­riqas is­lâ­mi­cas, ele foi con­so­li­dan­do, em cír­cu­los mar­gi­nais sem ne­nhum re­co­nhe­ci­men­to aca­dê­mi­co, uma re­pu­ta­ção de fi­ló­so­fo con­ser­va­dor, ne­gan­do o le­ga­do do Ilu­mi­nis­mo, da ci­ên­cia mo­der­na e dos va­lo­res de­mo­crá­ti­cos de­cor­ren­tes da Re­vo­lu­ção Fran­ce­sa.

Pou­co im­por­tou que seu au­to­di­da­tis­mo e fal­ta de cri­té­rio o le­vas­sem, por exem­plo, a in­ci­tar o te­mor de um mo­vi­men­to glo­bal pe­la le­ga­li­za­ção da pe­do­fi­lia. Es­se mun­do obs­cu­ro foi re­le­van­te na elei­ção de um pre­si­den­te.

Nes­te ins­tan­te, uma guer­ra ocor­re no am­bi­en­te vir­tu­al. De um la­do, arau­tos da pós-ver­da­de, al­guns ocu­pa­rão car­gos po­lí­ti­cos ou mi­nis­té­ri­os. De ou­tro, ci­en­tis­tas, pes­qui­sa­do­res, pro­fes­so­res, his­to­ri­a­do­res e fi­ló­so­fos es­for­çan­do-se pa­ra pre­ser­var uma com­pre­en­são mais cri­te­ri­o­sa da re­a­li­da­de.

Con­fron­ta­mos ago­ra o aves­so da ver­da­de. Es­te é o ins­tan­te no qual pro­fis­si­o­nais que tra­ba­lham com o sa­ber de­vem es­tar dis­pos­tos a de­fen­der o co­nhe­ci­men­to con­tra as in­ves­ti­das do obs­cu­ran­tis­mo, e no qual agen­tes po­lí­ti­cos te­rão de evi­tar a cor­ro­são das es­tru­tu­ras de­mo­crá­ti­cas por fi­gu­ras au­to­ri­tá­ri­as que ha­bi­tam um mun­do de ilu­sões cons­pi­ra­tó­ri­as, on­de co­mu­nis­tas es­prei­tam a ca­da es­qui­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.